A participação das empresas associadas à ACMinas no sistema de fazendas solares ocorrerá por meio de um consórcio, que irá explorar a energia gerada por painéis solares já em fase de instalação no município de Corinto, região Central do Estado. A informação é do presidente da Cemig GD, Danilo Gusmão.

Segundo ele, essa usina de Corinto, fruto de uma SPE formada entre a Cemig GD e a Mori Energia Solar, demandou aportes da ordem de R$ 20 milhões. Essa usina integra contrato já firmado entre a companhia e a empresa de energia solar, que prevê a instalação, por meio de SPEs, de 15 usinas fotovoltaicas nas regiões Norte e Noroeste do Estado. Até o fim deste ano, estão previstos investimentos totais de cerca de R$ 340 milhões, sendo 51% por parte da Mori e 49% da Cemig GD.

“Já temos uma usina em operação, em Janaúba, e em outubro teremos a entrada de novas usinas. A que firmamos acordo com a ACMinas fica pronta neste mês de setembro, e em outubro a energia já está pronta para ser absorvida pelos associados da entidade”, informou Gusmão. A usina de Janaúba entrou em funcionamento em fevereiro deste ano. Foram investidos R$ 18,5 milhões em uma área de 230 mil m2, inaugurando a parceria com a Mori para atendimento dos comerciantes do Mercado Central do município e de empresários e indústrias associadas à Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg).

“A operação em Janaúba já está cheia de clientes. No final de setembro, teremos a usina de Corinto, e, em meados de outubro, teremos uma nova usina, em Manga, Norte de Minas, que já sendo construída”, informou Gusmão. Até dezembro, serão 15 usinas.

Segundo ele, esse investimento da Cemig GD nessa modalidade de geração e consumo de energia, por meio de consórcio, se justifica porque “quanto mais rápido tiver essa energia distribuída, mais rápido será o retorno do investimento”. Em favor da iniciativa, afirmou, há o benefício regulatório e também fiscal, por meio do ICMS.

O governo de Minas estimula a produção e a comercialização de energia solar no Estado a estabelecimentos com atividade de geração, transmissão ou comercialização de energia solar, por meio de concessão de créditos de ICMS relativos à aquisição de energia solar, pelo período de 20 anos.

Mori – O diretor de Novos Negócios da Mori Energia Solar, Ivo Pitanghy, informou que a parceria da empresa com a Cemig GD foi iniciada em 2017 e já está consolidada, com previsão de instalação de 15 usinas fotovoltaicas de 5 Megawats cada, com investimentos totais de 340 milhões no Estado.

“As 15 usinas financiamos juntos, em vários municípios no Norte e Noroeste de MG, onde há insolação solar mais favorável”, explicou. Além do contrato já firmado, Pitanghy informou que a Mori tem mais 17 usinas e “estamos negociando participação para a Cemig GD n os mesmos moldes dessas parcerias de 15 projetos”. Segundo ele, no total seriam 32 usinas, somando investimentos de R$ 700 milhões em 17 municípios, sendo 51% da Mori e 49% da Cemig GD, com geração de 300 gigawats hora/ano.

Segundo ele, a parceria com a Cemig GD em Janaúba tem hoje 200 consorciados, operando com 100% de sua capacidade desde março. “Foi nosso projeto-piloto, para parte de ativos e gestão. Queremos replicar esse modelo, que se chama geração compartilhada, para essas outras usinas que estão em fase de desenvolvimento e construção”. Segundo ele, todas as 32 usinas estarão prontas no início do ano que vem.