COTAÇÃO DE 02-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6600

VENDA: R$5,6600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8130

EURO

COMPRA: R$6,3753

VENDA: R$6,3783

OURO NY

U$1.768,55

OURO BM&F (g)

R$319,92 (g)

BOVESPA

0,4902

POUPANÇA

+3,66%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus
Com a redução da tarifa chinesa, volume de açúcar extracota voltará a ser tributado em 50% | Crédito:

São Paulo – A China não renovou uma política de salvaguarda adotada desde 2017 que aumentava tarifas de importação de açúcar sobre volumes extracota, disse a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), abrindo espaço para que o Brasil eleve as vendas ao país asiático.

Segundo comunicado da Unica, a salvaguarda expirou na sexta-feira (22) e a redução da tarifa “pode representar uma oportunidade para o setor ampliar a comercialização internacional em meio à crise causada pelo Covid-19 no mercado interno”.

PUBLICIDADE

A China estabelece uma cota de importação anual de 1,95 milhão de toneladas de açúcar com a tarifa de 15%. Volumes extracota, até 2017, tinham 50% de tributo.

Com a salvaguarda, volumes extracota passaram a ser taxados em 95%, com uma progressão decrescente de 5% ano a ano até o final do prazo. Entre maio de 2019 e maio de 2020, a barreira estava em 85%, disse a entidade.

Com o fim da salvaguarda, todo volume extracota volta a ser tributado em 50%.
Dados da Unica mostram que, até o início da salvaguarda, a China era o maior mercado para o açúcar brasileiro, com exportações que ultrapassavam 2,5 milhões de toneladas por ano.

Na safra de 2017/18, com a política da salvaguarda, o volume caiu para apenas 115 mil toneladas.

No ciclo de 2018/19, a China estendeu o mecanismo para todos os países e o Brasil embarcou 890 mil toneladas para o país asiático, acima do registrado no ciclo anterior, mas abaixo dos patamares do passado. Já a safra de 2019/20, encerrou-se com 1,3 milhão de toneladas de açúcar exportadas para a China.

“Esperamos que as exportações ao país voltem aos níveis próximos àqueles anteriores à salvaguarda, ampliando mercado aos produtores brasileiros”, disse, em nota, o diretor-executivo da Unica, Eduardo Leão.

O aumento de tarifas havia sido alvo de pedido de consulta do Brasil junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), o que levou ao início de negociações entre autoridades brasileiras e chinesas sobre o tema.

“Isso permitiu um acordo entre os dois países, por meio do qual o Brasil concordou em não dar seguimento ao processo de abertura de painel na OMC mediante o compromisso chinês de não estender a salvaguarda após maio de 2020”, destacou a Unica. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!