COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Minas receberá investimentos de R$ 229,5 milhões

COMPARTILHE

A Verde AgriTech vai realizar aporte de R$ 22,5 milhões na sua planta de São Gotardo | Crédito: Divulgação/ Verde Agritech

Mesmo em meio ao cenário adverso criado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no País, o governo de Minas Gerais assinou novos protocolos de intenções para aportes privados no Estado. Com investimentos de R$ 229,5 milhões, projetos dos setores de fertilizantes e de siderurgia serão implantados, nos próximos exercícios, nas regiões Norte e Alto Paranaíba do Estado.

De acordo com o diretor de Atração de Investimentos para Cadeias Produtivas de Base Humanas da Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior de Minas Gerais (Indi), João Paulo Braga, mesmo que as incertezas impostas pelo Covid-19 levem a maioria das empresas a reprogramarem e até suspenderem seus investimentos, setores essenciais não param e precisam preparar ou adequar suas operações, como é o caso do agronegócio e da liga de silício, importante insumo para o setor médico-hospitalar.

PUBLICIDADE

“Atrair investimentos privados neste momento, é fundamental para que a gente possa pensar na retomada e na diminuição dos impactos da crise para a economia. E neste sentido está a atuação do Indi, na permanente atração de negócios e empresas para Minas Gerais”, explicou.

Apenas a empresa Verde AgriTech, pertencente ao grupo inglês Verde AgriTech PL, assinou protocolo de investimento de R$ 22,5 milhões na unidade do município de São Gotardo, no Alto Paranaíba.

A empresa atua no mercado de fertilizantes e destinará os recursos para a expansão do projeto Cerrado Verde, que tem por objetivo minerar Siltito glauconitico e industrializá-lo como aditivo para fertilizantes e ração animal. Conforme Braga, a iniciativa amplia as atividades da unidade mineira que, desde 2018, tem capacidade produtiva de 45 toneladas do produto por hora.

“O Brasil importa grande parte dos fertilizantes utilizados pelo agronegócio, ficando atrás apenas da China na dependência internacional por este tipo de insumo. Em situações adversas como a do momento, em que há interrupções na cadeia de logística global, aumenta a vulnerabilidade da produção do País. Daí a importância de se investir no setor, como está fazendo a Verde AgriTech”, explicou.

Segundo o diretor, chama atenção também a localização do empreendimento, no Alto Paranaíba, bem próximo às lavouras agrícolas consumidoras do insumo. Além do benefício direto ao município de São Gotardo, onde está a lavra, outro município que será bastante beneficiado com os serviços assessórios ao empreendimento é a pequena Matutina, na região.

“O projeto Cerrado Verde já está em operação e já recebeu R$ 47 milhões em investimentos. Com a expansão, até o fim deste ano terão sido investidos outros R$ 22,5 milhões, totalizando quase R$ 70 milhões e 85 empregos gerados”, completou.

Ligas – Já o Grupo Rima, líder na produção e comercialização de ligas à base de silício no Brasil, assinou termo aditivo para quatro novos projetos da empresa a serem instalados no Estado, sob aportes de R$ 207 milhões. Conforme o acordo com o governo de Minas, as unidades de Capitão Enéas, Várzea da Palma e Bocaiúva receberão os investimentos para aquisição de máquinas, equipamentos, terrenos, obras civis, capital de giro, dentre outros.

Segundo o diretor o diretor de Atração de Investimentos para Cadeias Produtivas de Base Naturais do Indi, Ronaldo Alexandre Barquette, os aportes se somam a outros R$ 241 milhões anunciados pela empresa em 2018, totalizando investimentos de R$ 448 milhões e geração de 522 empregos diretos pelo grupo em Minas Gerais.

“São aportes relevantes e uma área de extrema relevância para a nova economia do Estado. A liga a base de silício é muito usada em setores estratégicos como medicina, indústria eletroeletrônica, indústria automotiva, chips de computadores e energia solar”, ressaltou.

Desde 1974, a Rima se destaca na produção e comercialização de ligas à base de silício. O processo de obtenção do silício é realizado por meio de fornos elétricos, utilizando como matéria-prima básica o minério de quartzo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!