Os bovinos, ao lado da soja, milho e café, estão entre os principais responsáveis pela estimativa de bom desempenho do setor | Crédito: Paulo Whitaker/Reuters

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2020 é 11,5% superior ao de 2019, saltando de R$ 723,4 bilhões para R$ 806,6 bilhões. O resultado foi obtido a partir das atualizações do levantamento da produção e dos preços dos produtos agropecuários pesquisados em setembro.

Em cinco anos, esse indicador aumentou em R$ 100 bilhões. “Sem dúvida, esses resultados trouxeram um aumento considerável da renda nas principais regiões do interior do País. O faturamento das lavouras aumentou 15%, atingindo R$ 543 bilhões, e a pecuária, 4,9%, alcançando R$ 263,6 bilhões”, avalia o coordenador-geral de Avaliação de Política e Informação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, José Garcia Gasques.

Soja, bovinos, milho e café foram os principais responsáveis por esses resultados da agropecuária.

As lavouras, de modo geral, apresentaram bom desempenho neste ano: amendoim (28,5%), arroz (26,2%), cacau (18,7%), café (42,1%), feijão (13,4%), mamona (29,6%), milho (16%), soja (30,3%) e trigo (58%). Entre os produtos que não tiveram desempenho favorável, destacam-se a banana, batata, tomate, uva e frango.

Os preços agrícolas têm sido favoráveis aos produtores este ano, conforme a pesquisa elaborada pela SPA. “Além dos preços, a safra recorde de grãos e o comércio internacional favorável compõem um cenário de bons resultados financeiros”, salienta Gasques. Para ilustrar, o coordenador do estudo cita os acréscimos de preços para os principais produtos como a  banana (17,6% de aumento real em relação a 2019), café arábica (15,8%), feijão (17,4%), milho (16,2%), soja (21,8%), trigo (21%), bovinos (16,4%) e suínos (10,5%).

Matopiba Outro aspecto importante ressaltado pela pesquisa são os resultados de milho e soja, que permitiram forte recuperação à região do Matopiba – área que compreende o bioma Cerrado dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia -, que, no ano passado, foi bastante afetada pela seca em alguns locais. Houve, entre 2019 e este ano, forte incremento do VBP dessa região.

Os estados que puxam os valores da produção agropecuária brasileira são Mato Grosso (R$ 145,8 bilhões), Paraná (R$ 103,2 bilhões) e São Paulo (R$ 97,6 bilhões).

O VBP mostra a evolução do desempenho das lavouras e da pecuária ao longo do ano e corresponde ao faturamento bruto dentro do estabelecimento. É calculado com base na produção da safra agrícola e da pecuária e nos preços recebidos pelos produtores nas principais praças do País. (Com informações do Mapa)

PIB do agronegócio acumula alta de 6,75%

São Paulo – O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio cresceu 6,75% de janeiro a julho de 2020, ante mesmo período de 2019, impulsionado pelo segmento primário (dentro da porteira), conforme análise da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) na sexta-feira (9).

O levantamento destacou a ocorrência da safra recorde de grãos e as exportações que, diante do “efeito China”, favoreceram a rentabilidade e a competitividade do setor com a desvalorização do real frente ao dólar.

A atividade primária ajudou a impulsionar o resultado nos primeiros sete meses, com crescimento de 18,46%, afirmou a CNA em comunicado.

Serviços e insumos tiveram expansão de 6% e 2,4%, respectivamente. Já a agroindústria teve queda no acumulado do ano até julho, de 0,37%, “ainda reflexo dos efeitos da Covid-19, sendo o elo mais afetado”.

No ramo agrícola, o PIB teve alta de 4,3% nos sete primeiros meses do ano em relação ao mesmo período de 2019.

“O resultado reflete principalmente os preços maiores, com destaque para café, milho, soja e trigo, assim como a expectativa de maior produção na safra atual, com uma safra recorde de grãos e expansão para produtos como café e laranja”, explicou a CNA.

Na pecuária, houve uma firme elevação de 12,25% de janeiro a julho, com expansão significativa em todos os elos, impulsionada pela valorização das carnes, sendo que o movimento de alta foi intensificado em julho, segundo a análise.

No desempenho mensal, o PIB do agronegócio cresceu 1,26% em julho, sétima elevação consecutiva. O setor primário avançou 2,95%, seguido por serviços (1,03%) e insumos (0,55%). (Reuters)