São Paulo – O Ibovespa anulou a queda nos ajustes após o fim da sessão de sexta-feira (21), encerrando em leve avanço em uma semana marcada por temores fiscais. O principal índice da bolsa paulista fechou a sessão em alta de 0,05%, a 101.521,29 pontos, após os ajustes. O volume financeiro foi de R$ 24,39 bilhões. Na mínima, o índice chegou a 98.513,34 pontos, enquanto na máxima tocou o patamar de 102.333,79.

Apesar de acumular queda de 12,2% no ano, o Ibovespa encerrou a semana cerca de 64% acima da mínima de março.

Aliviando a queda registrada no início do dia, o Ministério da Economia divulgou a abertura de 131.010 vagas formais de trabalho em julho, interrompendo quatro meses de dados negativos. No acumulado do ano, foram fechadas 1.092.578 vagas, na série com ajustes, ante criação de 461.411 em igual período de 2019.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o dado positivo é “excelente sinal” de que a economia pode fazer retorno em formato de “V”, embora tenha admitido que essa retomada será mais lenta que a queda.

Após o Congresso confirmar na noite da véspera a manutenção do veto do presidente Jair Bolsonaro ao reajuste a servidores públicos, o mercado ainda mostrou preocupação com a situação das contas públicas do País.

“O mercado coloca na conta que existe esse risco, embora o Congresso tenha evitado o problema ontem, agora acendeu a luz amarela”, afirmou Pedro Serra, analista da Ativa Investimentos.

Bolsonaro confirmou, na sexta-feira, que o auxílio emergencial será prorrogado até dezembro, mas não adiantou qual seria o valor das futuras parcelas do benefício.
Para Fábio Galdino, economista-chefe da Vero Investimentos, os próximos meses continuarão sendo desafiadores no âmbito político, com pautas importantes sendo debatidas, como reforma tributária.

No cenário corporativo, as ações de Carrefour Brasil e Gerdau lideraram as perdas do índice na sexta-feira, enquanto IRB Brasil e Qualicorp foram destaques positivos, ambas divulgam resultados na próxima semana.

Já os papéis de Cogna recuaram 0,15%, devolvendo quase toda a queda que chegou a mais de 7% na mínima intradia. Executivos afirmaram que o grupo vai reduzir a atuação de sua unidade de ensino superior Kroton para focar os negócios em cursos de mensalidades mais elevadas, considerados “premium”, algo que prevê eventuais aquisições da companhia em áreas como medicina. A empresa teve prejuízo de R$ 140 milhões no segundo trimestre. (Reuters)