COTAÇÃO DE 20-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4160

VENDA: R$5,4170

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4470

VENDA: R$5,5770

EURO

COMPRA: R$6,1450

VENDA: R$6,1478

OURO NY

U$1.837,83

OURO BM&F (g)

R$321,61 (g)

BOVESPA

+1,01

POUPANÇA

0,6340%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Fábrica de água sanitária será inaugurada em Itajubá

COMPARTILHE

" "
Produção inicial da fábrica em Itajubá é de 300 mil caixas por mês, mas capacidade da indústria é de até 500 mil caixas de água sanitária por mês | Crédito: Aurelio Alves/ Jornal O POVO

Com investimento na ordem de R$ 100 milhões, será inaugurada no sábado (4) uma unidade fabril das Indústrias Reunidas Raymundo da Fonte, na cidade de Itajubá, no Sul de Minas. A fábrica – líder de mercado em produtos de limpeza doméstica, produtos de higiene pessoal, condimentos e inseticidas nas regiões Norte e Nordeste do País – abre a primeira unidade em Minas Gerais com o objetivo de expandir a marca de limpeza doméstica para a região Sudeste.  

A unidade possui 14 mil metros quadrados construídos e foi projetada prevendo uma expansão futura. O local já está em operação desde 1° de julho, fabricando água sanitária das marcas Brilux, Tubarão, Cloral e Olimpo. A capacidade inicial de produção é de 300 mil caixas e capacidade de expansão para até 500 mil caixas por mês – o que corresponde a 20% de toda a produção de água sanitária do grupo.

PUBLICIDADE




“Nossa perspectiva é a de que a fábrica em Minas Gerais seja o nosso divisor de águas para conquistar a região Sudeste do País. Estamos em um local estratégico, próximo de capitais importantes como Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Vitória. Além disso, nossa fábrica está instalada em uma região com mão de obra qualificada, onde o município oferece saúde, educação e infraestrutura de qualidade para os nossos colaboradores, que são todos da cidade ou de regiões vizinhas”, explica a gerente de Marketing da empresa, Renata Carvalho.

Ao todo, são 114 empregos diretos criados na primeira etapa de implantação da indústria. A expectativa do setor é ultrapassar 400 postos diretos e indiretos na cadeia produtiva do local. “A construção do parque fabril foi projetada pensando na expansão, e tudo indica que isso não irá demorar para que possamos ampliar nosso setor de produção. Nosso planejamento é alcançar todos os supermercados e hipermercados da região Sudeste”.

A empresa foi certificada pelo Great Place To Work (GPTW) como um “Excelente Lugar para Trabalhar” em razão da relação sólida e comprometimento com as pessoas.

A gerente de Marketing conta que essa é a primeira fábrica longe do eixo Norte/Nordeste. “Nossa matriz fica em Pernambuco. Escolhemos Minas Gerais pela qualidade da infraestrutura, incentivos fiscais estaduais e por ser o Estado que já representa o terceiro maior Produto Interno Bruto (PIB) do País”.




Produtos

Em Itajubá são fabricados produtos da categoria de saneantes clorados das marcas Brilux, Tubarão, Cloral e Olimpo. A indústria possui ainda um portfólio variado de produtos, composto por marcas líderes do mercado. Ao todo, são mais de 330 itens de limpeza, higiene pessoal, condimentos e inseticidas. 

“Estamos no mercado há 75 anos fazendo parte da família brasileira. Todos esses produtos são comercializados pelo centro de distribuição, associado à fábrica”, explicou Renata Carvalho.

Um grande sistema logístico foi montado para garantir a agilidade e qualidade na distribuição e abastecimento dos produtos Raymundo da Fonte. “Isso faz com que a entrega seja mais rápida e o abastecimento mais eficiente nas gôndolas dos mercados de Minas Gerais e São Paulo”, concluiu.

Meio Ambiente

Ainda segundo Renata, a fábrica conta com maquinários modernos e equipamentos nacionais e importados da Europa. As instalações são informatizadas e levam em conta todas as exigências de controle sanitário, ambiental e de sustentabilidade.




A gerente de Marketing acrescentou que o empreendimento está interligado à Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) da Companhia de Saneamento Básico (Copasa) para o tratamento do esgoto sanitário, e o processo industrial tem sistema fechado para reutilizar todos os resíduos líquidos, sem causar danos ao meio ambiente e à natureza.

Um hub para ajudar micro, pequenas e médias

Micro, pequenas e médias indústrias contam com um hub – que integra, além delas próprias, o Sistema Fiemg, o Sebrae, órgãos de governo, sindicatos patronais das indústrias, agências reguladora e, universidades.  Lançado na quinta-feira (2), durante o Primeiro Seminário da Micro, Pequena e Média Indústria da Fiemg, o hub tem objetivo de atender às demandas dessas empresas e fermentar ações para o seu desenvolvimento..

Na abertura do evento, o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, frisou que a Federação das Indústrias vem trabalhando para fazer com que o ambiente de negócios fique cada dia melhor. “Isso tem sido alcançado, mas não na velocidade que a gente gostaria”, ponderou ainda, lembrando que o setor produtivo enfrenta uma série de riscos que o impedem de aumentar sua atividade.

O presidente do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Fiemg, Alexandre Mol, disse que o Hub Pequenas Indústrias passa a ser um departamento permanente da entidade. Ele reforçou, para ressaltar a importância desses negócios para o Estado e o País, que as micro são 74% das indústrias associadas à Fiemg, enquanto pouco mais de 20% são pequenas e 4% são médias. E só 1% são grandes.

Subsecretário de Desenvolvimento Regional da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Douglas Augusto Oliveira Cabido, elogiou o engajamento da Fiemg no apoio às micro e pequenas empresas. Segundo ele, o lema do governador Romeu Zema é ser amigo de quem produz. “Inovar hoje é a receita para você continuar forte e competitivo no mercado. Cabe a quem regulamenta o setor econômico como um todo pensar se as empresas quebram por influência do estado”, ponderou.

Pequeno inova  – A Fiemg ajudou a Assembleia Legislativa de Minas na elaboração de um caderno com 117 sugestões para que o Estado tenha um ambiente de negócios mais amigável, e, de acordo com o deputado Guilherme da Cunha (Novo), o documento foi entregue ao governador, que adotou 67 dessas proposições. “Quem inova hoje não é quem está dominando o mercado. É o pequeno, que, depois, cresce, mas só vai conseguir isso no ambiente próprio”, argumentou o parlamentar.

A diretora da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Mila Batista Leite Corrêa Costa, informou que o projeto BH Desenvolve trabalha em diretrizes para a prosperidade da RMBH. Padronizar as legislações municipais, detalhou, é um dos objetivos “para que nossa região metropolitana seja a melhor do País para se investir”. “O que a gente mais assiste é que, às vezes, o empreendedor escolhe o município para investir de acordo com a legislação municipal. Essa conquista pode estimular o desenvolvimento complementar nos municípios da RMBH”, acredita ela.

“O ato de empreender é um ato de coragem. Você decidir abrir seu próprio negócio é muito mais que querer. É preciso lutar dia após dia para que seu negócio continue aberto”, considerou Henrique de Freitas Junqueira, assessor do Senador Jorginho Mello, que preside a Frente Parlamentar Mista das Micro e Pequenas Empresas. Entre os projetos de lei em tramitação destacados por ele, com vistas a apoiar esses negócios, Junqueira falou da nova lei de recuperação judicial para micro e pequena empresa. “Nos Estados Unidos, as empresas quebram quatro, cinco vezes, até aprenderem como empreender. É preciso investir nesse empreendedorismo”, frisou. As informações são da Fiemg.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!