COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque
Crédito: Divulgação

Após sete meses sem operar devido aos reflexos da pandemia da Covid-19, cinemas, teatros, casas de shows e de espetáculo, feiras de negócios, exposições, congressos e seminários agora têm data certa para voltarem à ativa na capital mineira. Na última sexta-feira (16), foi publicado no Diário Oficial do Município (DOM) o decreto que estabelece os dias e condições de funcionamento para esses setores.

A notícia, embora tenha sido bem recebida pelos entrevistados pela reportagem do DIÁRIO DO COMÉRCIO, para alguns, chegou atrasada. Para outros, apesar de boa, sinaliza apenas um leve começo de volta à tão sonhada normalidade.

PUBLICIDADE

De acordo com a prefeitura, no dia 31 de outubro, cinemas, teatros, casas de show e espetáculo poderão voltar às operações, sem restrições de horários. Já no dia 30 de novembro, será a vez das feiras de negócios, exposições, congressos e seminários, também sem restrições de horários.

Todos deverão seguir uma série de protocolos que ajudam a garantir a segurança da população. Há, ainda, a possibilidade de alterações nas liberações, se o monitoramento dos indicadores epidemiológicos indicar essa necessidade.

O secretário adjunto da Secretaria Municipal de Cultura, Gabriel Portela, destaca que, mesmo com as reaberturas, não dá para dizer que o impacto econômico no segmento cultural já está resolvido.

São vários os desafios que se tem pela frente, segundo ele. Existe a limitação de capacidade de público, os custos gerados para atender os protocolos, entre outros, como o planejamento que a área precisa em relação à montagem de espetáculos e lançamentos de filmes, que ficaram comprometidos em meio à crise na saúde que refletiu em várias áreas.

Todavia, ele ressalta que “não deixa de ser um movimento importante. É um alento para setores que foram um dos primeiros a parar e serão um dos últimos a retornar”, diz.

Opinião semelhante tem o diretor de programação da rede Cineart e presidente do Sindicato das Empresas Exibidoras de Minas Gerais (Seecine-MG), Lúcio Otoni. De acordo com ele, esse retorno é muito mais para reativar a operação e tentar minimizar as perdas – estas, diz, bastante representativas. Conforme Otoni, a perda no faturamento foi de 75% em relação ao ano passado. Mais de 80 salas de cinema fecharam as portas.

“A gente entende que precisa ocorrer a reabertura. Os primeiros meses vão continuar difíceis, com prejuízos. Em 2021 é que deve se iniciar o processo de recuperação”, diz ele.

Por ora, as salas de cinema, aponta Otoni, funcionarão apenas com 50% da capacidade. Há todo um preparo em relação às medidas de segurança, afirma ele, para que o retorno seja seguro. Ele vislumbra um aumento gradativo do movimento, de semana a semana, conforme o público for criando mais confiança.

Aliás, esse também é um dos desafios relacionados ao retorno de algumas atividades: se as pessoas realmente vão voltar a frequentar determinados locais e eventos antes da vacina contra a Covid-19.

O presidente do Belo Horizonte Convention & Visitors Bureau (BHC&VB), Jair Aguiar acredita que, sim, terá movimento. Ele usa como exemplo o fato de haver, atualmente, praias e shoppings cheios. Mesmo assim, salienta, está sendo realizado um trabalho de conscientização da população, evidenciando que a retomada do setor de eventos é algo seguro. “Estamos otimistas com o retorno”, diz.

Entretanto, destaca Aguiar, a medida de reabertura foi tardia e são necessárias outras ações para ajudar a recuperar as empresas do segmento. Para ele, o setor não foi tratado de maneira isonômica, uma vez que houve liberações de funcionamento piores, na concepção dele, como a dos shoppings populares. “Mas, pelo menos, a gente já tem uma programação”, pontua.

O presidente do BHC&VB ressalta que o setor passou por um período muito desafiador e ficou 100% paralisado. “Ainda não temos números, mas eles podem ser catastróficos. Como uma empresa vive oito meses sem faturamento?”, indaga.

Sesc Palladium prepara programação

No Sesc Palladium, segundo a gerente Priscilla D’Agostini, há um desejo muito grande de que os encontros voltem a ser presenciais. De acordo com ela, estão sendo tomadas todas as medidas de segurança necessárias para que isso ocorra.

Entretanto, afirma ela, as atividades do empreendimento não pararam em meio à pandemia e o local buscou se reinventar, diante dos impactos vivenciados pelo setor cultural como um todo.

“Desde o início da pandemia, nós temos nos voltado para a programação digital, com programações nas redes sociais e realizações de lives”, diz ela.

Agora, destaca, uma nova fase terá início. A programação de retomada está sendo avaliada para posterior divulgação. Inclusive, já existe uma exposição pronta para a inauguração, que vai contar a história da arte urbana de Belo Horizonte da última década.

“Eu acredito que a retomada vai ocorrer paulatinamente, até porque a nossa capacidade vai sofrer impacto. Quando o público perceber que estamos seguindo todos os protocolos de segurança, a tendência é que o movimento aumente”, salienta.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!