DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Direto da Redação

Vale doa 1 milhão de cestas básicas por meio do Movimento Panela Cheia

COMPARTILHE

A pandemia da Covid-19 intensificou o aumento do número de pessoas em situação de insegurança alimentar grave no Brasil. Atenta a este cenário, a Vale está unindo esforços com organizações que atuam para o combate à fome no país: Movimento Panela Cheia (formado por Cufa, Gerando Falcões e Frente Nacional Antirracista) – com o apoio da União SP e cooperação da Unesco no Brasil -, o Movimento União Rio e a Ação da Cidadania.

A iniciativa também tem apoio do Programa Mundial de Alimentos (WFP), da Organização das Nações Unidas (ONU). Ao todo, serão doadas cerca de 1 milhão de cestas básicas para alimentar 219 mil famílias brasileiras. Por volta de 70% dessas famílias receberão as doações em cestas ou cartões-alimentação, mensalmente, por 6 meses.

PUBLICIDADE

A distribuição das cestas será dividida em três frentes: o WFP, com apoio de governança da Deloitte, oferecerá apoio técnico e logístico a ONGs parceiras, que distribuirão os alimentos para municípios do Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pará e Mato Grosso do Sul, por meio de cestas básicas ou cartões-alimentação, viabilizados pela Alelo.

As ONGs que executarão a ação nos estados são: Instituto Brasileiro de Inovações Pró-Sociedade Saudável Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul); Agente Pastoral Negros do Brasil (Espírito Santo); Associação Arebeldia Cultural (Minas Gerais); Instituto Beneficente Amigos que Brilham (Pará); Centro de Estudos Avançados de Promoção Social e Ambiental/Projeto Saúde e Alegria (Pará); e Instituto Nordeste Cidadania (Maranhão).

O Movimento Panela Cheia ficará responsável por distribuir alimentos para os demais estados do país e, dentro dele, a CUFA contará com o apoio de governança da Deloitte. Já a atuação do União Rio será focada no Rio de Janeiro.

A Ação da Cidadania atuará em parceria com a Rede Voluntária Vale, plataforma de voluntariado da empresa, aberta a toda a sociedade. O objetivo é mobilizar pessoas interessadas em doar, em todo o país, a se unirem a causa. A atuação junto à Ação da Cidadania será via matching: a cada R$ 1 doado pelo site da Rede Voluntária, a Vale fará uma doação de R$ 10.

A meta é alcançar R$ 200 mil em doações de voluntários para garantir R$ 2 milhões em doações da Vale, que serão revertidos em cestas básicas a serem entregues pela Ação da Cidadania nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Maranhão, Pará e Mato Grosso do Sul.

“Nunca foi tão necessário como agora, em meio à pandemia da Covid-19, ajudar quem enfrenta dificuldades para se alimentar diariamente. Conectando com o nosso propósito de melhorar a vida e transformar o futuro das pessoas, estamos somando forças no combate à fome e esperamos que outras empresas também venham a apoiar esta causa”, afirma o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo.

“Chegamos a um momento insustentável da fome no país. Sabemos que quem tem fome tem pressa e aceleramos o máximo a nossa parceria com o Movimento Panela Cheia, WFP, União Rio e a Ação da Cidadania para alimentar milhares de brasileiros até o fim do ano. Queremos que essa ação mobilize outras pessoas e empresas e que entidades se sintam motivadas a se engajarem nessa luta tão urgente”, afirma o vice-presidente executivo de Relações Institucionais e Comunicação da Vale, Luiz Eduardo Osorio.

A diretora e representante da UNESCO no Brasil, Marlova Noleto, destaca a união das entidades. “Ficamos muito felizes em contar agora com o apoio da Vale e do Programa Mundial de Alimentos, reforçando esse trabalho de excelência que a CUFA, o Gerando Falcões e a Frente Nacional Antirracista vêm fazendo e contando com a permanente cooperação da UNESCO. É imprescindível que haja essa união de esforços para continuarmos apoiando a população mais vulnerável”, conclui.

“Temos visto um movimento de união e de solidariedade que tem sido essencial para esse momento que estamos vivendo. Ações como esta que estamos operando com a Vale salvam vidas e irão possibilitar que muitas famílias tenham segurança para algo que é básico: a alimentação e é nosso dever, enquanto sociedade, atuar ao máximo para garantir esse direito”, afirma o presidente global da CUFA, Preto Zezé.

“Para nós do WFP, é muito importante aliarmos nosso conhecimento em logística, mapeamento e construção de redes a iniciativas da sociedade civil e do setor privado para o combate à fome. Neste momento pelo qual passamos, precisamos agir de forma coordenada para garantir que que as populações mais vulneráveis não sejam deixadas para trás”, afirma o representante no Brasil do Programa Mundial de Alimentos (WFP), das Nações Unidas, e diretor do Centro de Excelência contra a Fome, Daniel Balaban.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!