COTAÇÃO DE 20/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,5610

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5630

VENDA: R$5,7070

EURO

COMPRA: R$6,4683

VENDA: R$6,4712

OURO NY

U$1.782,01

OURO BM&F (g)

R$318,60 (g)

BOVESPA

+0,10

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

País tem em fevereiro maior entrada de investimentos diretos em dez anos

COMPARTILHE

POR

dólar
Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Brasília – A entrada de investimentos diretos no país foi de US$ 9 bilhões em fevereiro, maior fluxo para o mês desde 2011, impulsionada por operações feitas entre matrizes e subsidiárias de multinacionais que operam no País, mostraram dados das contas externas divulgados pelo Banco Central (BC) nesta sexta-feira.

No ano, os investimentos diretos (IDP) já são mais do que o dobro do registrado no ano passado, e o dado parcial de março aponta outra entrada expressiva de US$ 5,8 bilhões até o dia 23. Mas o BC diz que ainda é cedo para falar em mudança de tendência para esses fluxos, que, no ano passado, despencaram como resultado da crise global da pandemia.

PUBLICIDADE

“É cedo para dizer que é uma inflexão de curva, precisamos esperar para ver se tem uma nova perspectiva de resultados maiores para os próximos meses”, disse o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha.

Em fevereiro do ano passado, o País recebeu US$ 2,580 bilhões em IDP e fechou o ano com um fluxo de US$ 34,2 bilhões, menos da metade do apurado em 2019.

A entrada de investimentos no mês passado foi concentrada nas operações intercompanhias (US$ 5,9 bilhões), que retratam os empréstimos feitos entre empresas localizadas no País e no exterior de uma mesma multinacional. A entrada de investimentos na modalidade intercompanhia somou US$ 3 bilhões.

A expectativa no mercado era de um IDP de US$ 6,1 bilhões em fevereiro, segundo pesquisa da Reuters.

Se os investimentos na atividade produtiva mostram sinal de retomada, as aplicações de estrangeiros em carteira, por outro lado, ficaram negativas no dado parcial de março, em US$ 1,944 bilhão. Se esse déficit na entrada de recursos para ações, fundos de investimento e títulos de dívida se mantiver até o final do mês, interromperá nove meses seguidos de fluxo positivo.

Em fevereiro, os investimentos em carteira, que são mais voláteis que o IDP, somaram US$ 3,586 bilhões, levando o saldo acumulado em 12 meses a ficar positivo pela primeira vez desde julho de 2018.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!