COTAÇÃO DE 23/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8040

VENDA: R$4,8050

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8800

VENDA: R$4,9820

EURO

COMPRA: R$5,1166

VENDA: R$5,1182

OURO NY

U$1.853,34`��

OURO BM&F (g)

R$285,51 (g)

BOVESPA

+1,71

POUPANÇA

0,6084%

OFERECIMENTO

Agronegócio

Safra de grãos deve encolher 2,9% em MG

COMPARTILHE

Crédito: Clverson Beje/FAEP

Minas Gerais deve colher 13,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2018/2019. De acordo com os dados do 8º Levantamento da Safra Brasileira de Grãos, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o volume previsto para Minas Gerais está 2,9% menor frente ao recorde produtivo registrado na safra anterior, quando o Estado foi responsável pela colheita de 14,17 milhões de toneladas de grãos. A queda é resultado das variações climáticas, como chuvas irregulares e altas temperaturas em algumas regiões mineiras. É esperado aumento na produção de algodão e redução na colheita de soja e do milho.

No atual período produtivo, a área de plantio no Estado foi ampliada em 1,5%, somando 3,39 milhões de hectares. O rendimento médio das lavouras foi estimado em 4 toneladas por hectare, o que representa uma queda de 4,4% frente ao período produtivo anterior. Em relação ao 7º levantamento, divulgado em abril, houve pequena recuperação da produtividade, uma vez que os dados apontavam para um rendimento médio de 3,93 toneladas por hectare, o que daria uma queda de 7,1%.

PUBLICIDADE




De acordo com o superintendente de Informações do Agronegócio da Conab, Cleverton Santana, as melhores condições climáticas ao longo de abril permitiram um desenvolvimento mais favorável da segunda safra e contribuíram para a redução da queda prevista na produtividade.

“A informação deste levantamento é muito recente, do final de abril, e trouxe dados importantes, como o aumento da produtividade do milho na segunda safra, o que contribuiu para a recuperação de parte da produtividade média. Esse fator favoreceu para que a redução na safra fosse menor”, explicou.

Milho – A produção total de milho em Minas Gerais deve alcançar 7 milhões de toneladas, queda de 0,9% em relação ao volume registrado na safra anterior. A produtividade da cultura está 3,3% maior, com rendimento médio de 6,2 toneladas por hectare. Ao todo, a área dedicada ao cultivo do cereal ficou 4,1% menor, somando 1,11 milhão de hectares.

Na primeira safra de milho, a produção chegou a 4,59 milhões de toneladas, volume 14,8% inferior. No período, houve redução de 9,3% na área de cultivo, que atingiu 748,9 mil hectares. A produtividade foi afetada pelo clima desfavorável e recuou 6%, com a colheita de 6,1 toneladas por hectare.

PUBLICIDADE




Na segunda safra, com o clima mais favorável, a produtividade do milho cresceu 31,9% e somou 6,57 toneladas por hectare. A expectativa é colher 2,4 milhões de toneladas, o que, se alcançado, ficará 43,3% maior. A área de plantio é de 368 mil hectares, ampliação de 8,6%.

Algodão – O algodão vem se destacando entre os produtos. Com demanda aquecida e preços rentáveis, na safra 2018/19, a previsão é colher 52,2% a mais do produto, o que deverá render 151 mil toneladas de algodão em caroço. A área destinada ao cultivo cresceu 57,6%, somando 39,4 mil hectares. A estimativa é de uma redução de 3,4% na produtividade, com rendimento médio esperado de 3,83 toneladas por hectare.

A produção de algodão em pluma foi estimada em 60,4 mil toneladas, alta de 52,1%. A produtividade caiu 3,4% com a colheita de 1,53 tonelada por hectare. A produção de caroço de algodão será de 90,6 toneladas, aumento de 52,3%. O rendimento médio estimado é de 2,29 toneladas por hectare, retração de 3,4%.

Com maior liquidez que os demais grãos, a soja manteve a área em produção em crescimento. Na safra 2018/19, foram destinados 1,57 milhão de hectares para o cultivo da oleaginosa, variação positiva de 4,4% frente à safra 2017/18. Devido às condições climáticas desfavoráveis, a produtividade caiu 12,4%, com rendimento médio por hectare estimado em 3,2 toneladas. A expectativa é colher 5 milhões de toneladas de soja, o que, se alcançado, ficará 8,5% menor.

Na primeira safra de feijão, a falta de chuvas fez com que a produtividade recuasse 16,3%, com rendimento de 1 tonelada por hectare. Além da produtividade menor, a área produtiva caiu 4,6% com o uso de 150 mil hectares. Devido aos fatores, foi verificada queda de 20,1% na produção de feijão primeira safra, com a colheita de 158,4 mil toneladas. A redução expressiva fez com que os preços do grão subissem no mercado, o que estimulou o maior plantio na segunda safra.

De acordo com os dados da Conab, a segunda safra de feijão, em Minas Gerais, pode alcançar 192,3 mil toneladas, volume 37,3% maior. A produtividade da cultura cresceu 22,6%, com a colheita de 1,54 tonelada por hectare. A área em produção está 12% maior, com o plantio ocupando 130 mil hectares.

“A produção de feijão na primeira safra foi muito prejudicada pelo clima e vimos os preços subirem. Já na segunda safra, houve aumento do plantio e as chuvas foram suficientes para garantir boa produtividade”, destacou Santana.

País deve ter 2ª maior colheita de milho

Brasília – A safra de grãos 2018/2019 deve ter a segunda maior colheita de milho, com 95 milhões de toneladas. O milho impulsionou a produção de grãos no Brasil, que pode chegar a 236,7 milhões de toneladas, 900 mil abaixo do recorde registrado em 2016/2017.

As estimativas foram divulgadas ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) no 8º Levantamento da Safra de Grãos 2018/2019. O bom resultado do milho é consequência das chuvas dos últimos meses nas regiões produtoras da segunda safra do grão.

O levantamento mostra que a área plantada na safra 2018/2019 está estimada em 62,82 milhões de hectares, com acréscimo de 1,1 milhão em relação ao período anterior. Os maiores aumentos de área são de soja, milho segunda safra e algodão.

A soja continua sendo a principal escolha dos produtores, com colheita prevista de 114,3 milhões de toneladas. As expectativas para a temporada 2018/19 mantêm a tendência de crescimento da área plantada, com aumento de 1,9% em comparação à safra passada. O levantamento registra que os produtores de soja têm investido no uso de tecnologia para aumentar a produtividade e ter maior rentabilidade.

A área de cultura do algodão deve crescer 35,4%, com produção de 2,7 milhões de toneladas de pluma.

Cultura de inverno – O plantio das culturas de inverno deve se intensificar a partir deste mês. A estimativa da Conab é de que o trigo, principal grão cultivado, ocupará área de aproximadamente 2 milhões de hectares, o que representa redução de 68 mil hectares em relação à safra anterior.

“Essa diminuição se deve ao receio dos produtores quanto a problemas enfrentados na safra passada em relação à produtividade do trigo”, diz o levantamento. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!