Tomate longa vida foi uma das hortaliças fruto que registrou maior retração nos preços: de 47,8% frente a outubro de 2018 - Crédito: Alisson J. Silva Ceasaminas

Ao longo de outubro, a venda de hortigranjeiros, cereais e produtos diversos industrializados na Centrais de Abastecimento de Minas Gerais (Ceasa Minas), em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), alcançou  176 mil toneladas, o menor volume observado no mês de outubro dos últimos quatro anos.

A queda, na comparação com outubro de 2018, foi de 1%, porém, o volume ofertado ficou 2,5% acima do registrado em setembro.

De acordo com os dados conjunturais divulgados pela Ceasa Minas, em outubro, o preço médio dos produtos em geral, R$ 2,29 por quilo, subiu 8% na comparação com igual período do ano anterior e reduziu 6,5% frente ao de setembro.

A pesquisa ressalta que foi verificada forte elevação nos preços das raízes (39,7%) e das frutas brasileiras (12,6%), o que puxou a média dos hortigranjeiros em outubro, alcançando uma elevação de 14,3% sobre a média de igual mês de 2018, porém 8,3% abaixo do observado em setembro.

O preço médio dos hortigranjeiros ficou em R$ 2 por quilo. O setor de hortigranjeiros é o maior da Ceasa Minas, respondendo por cerca de 76% do total de produtos ofertados. A oferta do grupo totalizou 133 mil toneladas, volume 0,4% inferior ao registrado em igual mês de 2018 e 5,4% maior que os praticados em setembro.

Hortaliças – No grupo das hortaliças, que representou 38% do volume comercializado no entreposto, o preço médio subiu 18,2% na comparação com outubro de 2018 e retraiu 13,8% frente a setembro, com o quilo negociado a R$ 1,75. No período, o volume de hortaliças comercializado chegou a 66,7 mil toneladas, o que representou um avanço de 6,7% frente a outubro de 2018 e de 7,5% na comparação com o mês anterior.

Dentre os itens que compõem o grupo de hortaliças fruto, o tomate longa vida foi uma das hortaliças que apresentou maior variação negativa de preço, 47,8% em relação a outubro de 2018 e 16,2% frente a setembro último, com o quilo negociado a R$ 1,19. A oferta do tomate longa vida cresceu 4,4%.

Queda também foi verificada nos preços do pepino. Com o quilo vendido a R$ 0,87, a redução em relação a setembro foi de 5,4% e de 35,1% na comparação com outubro de 2018. Em relação a setembro, também foi observada queda nos preços da moranga hibrida, 11,8%, chuchu, 19,9%, e milho verde, com retração de 19,5%.

Entre as altas, o preço do quiabo, R$ 4,61 por quilo, ficou 45% superior ao praticado em setembro e 111% em relação a outubro de 2018. O quilo do jiló foi negociado a R$ 1,77, valor 41,6% maior que em setembro e 34,1% frente a outubro do ano anterior.

Já no grupo das hortaliças raízes, em outubro, na comparação com setembro, foi verificada queda de 29,9% nos valores da cebola amarela, 29,9% no preço da cenoura, seguida pelo recuo de 15,6% na beterraba e de 16% nos preços da batata lisa.

No grupo, ficaram mais caros o inhame, com valorização de 13,5%, a mandioca, com alta de 6,6%, alho, 1,6%, e batata doce, 1,1%.

Frutas – Já o grupo das Frutas – que responde por cerca de 35% da oferta total de produtos no entreposto –, em outubro de 2019, apresentou recuo de 5,4% na oferta em comparação com outubro de 2018 e aumento de 4,9% se comparado com setembro passado. Ao todo, foram disponibilizadas 60,7 mil toneladas de frutas.

As frutas brasileiras, que são a base do comércio atacadista de frutas do entreposto com 59,18 mil toneladas, apresentaram alta de 5,5% na oferta em outubro de 2019, frente a setembro. Os preços médios, na comparação com o ano passado, subiram 12,6%, porém, mantiveram-se estáveis frente a setembro, com o quilo negociado a R$ 2,05.

Os demais grupos que compõem as vendas do Ceasa Minas, cereais e produtos diversos (industrializados) encerraram outubro com queda na oferta.

Os dados do entreposto mostram retração de 22% na oferta de cereais em outubro frente a setembro, com a disponibilização de 3,4 mil toneladas. Em relação a outubro de 2018, a queda ficou em 13,5%.

Em produtos diversos, a oferta ficou 3,8% inferior frente a setembro e em 1,6% frente a igual mês do ano anterior. Ao todo, foram disponibilizadas 39,1 mil toneladas de produtos industrializados na Ceasa Minas.