COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Alta no preço do gás natural será repassada pela Gasmig

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação / Gasmig

A Companhia de Gás do Estado de Minas Gerais (Gasmig) não informou o percentual, mas adiantou que a alta nos preços do gás natural anunciada ontem pela Petrobras para distribuidoras será repassada a clientes. Representantes do setor industrial, que representam 91% dessa fatia, demonstram preocupação com a alta do energético.

Segundo a Petrobras, a partir do dia 1º de maio, os preços de venda de gás natural para as distribuidoras estarão 39% mais caros em reais por metros cúbicos (R$/m³), na comparação com o último trimestre.

PUBLICIDADE

A variação é resultado “da aplicação das fórmulas dos contratos de fornecimento, que vinculam o preço à cotação do petróleo e à taxa de câmbio”. Conforme a companhia, as atualizações dos preços dos contratos são trimestrais e com relação aos meses de maio, junho e julho, a referência adotada são os preços dos meses de janeiro, fevereiro e março.

“Durante esse período, o petróleo teve alta de 38%, seguindo a tendência de alta das commodities globais. Além disso, os preços domésticos das commodities tiveram alta devido à desvalorização do real”, informou a petroleira em nota.

A Petrobras está repassando o custo do transporte do produto até o ponto de entrega às distribuidoras. Esses custos, segundo a Petrobras, são definidos por tarifas reguladas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). “Essa parcela do preço é atualizada anualmente no mês de maio pelo IGP-M, que, para o período de aferição (março de 2020 a março de 2021), registrou alta de 31%, informou a petroleira.

“Estamos analisando e correndo atrás de formas de afetar menos nossos clientes, mas haverá impacto”, disse o presidente da Gasmig, Pedro Magalhães. Segundo ele, o setor industrial representa 91% desses consumidores. Clientes residenciais e de gás veicular não terão impactos desse ultimo aumento, uma vez que já tiveram reajuste em fevereiro. No caso do GNV, os preços da Gasmig seguem congelados. Ele observou que o custo do energético para a Gasmig praticamente dobrou em nove meses. “Nosso preço de compra em agosto era de R$ 0,95, agora é R$ 1,79”.

Política de redução

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, o novo aumento, por mais justificativas que tenha, contraria a promessa do governo federal de reduzir o custo do gás natural. “Esse novo aumento é um absurdo. O governo tinha anunciado uma política de redução do preço do gás e, desde que anunciou, só vemos aumentos. É um impacto muito negativo na indústria como um todo”, observou. Roscoe informou que o setor está dialogando com a Gasmig em busca de soluções.

“Muitas indústrias estão passando por dificuldades já em função do aumento anterior. Isso pode levá-las, inclusive, a optar pelo uso de carvão de lenha, o que vemos com muita preocupação em função da sustentabilidade”, completou o presidente da Câmara de Petróleo e Gás da Fiemg, Humberto Zica.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!