COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque

Correios gastam R$ 2 bi com benefícios

COMPARTILHE

Crédito: Ricardo Moraes/Reuters

Brasília – Na mira do ministro da Economia, Paulo Guedes, para privatização em 2021, os Correios gastaram, no ano passado, R$ 2 bilhões com benefícios de assistência à saúde, ou 20% do total despendido pela União com todas as 46 estatais federais sob seu controle direto.

Apesar disso, a empresa, que tem 370.711 beneficiários de assistência à saúde, não é a estatal com maior despesa nesta linha.

PUBLICIDADE

Em 2019, o Banco do Brasil teve um gasto de R$ 2,4 bilhões com benefícios de assistência à saúde, contando com 441.796 beneficiários, e a Petrobras, de R$ 2,2 bilhões (265.787 beneficiários).

Os dados fazem parte do Relatório Agregado das Empresas Estatais Federais, divulgado, na sexta-feira (20), pelo Ministério da Economia.

Segundo a pasta, a despesa geral das estatais com benefícios de assistência à saude foi de R$ 10 bilhões no ano passado, para um total de 1,67 milhão de pessoas, entre funcionários, dependentes e aposentados. Nos Correios, o benefício é ofertado também para os pais dos funcionários, com a possibilidade ainda de assistência à saúde no pós-emprego, pontuou o relatório.

Guedes tem dito que quer privatizar quatro empresas estatais no próximo ano: Correios, Eletrobras, Porto de Santos e PPSA (Pré-Sal Petróleo).

Pelos dados do relatório, as quatro reúnem 112.299 empregados, com remuneração média variando de R$ 4.118 a  R$ 31.335 mensais.

Empresas – De longe a maior empregadora do grupo, com um quadro de 99.054 funcionários, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Correios) respondeu pela menor média salarial: R$ 4.118. Em 2019, a empresa teve lucro líquido de R$ 102,1 milhões.

Com apenas 57 funcionários, a PPSA apresentou a maior remuneração média dentre elas, de R$ 31.335 mensais. No ano passado, a companhia teve lucro líquido de R$ 34,9 milhões. Guedes tem dito que a intenção é vender o portfólio da empresa, que é responsável por gerir contratos do pré-sal. A empresa gastou R$ 252,3 mil, no total, com benefícios de assistência à saúde.

A Eletrobras entregou o melhor desempenho no período, com lucro líquido de R$ 10,7 bilhões. A empresa tem 12.051 empregados, com média salarial de R$ 11.227 ao mês, e teve um custo com benefícios de assistência à saúde de R$ 477,2 milhões no ano passado.

Já o Porto de Santos, com 1.137 funcionários, pagou uma média salarial de R$ 11.822 em 2019, ano em que registrou lucro líquido de R$ 87,3 milhões. Neste caso, o valor gasto com benefícios de assistência à saúde foi de R$ 14,9 milhões.

Em nota à imprensa, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Diogo Mac Cord, afirmou que o relatório é um “choque de transparência”.

“Não havia nenhum relatório que consolidasse informações financeiras e de pessoal e que desse um panorama geral da realidade de cada estatal. Agora temos. A melhor arma que a gente pode ter para combater qualquer tipo de privilégio é a transparência. Isso é controle social”, disse. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!