COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Investimentos sobem 9,3% no País

COMPARTILHE

Os investimentos financeiros dos brasileiros somaram R$ 2,9 trilhões em 2018. O volume representa alta de 9,3% em relação ao ano anterior, de acordo com relatório da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), que consolida os investimentos das 77 milhões de contas dos segmentos de varejo e de private banking das instituições do País.

O varejo acumula o maior número de contas (70,6 milhões) e o maior volume aplicado, de R$ 1,8 trilhão (crescimento de 8,1% sobre 2017). O segmento é dividido em duas categorias: tradicional e alta renda (a inclusão dos clientes nelas segue a política comercial de cada banco). Na primeira, o avanço foi de 4,7%, com total de R$ 958,7 bilhões. Na alta renda, o saldo investido foi de R$ 872,6 bilhões, com alta de 12,1% sobre 2017.

PUBLICIDADE

Os fundos de investimento e a poupança foram os produtos que tiveram os maiores aportes do varejo em 2018: em relação ao ano anterior, os avanços foram de 10,8% e de 10%, respectivamente. A caderneta mantém ainda a maior parcela de recursos aplicados (39,9%), com R$ 730 bilhões, seguida pelos fundos (32,5%), com R$ 595,9 bilhões, e pelos títulos e valores mobiliários (27,6%), com R$ 504,7 bilhões.

No private banking (que engloba os investidores com, no mínimo, R$ 3 milhões em ativos financeiros), o volume de recursos cresceu 11,6%, totalizando R$ 1,1 trilhão. Entre as 121 mil contas ativas, destaque às aplicações em previdência aberta, que avançaram 19,2%, para R$ 114,6 bilhões, e para os fundos de investimento, que subiram 14,7%, para R$ 517 bilhões. Na carteira de renda fixa, que teve alta de 7,2%, as debêntures se destacaram, com volume total de R$ 22,4 bilhões (33,5% maior do que em 2017). (Com informações da Anbima).

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!