COTAÇÃO DE 29/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6090

VENDA: R$5,6100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6470

VENDA: R$5,7730

EURO

COMPRA: R$6,3216

VENDA: R$6,3229

OURO NY

U$1.783,43

OURO BM&F (g)

R$322,48 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio livre

Vendas do Brasil à China iniciam ano aquecidas e sobem 126% em janeiro

COMPARTILHE

Em termos de faturamento, o incremento nas exportações foi em torno de 200% - Crédito: Paulo Whitaker/Reuters

São Paulo – As exportações de carne bovina do Brasil para a China cresceram 126% em janeiro na comparação com igual período do ano passado, somando 53,2 mil toneladas, disse a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) ontem.

O volume embarcado ao país asiático puxou a alta de 9,84% registrada nas exportações totais do mês, que atingiram 135.375 toneladas, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Abiec.

PUBLICIDADE

“É um resultado positivo e que vai ao encontro com as nossas estimativas de crescimento para este ano”, disse, em nota, o presidente da Abiec, Antônio Jorge Camardelli – em dezembro, a associação projetou para 2020 um aumento de 13% nas exportações brasileiras do produto.

Em termos de faturamento, o avanço nas vendas para a China foi de 200%, para US$ 322,8 milhões, enquanto a receita geral registrou alta de 37,9%, chegando a US$ 633,25 milhões.

Os dados indicam um começo de ano forte para o setor, após recordes de volume e receita com exportações em 2019, quando a área foi impulsionada também pela China, que acelerou compras de proteínas após a peste suína africana dizimar seu enorme plantel de porcos.

Segurança alimentar – Membros da indústria de carnes brasileira, como executivos da JBS e da BRF, acreditam que as exportações para a China devem crescer mesmo com o atual surto de coronavírus no país, afirmando que o caso pode levantar preocupações quanto à segurança alimentar chinesa.

Além disso, as consequências da peste suína e o surgimento de surtos de gripe aviária na nação asiática também podem influenciar em um aumento nos embarques de carne do Brasil.

A Abiec não mencionou qualquer impacto do coronavírus em sua nota. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!