COTAÇÃO DE 16/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2650

VENDA: R$5,2660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2970

VENDA: R$5,4430

EURO

COMPRA: R$6,1849

VENDA: R$6,1877

OURO NY

U$1.753,13

OURO BM&F (g)

R$296,60 (g)

BOVESPA

-1,10

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio zCapa

Verde Campo adota nova remuneração a produtor de leite

COMPARTILHE

Foto: Eduardo Seidl/Palácio Piratini Usada em 28-06-19 Usada em 27-08-19 Usada em 26-11-19 Usada em 30-01-20 Usada em 04-05-20 Usada em 03-07-20
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Pagar pelo que realmente interessa ao produtor e produzir o que realmente a indústria precisa é a condição dos sonhos de toda cadeia produtiva. Em Lavras, no Sul de Minas, a Verde Campo trabalha há seis anos junto com produtores de leite da região para, efetivamente, cumprir essa missão.

O programa “Mais Leite Mais Sólidos” entra agora na sua fase mais importante: a remuneração realizada de acordo com o índice de sólidos totais (proteína, gordura e lactose). A prática, já comum em países como a Austrália e Nova Zelândia, é pioneira no Brasil. Em média, a remuneração paga ao produtor pode crescer até 18% em relação ao sistema de pagamento por litro.

PUBLICIDADE

De acordo com o gerente de Captação da Verde Campo, Sávio Santiago, o projeto começou dando apoio técnico aos pequenos produtores da região. “A composição do leite varia de 88% de água e 12% de sólidos até 85% de água e 15% de sólidos. O que dá origem aos produtos derivados como queijo, iogurte, requeijão, entre outros, são os sólidos. Essa é a parte que interessa para a indústria. Sem informar que no futuro passaríamos a fazer esse tipo de pagamento, começamos a preparar os produtores em 2014. Entramos com apoio genético e também levando veterinários para cuidar da alimentação do gado dentro das fazendas. Agora chegamos a um ponto que o retorno financeiro já é possível e podemos implantar o pagamento por sólidos”, explica Santiago.

Ao longo do programa, a Verde Campo já investiu cerca de R$ 6 milhões. Em uma semana, cerca de 15% da rede de fornecedores da Verde Campo já aderiu ao novo modelo de remuneração e a expectativa é de que chegue a 40% em 60 dias. Serão cerca de 80 produtores, capazes de produzir entre 50 mil e 60 mil litros por dia, instalados em um raio de 150 quilômetros em torno de Lavras.

Benefícios amplos – Se, de um lado, a remuneração por sólidos promete ser maior e mais justa para o produtor, de outro, a elevação dos índices de presença do componente aumenta o resultado da fábrica, que recebe um insumo de maior rendimento. Impacta diretamente, também, a cadeia logística, que faz menos viagens para entregar o mesmo resultado final. Isso significa diminuição nos custos e menor impacto ambiental, reduzindo a emissão direta de carbono na atmosfera, e outros ganhos menos visíveis, como aqueles envolvendo os desgastes de materiais.

“A gente já tem um leite diferenciado em padrões físico-químicos, comparável aos melhores europeus, aqui na região. Agora esse leite vai ficar ainda mais rentável para a indústria e, por isso, podemos recompensar os produtores que aceitaram participar de um programa que visava a melhorar a qualidade do produto sem saber que poderiam ter uma remuneração a mais por isso. O Sul de Minas já é uma ilha de excelência, e iniciativas como essa têm potencial para transbordar o nosso raio de ação. Já recebemos consultas de produtores que querem saber como o projeto funciona”, comemora o gerente de Captação da Verde Campo.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!