COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Contratação de temporários deve crescer 20% no segundo semestre

COMPARTILHE

Os maiores volumes de contratações deverão ser nos segmentos de vestuário, com 57,91 mil vagas, e de hiper e supermercados, 18,99 mil | Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

A retração econômica causada pela crise sanitária e pela alta da inflação não deverá afetar a contratação de trabalhadores temporários nos setores de comércio e serviços no segundo semestre de 2021. Em Minas Gerais, a abertura de vagas deve superar em 20% o resultado do exercício anterior. O dado é da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) Regional Minas Gerais.

Pesquisa divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostra que, no cenário nacional, a estimativa é de que as vendas de Natal aumentem 3,8% em relação à mesma data do ano passado, com expectativa de contratação de 94,2 mil trabalhadores temporários para atender ao aumento sazonal das vendas neste fim de ano. Uma vez confirmada a previsão da entidade, o varejo brasileiro produziria a maior oferta de trabalho temporário desde o Natal de 2013, quando foram abertos 115,5 mil postos de trabalho com essas características.

PUBLICIDADE

“Estamos com uma demanda reprimida do comércio varejista. A indústria está produzindo para as vendas do Dia das Crianças, Black Friday e a data mais importante que é o Natal e, por isso, as contratações temporárias são de extrema importância para o atendimento dessa demanda”, explica a diretora da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) Regional Minas Gerais, Mara Bonafé.

Conforme dados da pesquisa da CNC, Minas Gerais deverá disponibilizar 10,67 mil vagas temporárias. “O comércio e o setor de serviços como um todo estão apostando neste final do segundo semestre. Apesar da inflação reduzir o consumo das famílias, esses períodos sazonais são aguardados para que a população realize as compras necessárias e com preços mais baixos e, para esse atendimento, é preciso ter funcionários, seja no presencial, on-line, mas também na entrega e distribuição. Há vários setores que podem surgir com oportunidades para funcionários temporários”, reforça Mara Bonafé.

A estimativa da Asserttem Regional Minas Gerais sobre o cenário nacional é de que nos próximos meses poderão ser geradas mais de 565 mil vagas temporárias, frente às 400 mil de 2020.

Crédito – A despeito do patamar elevado da inflação e do encarecimento do crédito às famílias, a pesquisa detalha que o avanço no combate à pandemia por meio da ampliação da vacinação tem garantido o aumento da circulação dos consumidores nos estabelecimentos comerciais e, consequentemente, avanços sucessivos nas vendas desde o arrefecimento da segunda onda da pandemia a partir de abril deste ano.

Maiores demandas

Os maiores volumes de contratações deverão ser nos segmentos de vestuário, com 57,91 mil vagas, e de hiper e supermercados, 18,99 mil. “Dentre os dez segmentos do varejo, as lojas de vestuário, acessórios e calçados são, historicamente, os mais positivamente afetados pelas vendas natalinas. Enquanto o faturamento do varejo cresce em média 34% na passagem de novembro para dezembro, no segmento de vestuário o faturamento costuma subir 90%”, complementa Mara Bonafé.

Mara Bonafé esclarece que os funcionários temporários têm os mesmos direitos trabalhistas que os efetivados. “A única diferença é que quando o contrato é encerrado, os trabalhadores não têm acesso ao seguro-desemprego e nem à multa de 40% do fundo de garantia”.

Para os interessados nas vagas, Mara Bonafé reforça que ainda dá tempo de investir em qualificação. “Vale a pena reciclar, preparar e aprimorar os conhecimentos para que possa concorrer a uma vaga e, quem sabe, ser efetivado”, defende. 

Inflação derruba confiança do consumidor

São Paulo – A confiança dos consumidores brasileiros recuou ao menor patamar em cinco meses em setembro diante de temores inflacionários, risco de crise energética e crescentes incertezas econômicas e políticas, de acordo com dados da Fundação Getulio Vargas.

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da FGV, divulgado na sexta-feira (24), teve queda de 6,5 pontos neste mês, a 75,3 pontos, mínima desde abril de 2021 (72,1 pontos).

Esse resultado, disse em nota a coordenadora das sondagens, Viviane Seda Bittencourt, confirma a interrupção da tendência de recuperação da confiança iniciada em abril, na esteira da segunda onda de Covid-19.

“A queda foi determinada pela combinação de fatores que já vinham afetando a confiança em meses anteriores, como a inflação e desemprego elevados, e de novos fatores, como o risco de crise energética e o aumento da incerteza econômica e política”, explicou Viviane Bittencourt.

Ela acrescentou que o pessimismo está bastante disseminado entre todas as faixas de renda, embora se destaque entre as famílias de menor poder aquisitivo.

No mês, o Índice de Situação Atual (ISA) caiu 1,0 ponto, a 68,8 pontos, mínima desde maio passado (68,7). Já o Índice de Expectativas (IE) teve queda mais expressiva, de 9,8 pontos, a 81,1, menor nível desde abril de 2021 (79,2).

Segundo a FGV, o componente das expectativas que mais influenciou a queda do índice geral de confiança foi o que mede as perspectivas em relação à situação da economia. O indicador despencou 14,3 pontos, a 97,5 pontos, mínima desde março deste ano (92,1).

“A fragilidade da confiança dos consumidores tem sido marcada pela grande distância em relação à confiança empresarial e pela alta sensibilidade a qualquer novo fator, tornando muito difícil a antecipação de alguma tendência para os meses seguintes”, completou Viviane Bittencourt. (Reuteres)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!