COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Lucro líquido da MRV avança quase 50% no 2º tri

COMPARTILHE

Crédito: Nitro Imagens / Divulgação

A construtora e incorporadora MRV Engenharia Participações S/A, sediada em Belo Horizonte, alcançou uma Receita Operacional Líquida (ROL) de R$ 1,8 bilhão no segundo trimestre deste ano, um crescimento de 13,7% frente ao primeiro trimestre de 2021 e de 9,7% no comparativo com segundo trimestre de 2020. Para se ter uma ideia, o Valor Geral de Vendas (VGV) lançado é de R$ 2,40 bilhões.

O lucro líquido da construtora chegou a R$ 203 milhões no segundo trimestre deste ano, um aumento de 48,5% frente ao primeiro trimestre de 2021 e de 86% no comparativo com o mesmo período de 2020.

PUBLICIDADE

Outros dois pontos de destaque do segundo trimestre da empresa foram a venda de dois empreendimentos da AHS, na Flórida, EUA, por um valor total de R$ 392, 68 milhões (US$78,5 milhões), além da venda de R$ 241 milhões da carteira de pró-soluto pós-chaves.

“O lucro da operação Brasil andou mais ou menos de lado, a receita cresceu, compensando a perda de margem e o incremento veio exatamente da venda dos empreendimentos da AHS, que não aconteceu no primeiro trimestre e concretizou no segundo trimestre”, explica o diretor-executivo de Finanças da MRV Engenharia Participações S/A, Ricardo Paixão.  

Para Ricardo Paixão, o forte resultado da construtora no segundo trimestre deste ano está aliado à evolução da operação da AHS nos EUA. “Cabe ressaltar que esse robusto crescimento no lucro líquido ocorreu em meio a um momento de forte pressão inflacionária vivido pelo setor, em todo o Brasil, que resultou na revisão dos orçamentos de obra e consequente compressão da margem bruta da Companhia”, pontua.

A Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortizações) registrou uma alta de 29% no segundo trimestre deste ano (296) em comparação com o mesmo período do ano passado (228).

Recorde de lançamentos 

No segundo trimestre de 2021, a MRV registrou o maior volume de lançamentos. O recorde inclui o lançamento de dois empreendimentos da AHS, nos EUA, um empreendimento da Urba, em Campinas, além de um total de R$ 1,75 bilhão em Valor Geral de Vendas (VGV) lançado para a operação de incorporação da MRV no Brasil.

Ao todo, foram lançados R$ 2,40 bilhões em VGV no segundo trimestre de 2021, equivalentes a 11.388 unidades, o que representa uma evolução de 5,4% no comparativo com o mesmo período do ano anterior e de 40,3% quando comparado com o primeiro trimestre deste ano.

Com um land bank total de R$ 66,5 bilhões, a plataforma habitacional informou que está preparada para intensificar as operações e alcançar o patamar de 80 mil unidades anuais, dentro dos próximos anos. “Estrategicamente a MRV&Co está buscando aquisições de terrenos com o objetivo de adequar o land bank a sua plataforma habitacional multifunding”, esclarece o diretor executivo de finanças Ricardo Paixão.

Para o segundo semestre, a expectativa da MRV Engenharia Participações S/A está relacionada ao volume de vendas da empresa. “Nossa expectativa é construir mais unidades do que construímos no primeiro semestre deste ano, para que a gente consiga, assim, acelerar as vendas. E outra grande questão que estamos tentando fazer é a subida de preço. Como a inflação de matéria-prima ainda está muito alta, se eu não conseguir subir o preço eu não conseguirei subir a minha margem de lucro e vamos continuar pressionados e isso a gente não quer”, acrescenta Paixão.

Prevenção

Para mitigar a pressão inflacionária, a MRV Engenharia Participações S/A começa a adotar algumas medidas para tornar o custo e, em alguns momentos, a falta da matéria-prima menos expressiva na construção civil. Entre as iniciativas está a utilização da fibra de vidro, substituindo a armação de paredes de concreto, para empreendimentos com até cinco pavimentos, bem como o dry-wall nas paredes internas, no caso de torres. “Essas iniciativas permitem uma importante redução no volume de aço e concreto necessário nas obras e representam uma forma de redução do impacto sofrido com a pressão inflacionária dos materiais”, complementa Ricardo Paixão.

Outra importante inovação implementada pela construtora é a utilização da chamada Forma Flex, que representa a terceira geração de processos construtivos da companhia e foi desenvolvida para otimizar a produtividade e a qualidade do produto.

Adicionalmente, a companhia manteve, no segundo trimestre de 2021, a estratégia de antecipação de compra e estocagem de parte dos materiais, com o objetivo de manter os preços e mitigar os efeitos da inflação de materiais para a construção civil.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!