COTAÇÃO DE 25/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5074

VENDA: R$5,5089

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5074

VENDA: R$5,5089

EURO

COMPRA: R$6,6799

VENDA: R$6,6828

OURO NY

U$1.856,15

OURO BM&F (g)

R$327,82 (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Aeroporto-indústria de Confins deve atrair aportes de R$ 3,5 bi

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Divulgação

A BH Airport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), negocia com pelo menos 15 empresas para se instalarem no aeroporto-indústria do terminal.

Com o início das operações previsto para o começo de julho, o entreposto aduaneiro poderá atrair R$ 3,5 bilhões de investimentos e gerar 40 mil empregos entre diretos e indiretos nos próximos anos.

As informações são do diretor-presidente da BH Airport, Marcos Brandão. Segundo ele, das 15 empresas que negociam com a concessionária, dez estão em estágio avançado.

“Isso significa que já possuímos acordos de confidencialidade e acesso a informações estratégicas, bem como proposta comercial e estudo de área necessária”, afirmou.

O primeiro aeroporto-indústria do País seria inaugurado oficial e virtualmente ontem (21), no entanto, problemas técnicos inviabilizaram a cerimônia, para a qual chegaram a comparecer o governador Romeu Zema (Novo), demais autoridades mineiras, diretores do aeroporto e empresários de diferentes segmentos, inclusive o diretor-presidente da Clamper Indústria e Comércio S/A, Ailton Ricaldoni Lobo, a primeira empresa a operar no entreposto a partir de julho. Uma nova data para a inauguração do aeroporto-indústria será anunciada em breve.

Brandão destacou que a inauguração do aeroporto-indústria é um marco para Minas Gerais e para o Brasil no que se refere ao aumento da competitividade da indústria nacional.

Para o executivo, o projeto que começou a ser desenhado pelo governo do Estado em 2000 e chegou a ter duas tentativas de licitação por parte da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), sem sucesso, engloba uma proposta plural e impulsionadora para o empresário brasileiro.

“Resgatamos o projeto justamente pela importância e pela relação com nosso propósito de conectar negócios e pessoas. Estamos falando de um pioneirismo que está sendo entregue ao Estado e que será fundamental na construção da retomada da nossa economia após a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O que é oferecido por esse empreendimento é algo novo no País, é transformador e vai contribuir em elevar a competitividade das indústrias a outro patamar”, ressaltou.

O primeiro aeroporto-indústria do Brasil conta com uma área disponível de 750 mil metros quadrados e, conforme já publicado, o número de empresas que poderá abrigar depende da área que cada uma demandará. Porém, a expectativa é de atrair cerca de 250 empresas nos próximos anos.

Desde que assumiu as operações do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em 2014, a concessionária afirma que o objetivo é consolidar o terminal em um importante instrumento de desenvolvimento econômico e social do Estado. Tirar o projeto do entreposto-aduaneiro do papel, conforme a empresa, faz parte do processo.

“Vale ressaltar que esse empreendimento cumpre um papel relevante de diversificação da economia mineira, transformando-se em um ambiente favorável para atração de empresas que produzem bens de alto valor agregado”, destacou.

Para isso, o sistema de gestão do processo alfandegário da BH Airport foi homologado pela Receita Federal no início de abril. Na prática, isso significa o início da conexão das empresas que forem atuar no aeroporto com o órgão, gerando ganhos em logística e segurança.

Com isso, as mercadorias admitidas neste regime poderão ser submetidas às operações de exposição, demonstração e teste de funcionamento; industrialização e manutenção ou reparo, com suspensão do pagamento dos impostos incidentes na importação e na exportação, bem como suspensão de impostos ou utilização de benefícios fiscais.

Pandemia – Sobre os impactos da pandemia não apenas no tráfego de passageiros, mas também nas operações e receitas do Aeroporto Internacional, Brandão falou que há algum tempo a concessionária vinha trabalhando e desenvolvendo novas frentes de atuação que não dependessem de passageiros, como é o caso do aeroporto-indústria.

Embora não tenha revelado detalhes, por questões estratégicas, o diretor disse que outro projeto deverá ser lançado ainda neste exercício.

“São todos projetos complementares à aviação, que vinham sendo trabalhados desde 2018. O coronavírus e os impactos impostos ao setor aceleraram o processo e entendemos que estas novas frentes serão fundamentais para a retomada econômica no período pós-pandemia, somando-se ao turismo”, destacou.

Sobre a movimentação de cargas, Brandão falou que a estratégia da BH Airport foi fazer parcerias com players multimodais e que, com isso, o fluxo foi praticamente mantido.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente