COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio zCapa

Semana Internacional do Café é vitrine para produtores mineiros

COMPARTILHE

Evento internacional vai até amanhã, com uma programação com 170 palestrantes, além de conteúdos para todo o segmento cafeeiro e cursos de capacitação | Crédito: Divulgação

Um dos maiores eventos da cafeicultura mundial, a Semana Internacional do Café (SIC) foi iniciada ontem em edição totalmente virtual em função da pandemia da Covid-19. Ao todo, vão ser três dias de evento, gratuito, com conteúdos para toda a cadeia produtiva e cursos com especialistas. A realização da Semana de forma virtual é considerada essencial, já que a SIC é uma vitrine mundial para o café produzido em Minas Gerais e no Brasil, um espaço para capacitação e geração de negócios.

O evento vai até amanhã, com uma programação com 170 palestrantes, debatendo 65 conteúdos diferentes, entre painéis, entrevistas, palestras e cursos que abordam consumo, torrefação, agronegócio, comercialização, foco no barista e cafeterias. Cerca de 60 marcas vão ocupar estandes virtuais. No ano passado, a SIC, que até então era presencial, teve visitação recorde de 23 mil pessoas e movimentou R$ 50 milhões em negócios iniciados, com 40 eventos simultâneos, 220 expositores e 31 países visitantes.

PUBLICIDADE

De acordo com o presidente do Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Roberto Simões, a realização do evento é importante para toda a cadeia e movimenta os negócios.

“Nós tivemos que fazer o evento virtual tendo em vista a pandemia. Não poderíamos deixa de fazer, já que a SIC é um evento internacional e consolidado. Sendo virtual, vamos alcançar mais pessoas. É um evento intenso, com muitas reuniões, palestras, rodadas de negócios e workshops. Sempre com o lema de atender a toda a cadeia, da produção à xícara. Devido ao atual momento, os principais temas são a sustentabilidade, a qualidade, tecnologia, inovação e agregação de valor”, destacou.

Durante a abertura do evento, Simões chamou a atenção para o fato de que 2020 tem sido um ano excepcional para a produção de café. Somente do café arábica, a produção será 34% maior no País. Em Minas Gerais, a safra total do grão será 36,3% superior, com a colheita de 33,46 milhões de sacas beneficiadas de café, segundo os dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Com este volume, Minas Gerais responderá por 55% da produção nacional.

Terceira onda – O representante do Sistema Faemg também destacou que estamos vivendo a terceira onda do café, quando os consumidores querem conhecer a produção, a origem e as formas de preparo.

“Nessa terceira onda, as pessoas querem mais conhecimento sobre as propriedades produtoras, sabores, regiões de origem, tipos, preparo e torra. Isso significa que o consumo de cafés especiais está se sofisticando. Preparamos nossos produtores oferecendo assistência técnica. Nossa orientação é que o cafeicultor pegue uma parte da produção e invista nos cuidados para ter cafés especiais. Assim, ele terá um preço diferenciado”, afirmou.

Simões informou que, em 2021, entre abril e maio, será inaugurado, em Varginha, no Sul de Minas Gerais, o primeiro Centro de Excelência em Cafeicultura do País. “O Centro irá irradiar inovação, tecnologia e conhecimento para o Brasil”, explicou.

Pequenos produtores se destacam

O café tem grande importância para a economia de Minas Gerais e do País. Um dos pontos mais relevantes é que a maior parte do grão é produzida em propriedades de pequeno porte e na agricultura familiar, que se organizam em cooperativas e vendem cafés para todo o mundo.

O presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Ocemg), Ronaldo Scucato, ressaltou que Minas Gerais, se considerado um país, seria o maior produtor de café do mundo. Por isso, a importância da realização da SIC em Belo Horizonte.

“Ressalto os números e a importância do café, que, em sua grande maioria, é produzido por pequenos cafeicultores, organizados em cooperativas. Mais de 50% do café produzido no País vem de Minas e cerca de 70% do volume passa por cooperativas mineiras. São dados muito significativos. A cada 10 xícaras consumidas no País, quatro são de cooperativas. O volume de produção aumenta ano após ano, acumulando alta de quase 50% nos últimos cinco anos”, disse.

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, destacou que o Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo. Tem uma produção sustentável e cafés de excelência.

“Este ano, estamos finalizando uma grande safra. O Mapa tem o café como um dos principais produtos. Trabalhamos com o Funcafé, que ajuda no financiamento dos cafeicultores. Quero dizer que estamos juntos”.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, também destacou a importância do setor cafeeiro e se disse disposto a contribuir para alavancar ainda mais o setor.

“Minas Gerais é o estado que mais produz e que tem os melhores cafés. Meu governo dará total apoio em tudo que estiver ao nosso alcance”, disse.

Serviço

Semana Internacional do Café 2020 – 100% Digital
Datas
: 18 a 20 de novembro
#conectadospelocafé
Cadastro gratuito: semanainternacionaldocafe.com.br 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!