COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Inflação em Belo Horizonte sobe com alta nos preços dos alimentos

COMPARTILHE

Os preços dos alimentos naturais ficaram 6,88% mais caros, em média, na Capital | Crédito: Rovena Rosa/Agência Brasil

O valor dos alimentos continua pressionando a inflação na capital mineira. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de Belo Horizonte apresentou alta de 0,61% em novembro na comparação com outubro, sendo que o maior destaque, em termos de variação, foram os alimentos in natura (6,88%). Os dados foram divulgados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG).

Conforme ressalta a coordenadora de pesquisas da entidade, Thaize Martins, a alta verificada no 11º mês deste ano é algo representativo. Tanto é que este aumento é o maior para o mês de novembro desde 2015. Apesar de os itens alimentícios terem sido expressivos na pesquisa, ela chama atenção também para a alta em outras categorias, como a de vestuário e complementos (1,67%) e a de artigos de residência (1,62%).

PUBLICIDADE

Continuidade – Nesse cenário, porém, são mesmo os alimentos que mais vêm influenciado o IPCA, o que é refletido também no valor da cesta básica, conforme pontua Thaize. O aumento do custo da cesta básica foi de 6,23% em novembro na comparação com outubro, atingindo R$ 553,24 (52,94% do salário mínimo).

Os motivos para a alta são variados. A coordenadora de pesquisas da Ipead/UFMG lembra que itens como o óleo de soja e o arroz continuam em processo de alta, com incrementos de 11,71% e 9,55%, respectivamente. A alta do dólar e, consequentemente, um volume maior de exportações têm influenciado alguns preços, explica ela.

Além disso, o preço da batata inglesa aumentou 42,78% e do Tomate Santa Cruz 36,67%. A batata, salienta, passou por problemas climáticos, tanto ligados à chuva quanto a altas temperaturas. O tomate também passou por situações que geraram certo desabastecimento do produto.

Nesse cenário, diz, é difícil fazer previsões quanto à alta dos preços, mas um fato existe, afirma ela: não há o entendimento de que uma queda de preços esteja próxima.

“O mês de dezembro já é marcado por altas de preços devido ao aumento da demanda, com confraternização e festividades. Historicamente, no fim do ano, por exemplo, o valor da carne sobe. Pode ser que, diante de um novo cenário de recolhimento, com um isolamento social maior, os preços não pressionem tanto”, diz. Entretanto, afirma ela: “os alimentos marcaram 2020 com fortes altas”.

Confiança – Apesar de ainda haver muitos desafios e um cenário incerto, os consumidores estão um pouco mais confiantes. O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) de Belo Horizonte apresentou alta de 1,93% em novembro na comparação com outubro, atingindo 37,16 pontos.

Conforme pontua Thaize, os aumentos têm sido constantes, após uma forte queda no início da pandemia da Covid-19. Entretanto, destaca ela, apesar das altas, ainda há um pessimismo, uma vez que os números estão muito abaixo dos 50 pontos – é a partir deles que se verifica otimismo.

“Para dezembro, as expectativas são de que a alta continue. No entanto, vai depender das condições da pandemia, se houver um aumento maior no número de casos e o que pode acontecer com o comércio. Um novo fechamento, por exemplo, vai impactar a percepção dos consumidores”, salienta.

Intenção de compra no Natal cresce

A Ipead/UFMG também divulgou a pesquisa de pretensão de compra para o Natal e, conforme destaca a coordenadora de pesquisas da entidade, Thaize Martins, os resultados foram surpreendentes. Neste ano, 64,76% pretendem presentear contra 62,38% no ano passado. Além disso, o valor médio dos presentes também aumentou, de R$ 83,97 para R$ 111,86, o que representa um incremento de 33,22%.

A coordenadora de pesquisas da Ipead/UFMG salienta que o Natal tem um forte apelo. Além disso, destaca, muitas famílias podem ter conseguido poupar algum valor no período mais intenso de isolamento social, provocando uma diminuição dos gastos na época e favorecendo as compras agora.

Juros – Em relação às taxas médias de juros praticadas para pessoa física, houve alta na maior parte dos segmentos em novembro em relação a outubro. A mais representativa foi em construção civil imóveis construídos (53,25%). A maior parte das taxas de juros para pessoa jurídica também apresentaram alta, com destaque para capital de giro (34,88%). Já as taxas de captação, em sua maior parte, apresentaram queda ou estagnação, sendo a retração mais intensa em CDB (-48,28%).

 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!