COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus

Ministério da Saúde assina contrato para aquisição de doses da Sputnik V

COMPARTILHE

POR

Crédito: Agustin Marcarian/ Reuters

Brasília – O Ministério da Saúde assinou, nesta sexta-feira, contrato para compra de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V contra Covid-19, que serão importadas da Rússia pelo laboratório brasileiro União Química, informou a pasta.

Conforme o comunicado do ministério, o cronograma de entrega da vacina prevê a chegada de 400 mil doses até o fim de abril, mais 2 milhões em maio e 7,6 milhões em junho.

“Chegamos a um bom entendimento para receber a Sputnik V, iniciado ainda em agosto de 2020, quando a Rússia aprovou o uso desse imunizante para seus cidadãos. Aprofundamos essas negociações já no mês seguinte e agora temos mais um reforço para salvar vidas e fortalecer nosso Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 (PNO)”, disse o secretário-executivo da pasta, Elcio Franco, no comunicado.

PUBLICIDADE

O ministério destacou que, para aplicar efetivamente a vacina russa e realizar pagamentos para cada dose do imunizante, a União Química tem de providenciar, o quanto antes, a autorização para uso emergencial e temporário.

Segundo a pasta, a farmacêutica também informou ao ministério que pretende fabricar a substância em plantas que possui em São Paulo e no Distrito Federal para atender à demanda nacional, possibilidade que será avaliada pelo ministério nas próximas semanas e que poderá levar à concretização de outro acordo comercial.

Em janeiro, a Anvisa chegou a devolver ao laboratório União Química os documentos referentes a pedido de uso emergencial no Brasil da Sputnik V, alegando que não haviam apresentado os requisitos mínimos para submissão e análise pelo órgão regulador.

O gerente de Medicamentos da Anvisa, Gustavo Mendes, explicou, nesta sexta-feira, que foram feitas exigências quanto a dados e informações de estudos, sem respostas, o que levou o órgão a devolver o processo de pedido de uso emergencial.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!