COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Indústria de fundição tem avanço de 30% em Minas

COMPARTILHE

Após enfrentar a falta de insumos em 2020, a indústria de fundição registra crescimento com a demanda em alta | Crédito: Divulgação

A indústria de fundição de Minas Gerais registra alta de 30% no acumulado de janeiro a novembro deste ano. Os dados são do Sindicato da Indústria da Fundição no Estado de Minas Gerais (Sifumg). Por causa da pandemia da Covid-19, o setor chegou a sofrer com a falta de insumos, mas conseguiu dar os primeiros passos de recuperação ainda no ano passado.

 “Antes da pandemia, o setor automotivo, por exemplo, comprava 58% da nossa produção. Atualmente, são 47%, ou seja, perdemos 10% dessa compra. Porém, nós ganhamos muito mais em outros setores da indústria, que alavancaram a nossa produção, como a indústria do agronegócio, da mineração e outros setores”, explicou o presidente do Sifumg, Afonso Gonzaga.

PUBLICIDADE

Para se ter uma ideia do tamanho da produção, no ano passado, o setor de fundição fechou o ano com um volume fabricado de 540 mil toneladas. Neste ano, a expectativa do setor é fechar a produção em 700 mil toneladas.  “No Brasil devemos ultrapassar os 2,5 milhões de toneladas de fundição”, completou Gonzaga.

Conforme dados do Sifumg, no ano passado, apesar da crise pandêmica, o setor da fundição conseguiu criar 19 mil empregos diretos em Minas Gerais. Neste ano, com a expansão, já foram contratadas 25 mil pessoas. “Agora, estamos com dificuldade de mão de obra para o setor”, completou Gonzaga.

Gonzaga acredita que o crescimento será ainda maior. Um dos motivos está ligado à compra de equipamentos por outros setores industriais, obras devido ao marco regulatório do saneamento básico.

Segundo o presidente do Sifumg, há planejamento para grandes obras no Brasil e em Minas Gerais. Com isso, a demanda da indústria terá aumento significativo.

“De acordo com o Marco Regulatório do Saneamento Básico do Brasil, há 60% de obras a serem efetuadas no País. Além disso, existem outras de infraestrutura, setor de ferrovias, que antes compravam, em média, de 5% a 7% do nosso material e hoje passaram a adquirir 15% da nossa produção. Outro ponto é a demanda da siderurgia, mineração e o mix de produção para a indústria do agronegócio e vários outros mercados que estavam com a demanda reprimida”, salienta Afonso Gonzaga.

O presidente do Sifumg ressalta ainda que, apesar da crise econômica do País, os empresários do setor conseguiram adaptar a gestão dos negócios, investir em tecnologia e oferecer garantias internas e externas para as demandas das indústrias consumidoras e para as que fornecem matéria-prima. 

Produtividade

Afonso Gonzaga, que também é presidente da Associação Brasileira de Fundição (Abifa), estima que o setor terá um crescimento contínuo da produção até 2023, ano em que a produção pode alcançar 3,2 milhões de toneladas. Ainda assim a produção ficaria abaixo do melhor momento dos últimos 13 anos, que foi de 3,3 milhões de toneladas em 2008.

Dados da Abifa apontam que o pior período do setor foi o de 2016, com a produção de 2,1 milhões de toneladas, equivalente a 52% da capacidade instalada. 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!