A montadora da Mercedes-Benz em Juiz de Fora passará por uma reformulação - CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

A descontinuidade da produção do caminhão Actros da fábrica da Mercedes-Benz de Juiz de Fora, na Zona da Mata, vai provocar a transferência de parte dos trabalhadores para a planta da empresa em São Bernardo do Campo, em São Paulo. A estimativa é de que cerca de 200 trabalhadores, de um total de 350, sejam transferidos. Para os demais 150, algumas alternativas estão em análise, como, por exemplo, a abertura de um novo turno para que parte dos profissionais atue na área de cabinas na unidade mineira e um programa de demissão voluntária (PDV). As transferências devem começar em janeiro de 2020.

De acordo com o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora, Fernando Rocha, a entidade vem trabalhando junto à Mercedes-Benz para que não ocorram demissões e que a fábrica de Juiz de Fora continue em operação.

“Desde outubro, quando tivemos uma reunião com a Mercedes-Benz, já sabíamos da transferência da produção do caminhão Actros para São Bernardo, o que deixaria um excedente de 350 trabalhadores na unidade de Juiz de Fora. Desde então, estamos buscando alternativas para amenizar esse baque de 350 possíveis demissões em setembro de 2020, quando a fabricação será iniciada em São Bernardo”, explica.

Ainda segundo Rocha, uma das alternativas, construída junto à empresa, é a transferência de parte dos profissionais para a planta de São Bernardo do Campo. O número exato não foi definido e dependerá da demanda da empresa, mas a estimativa é de que sejam transferidos em torno de 200.

Com o final da produção do caminhão Actros, em Minas Gerais, a fábrica terá apenas a produção de cabinas, o que não absorve toda a mão de obra empregada na linha. Por isso, a empresa está oferecendo a possibilidade de realocar parte dos colaboradores da linha de montagem de caminhões de Juiz de Fora para as áreas de pintura e montagem bruta de cabinas dessa unidade.

“A fábrica, hoje, funciona em dois turnos, e uma das possibilidades para quem não for transferido é abrir um novo turno para absorver um pouco da mão de obra. A Mercedes-Benz também já iniciou um processo de contratação, por tempo determinado, para suprir as transferências que já estão bem adiantadas e serão efetivadas em janeiro de 2020”, destaca.

Conforme Rocha, os profissionais que atuam na fabricação do caminhão farão uma visita à fábrica de São Bernardo e ficarão cerca de três dias na cidade para definir possíveis moradias. Logo em seguida, ao retornarem para Juiz de Fora, quem optar pela mudança irá assinar um contrato de transferência de unidade.

 

Condições – Conforme o acordo feito junto ao sindicato, o funcionário que for transferido terá hospedagem custeada por até 15 dias para busca de imóvel, auxílio mudança e de aluguel, pagamento de bônus salarial na transferência e, após um ano de atuação na fábrica, reajuste imediato de 10% do salário e adicional de 25% durante dois anos.

“Mais uma vez o sindicato vem atuando junto à empresa e buscando alternativas para a manutenção dos postos de trabalho. Se não for na planta de Juiz de Fora, que seja em São Bernardo do Campo ou, até mesmo, em Campinas. Mas queremos garantir os postos de trabalho e evitar as demissões. O nosso intuito é garantir que não seja ninguém demitido, que se consiga fazer as transferências e o remanejamento dos trabalhadores”, explicou Rocha.

Em nota, a Mercedes-Benz explicou que, desde 2014, a empresa anunciou investimentos para concentrar toda a produção de cabinas de caminhões em Juiz de Fora e a fabricação de caminhões em São Bernardo do Campo.

“Nesse contexto, chegou a hora de iniciar as conversas com os colaboradores com o intuito de reorganizar as atividades na unidade mineira. Estamos oferecendo a possibilidade de realocar parte dos colaboradores da linha de montagem de caminhões de Juiz de Fora para as áreas de pintura e montagem bruta de cabinas dessa unidade. Além disso, a empresa oferece também aos funcionários a alternativa de transferência para a planta de São Bernardo do Campo. A reorganização das atividades em Juiz de Fora tem sido conduzida de forma transparente ao longo desse período perante os colaboradores e representantes do sindicato local. A Mercedes-Benz do Brasil está buscando, em todo esse processo, encontrar as melhores alternativas para os envolvidos nessa reestruturação de atividades”, justificou a empresa no comunicado.