COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque

Beneficiários de auxílio perdem 51,4% do poder de compra em MG

COMPARTILHE

app auxílio emergencial
Crédito: Marcelo Camargo / ABr

Daniel Vilela

O auxílio emergencial foi criado em abril deste ano para trazer certo alento ao grande número de desempregados e trabalhadores informais, autônomos e famílias cadastradas em programas sociais do governo atingidos pela crise econômica trazida pela pandemia da Covid-19. Porém, em setembro, as parcelas pagas passaram de R$ 600 para R$ 300, redução que já traz efeitos para o bolso e a mesa do consumidor.

PUBLICIDADE

Um estudo realizado pela agência Bons Investimentos, com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), analisou o impacto do novo valor do auxílio emergencial no poder de compra de cerca de 30 milhões de pessoas que atualmente recebem o auxílio governamental.

Além da redução de 50% no valor do auxílio, a agência também levou em consideração a inflação dos alimentos entre os meses de agosto e setembro deste ano.

Em Minas Gerais, a perda do poder de compra foi de 51,4%, menor do que a média nacional, que foi de 52,6%. O estado de Santa Catarina registrou a maior perda, chegando a 54,5%.

A pesquisa levou em consideração o valor da cesta básica em 17 capitais. Em Belo Horizonte, a cesta básica custava R$ 478 em agosto. Já em setembro, o custo dos alimentos que compõem a cesta elevou o valor da cesta para R$ 492. Segundo o estudo, Belo Horizonte possui a oitava sexta básica mais cara do País.

Em média, na capital mineira, enquanto a parcela do auxílio emergencial era de R$ 600, os consumidores conseguiam comprar 1,26 cestas básicas com os recursos da ajuda governamental. Atualmente, com o auxílio em R$ 300, este último índice está em 0,6. Ou seja, é possível comprar um pouco mais do que meia sexta básica com o auxílio.

Alguns alimentos foram os maiores responsáveis pela inflação identificada entre agosto e setembro. Entre eles estão o óleo de soja, que aumentou em todas as capitais pesquisadas, com destaque para Natal, que registrou um aumento de 40% no preço do produto.

Outro alimento que elevou os índices de inflação no último bimestre foi o arroz agulhinha, que também ficou mais caro nas 17 capitais pesquisadas. Em Curitiba, o preço do arroz teve uma alta de 31%.

Taxa de desocupação recorde – Segundo dados do IBGE, 43% dos domicílios brasileiros recebem o auxílio emergencial. Tal número é uma indicação da magnitude dos efeitos que a economia do País pode sofrer com a redução da renda e do consumo da população.

Em Minas Gerais, 40,8% dos domicílios recebem o auxílio do governo atualmente. Número menor do que o registrado em julho, quando 41,1% das residências se beneficiavam do auxílio.

Dados do IBGE também mostraram que a taxa de desocupação atingiu alta histórica no mês de setembro. 13,5 milhões de pessoas estão, atualmente, a procura de emprego. No sudeste, a taxa de desocupação chegou a 14,8%.

Em Minas, a taxa de desocupação era de 12,3% em agosto. Em setembro, esse índice saltou para 12,6%, um aumento de 0,3 pontos percentuais.

Informalidade atingiu 41,6% em 2019

Rio – A informalidade no mercado de trabalho atingia 41,6% dos trabalhadores do País em 2019, ou 39,3 milhões de pessoas. Entre pessoas ocupadas sem instrução ou com o ensino fundamental incompleto, a proporção de informais era de 62,4%, mas de apenas 21,9% entre aquelas com ensino superior completo.

As informações constam da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A população preta ou parda (47,4%) estava mais inserida em ocupações informais em todas as unidades da Federação, quando comparada à população branca (34,5%).

As atividades que mais concentraram pessoas em ocupações informais, no ano passado, foram serviços domésticos (72,5%), agropecuária (67,2%) e construção (64,5%). Segundo o IBGE, desde 2014, em decorrência do desaquecimento do mercado de trabalho, houve ampliação relativa das ocupações informais, com destaque para transporte, armazenagem e correio, alojamento e alimentação e construção.

Em 2019, a proporção de trabalhadores em ocupações informais alcançou 61,6% na região Norte e 56,9% no Nordeste. Por outro lado, as regiões Sudeste e Sul, apresentaram proporções de, respectivamente, 34,9% e 29,1%.

Força de trabalho – Entre 2018 e 2019, a taxa de desocupação caiu de 12% para 11,7%. A pesquisa mostra, porém, que a proporção dos desocupados há pelo menos dois anos subiu de 23,5% em 2017 para 27,5% em 2019.

A taxa de desocupação da população preta ou parda (13,6%) era maior do que a da população branca (9,2%), ainda que tivessem o mesmo nível escolar: entre aqueles com ensino fundamental completo ou médio incompleto, essa taxa era de 13,7% para brancos e de 18,4% para pretos e pardos.

Em 2019, a população ocupada de cor ou raça branca ganhava, em média, 69,3% mais do que a preta ou parda, e o rendimento dos homens era 12,7% maior que o das mulheres, considerando-se o mesmo número de horas trabalhadas.

No ano passado, a população subocupada alcançou a maior proporção na série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua, chegando a 7,6% da população ocupada. Entre as pessoas ocupadas, aquelas que trabalham menos que 40 horas semanais, querem e estão disponíveis para trabalhar mais horas são denominadas subocupadas por insuficiência de hora.

Trabalho intermitente – A reforma trabalhista regulamentada pela Lei n. 13.467 de 2017 introduziu a modalidade de contratação intermitente, formalizando um tipo de ocupação em que o trabalhador é contratado com carteira assinada, mas sem a garantia de um mínimo de horas de trabalho, sendo chamado para o desempenho da atividade laboral de acordo com a necessidade do empregador.

Em 2018, mais de 71 mil contratações ocorreram pela forma intermitente no País, representando 0,5% das admissões com carteira assinada. Em 2019, foram mais de 155 mil contratações dessa forma intermitente, ou 1% das admissões com carteira.

“Em todas as grandes regiões, houve aumento no número de admissões por contrato intermitente nesse período. Assim, apesar de representarem números relativamente pequenos sobre o total das admissões, o crescimento apresentado em apenas um ano é digno de atenção e monitoramento”, diz o IBGE. (ABr)

Índice de desigualdade tem queda no Brasil

Rio – O índice de Gini (0,543) caiu em relação a 2018 (0,545), mas ficou superior a 2015, ano que teve o indicador mais baixo da série, com 0,524. O País é o nono mais desigual do mundo segundo o Banco Mundial. O índice é usado para medir a desigualdade social, em que zero corresponde a uma completa igualdade na renda e 1 corresponde a uma completa desigualdade.

A região Sul é a que tem a menor desigualdade de renda, com 0,467. O Nordeste teve a maior desigualdade, com 0,559, e aumentou em relação a 2018, enquanto as outras regiões tiveram queda em comparação ao ano anterior.

Em 2019, a parcela de 10% de pessoas com menores rendimentos domiciliares per capita recebia 0,8% do total da renda do País. À metade da população brasileira correspondiam 15,6% dos rendimentos observados, cabendo aos 10% com maiores rendimentos 42,9% do total da renda.

Os 10% com maiores rendimentos são compostos por 70,6% da população branca. Os 10% com menores rendimentos são compostos por 77% da população preta ou parda.

Entre os 10% com menores rendimentos, o rendimento domiciliar per capita médio em 2019 foi de R$ 112. Entre os 10% com maiores rendimentos, o rendimento domiciliar per capita médio no ano passado foi de R$ 3.443.

Pobreza – De 2018 para 2019, a pobreza (rendimento domiciliar per capita até R$ 436) caiu de 25,3% para 24,7% das pessoas. Já a extrema pobreza (rendimento domiciliar per capita até R$ 151) se manteve em 6,5% da população, em 2018 e em 2019, afetando mais da metade dos nordestinos e 39,8% das mulheres pretas ou pardas. Entre 2012 e 2019, houve aumento de 13,5% na extrema pobreza.

Segundo a analista do IBGE, Barbara Soares, o País tem bolsões de extrema pobreza que não conseguem acessar as instituições para solicitar benefícios sociais como o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!