COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Indústria do vestuário prevê avanço de 40% no 2º semestre

COMPARTILHE

Com a retomada na produção das indústrias, aumentou a busca por mão de obra em Minas | CRÉDITO: ALISSON J. SILVA

A indústria do vestuário no Estado começa a dar os primeiros passos para a retomada. Segundo o Sindicato das Indústrias do Vestuário de Minas Gerais (Sindivest-MG), o crescimento estimado para o segundo semestre é de 40% frente a 2020, no período de pico da crise sanitária.

O presidente do Sindivest-MG, Rogério Márcio Vasconcellos, atribui o crescimento no número de pedidos nas indústrias à flexibilização do comércio e à melhora nas vendas no varejo.

PUBLICIDADE

“Os lojistas estão trabalhando sem estoque e estavam com a demanda reprimida. Com o avanço das vendas, o que percebemos no Estado é que há uma crescente nos pedidos e isso está beneficiando o parque fabril em Minas Gerais”, explica Vasconcellos. Com a volta gradual dos eventos, um dos produtos mais procurados do setor são os vestidos para festas, formaturas e casamentos.

O presidente do Sindivest-MG detalha que as empresas aumentaram o ritmo de produção, mas de forma gradativa. “O parque fabril está começando a recuperar a produtividade, assim como o varejo, que estava com a demanda reprimida. Os comerciantes, que estavam com estoques de coleções anteriores, começaram a colocar essas peças em liquidação para a atualização do vestuário”, diz. Isto, segundo ele,  acaba chamando a clientela e recuperando a economia do setor.

Com o ritmo mais acelerado na produção, o empresariado começa a procurar mão de obra para o setor. Rogério Vasconcellos esclarece que as indústrias estão em busca de colaboradores para atender a demanda. O sindicato não soube informar o número de vagas abertas, mas garantiu que as empresas estão à procura de empregados que precisaram ser dispensados durante os picos da crise sanitária.

Desafios

Apesar de vários pontos positivos, Vasconcellos avalia que os negócios ainda não superaram os patamares da pré-crise sanitária. “As fábricas voltaram à produção de uma forma otimista, mas ainda não em ritmo normal. A recuperação aos patamares pré-pandemia só chegará  a partir do ano que vem. A economia como um todo deverá começar a andar nos trilhos”, opina.

O Sindivest-MG avalia que os grandes desafios para o setor, neste momento, é a falta dos tecidos. “Estamos com dificuldade com tecidos de algodão e de fios naturais. A alternativa que temos é tentar fazer a substituição, mas nem sempre é possível”, conta Vasconcellos.

Outra preocupação é o custo dos insumos. Segundo Vasconcellos, o preço dos tecidos aumentou substancialmente, o que encareceu a produção. “O material subiu muito e, até o momento, não conseguimos repassar esse aumento para o consumidor final. Por enquanto, estamos segurando os preços com a expectativa de que a política econômica do País regularize de forma a dar condições ao empresariado do setor industrial e do comércio a ter melhores condições de produzir e investir no País, mas se continuar assim, teremos que repassar o aumento”, pontua. 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!