COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Pandemia leva MEI a migrar de atividade para sobreviver

COMPARTILHE

Registro de motorista de aplicativo independente cresceu 114% em Minas Gerais em março, ante igual intervalo do ano passado | Crédito: Pixabay
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

A pandemia de Covid-19 e as medidas adotadas para a contenção do coronavírus prejudicaram severamente o mercado de trabalho em Minas Gerais. Em um ano de pandemia, muitas atividades econômicas foram impedidas de ser exercidas ou tiveram a demanda muito afetada. Isso fez com que muitos dos microempreendedores individuais (MEIs) ou cancelassem o registro ou optassem por outro setor para atuar. 

Uma análise feita pelo Sebrae Minas mostrou as principais mudanças ocorridas no perfil das atividades empresariais durante a pandemia. No período, as atividades relacionadas ao transporte de pessoas e mercadorias (serviços de aplicativo) e à venda de peças e acessórios para motocicletas cresceram. Enquanto o transporte escolar independente foi um dos mais prejudicados e com maior baixa no número de registro. 

PUBLICIDADE

De acordo com a analista da Unidade de Inteligência Empresarial Sebrae Minas, Paola La Guardia Zorzin, durante a pandemia, o registro de MEI em Minas Gerais cresceu. Os dados do Sebrae mostram um saldo geral positivo de mais de 204 mil MEIs entre março do ano passado e o mesmo mês deste ano, o que gerou um crescimento de 19% no período. Apesar do saldo, o aumento está ligado à elevada taxa de desemprego.

“Vimos que, realmente, os registros de MEI cresceram muito no período da pandemia. Esta alta está muito relacionada à busca de oportunidades para se manter no mercado ou se reinserir”.

Segundo o levantamento do Sebrae, entre as atividades que cresceram muito com as medidas de restrição adotadas estão as relacionadas aos serviços de aplicativos de  transporte de pessoas e mercadorias e à venda de peças e acessórios para motocicletas.

Os registros de motorista de aplicativo independente tiveram um crescimento de 114%, passando de 5.082 em março do ano passado para 10.852 MEI no terceiro mês de 2021. Em comerciante de peças e acessórios usados para motocicletas a alta foi de 106%, eram 67 em março de 2020 e agora, em março de 2021, já são 138 MEI nessa atividade. No setor de entregador de malotes independente foi verificada alta de 89%, atingindo 2.245 MEIs em março, ante 1.185 em igual período do exercício passado.

“No período da pandemia, houve um movimento de adaptação do mercado. Com o isolamento e a suspensão de várias atividades, surgiram em algumas áreas oportunidades para atuar como motoristas de aplicativos independente que está relacionada à entrega de mercadorias e alimentação em casa. Outra que cresceu muito está relacionada à comercialização de peças para motocicleta, resultado da maior demanda por entregas”.

Microempreendedor busca alternativas para manter a renda

Com o comprometimento do setor de eventos empresariais, a fotógrafa Gláucia Rodrigues incluiu as atividades de motorista de aplicativo e entrega de malote no MEI. Segundo ela, a modificação foi uma forma de ampliar a renda.

“Antes da pandemia, atuava na área de eventos empresariais fotografando, por exemplo, congressos médicos. Mas, estes eventos migraram para o virtual e a demanda caiu. Também faço fotografia para empresas, mercado este que foi menos afetado. Mesmo assim, tenho mesclado o trabalho de fotografia com o aplicativo de transporte. Procurei registrar a atividade para poder emitir nota e atender à demanda de empresas”, explicou.

Ainda segundo Gláucia, apesar do mercado da fotografia de eventos ter sido prejudicado, por outro lado, a demanda para fotografar produtos foi ampliada. “Com as vendas on-line, muitas empresas e comerciantes estão buscando fotógrafos para os produtos. Isso é muito importante para os profissionais”, disse.

Durante a pandemia, os setores de transporte escolar e de eventos estão entre os mais afetados. Com isso, houve o cancelamento de MEI. Segundo a pesquisa do Sebrae Minas, em transportador (a) escolar independente foi verificada queda de redução de 4% nos registros, caindo de 7.780 em março de 2020 para 7.491 MEIs neste ano. A distribuição por sexo é de 72% homens e 28% mulheres. 

No setor de eventos, o registro de locador(a) de palcos, coberturas e outras estruturas apresentou redução de 2% em março na comparação com o mesmo intervalo de 2020, passando de 485 para 476 no período. A distribuição por sexo é de 76% homens e 24% mulheres.

Atividades já consideradas obsoletas também tiveram queda nos registros, como os proprietários (as) de fliperama independente, com queda de 7%, e caindo de 103 em março de 2020 para 96 MEI agora. Queda também no registro de locador (a) de fitas de vídeo, DVDs e similares, com redução de 5%, e comerciante de discos, CDs, DVDs e fitas, 5%.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!