COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Paralisação dos rodoviários afeta comércio e construção

COMPARTILHE

Greve foi suspensa até sexta-feira, quando terá nova audiência | Crédito: Charles Silva Duarte/Arquivo DC

A greve dos rodoviários, suspensa ontem, acabou causando uma série de transtornos para o setor produtivo de Belo Horizonte. Em dois dias de paralisação, o movimento no setor varejista recuou 10%. Na construção civil, que responde por cerca de 10% dos usuários do transporte público na capital mineira,  50% dos funcionários foram afetados.

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) estima um recuo de 10% nas vendas nesses dois dias de greve dos rodoviários. Segundo o presidente da CDL-BH, Marcelo de Souza e Silva, houve um impacto significativo para o setor. “Em uma estimativa geral, o comércio da Capital movimenta R$ 81 milhões por dia, e sem a movimentação na região Central esse valor geral é impactado, especialmente na semana de Black Friday”, explica.

PUBLICIDADE

A estratégia de alguns lojistas, de acordo com a CDL-BH, é criar alternativas de transporte para os funcionários. “Registramos que alguns empresários estão contratando vans e outros estão autorizando o transporte por meio de veículos de aplicativos. Os funcionários são reembolsados com esses gastos”, esclarece Marcelo de Souza e Silva.

Com a suspensão da greve, o presidente da CDL-BH disse que “prevaleça o bom senso e todas as partes façam um acordo para terminar definitivamente com a greve. E reiteramos a necessidade da participação da Prefeitura como mediadora desse processo”.

O diretor da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), Renato Ferreira Machado Michel, conta que a greve dos rodoviários impactou fortemente o serviço da construção civil. “Isso porque todo o serviço é interligado, ou seja, um depende do outro. Se falta um funcionário, toda a cadeia produtiva fica comprometida”, explica.

Renato Michel ressalta que, para diminuir a falta dos funcionários, muitas construtoras adotaram o vale-combustível e a carona solidária. “Adotamos essa prática no pico mais grave da pandemia da Covid-19. Para quem tem veículo próprio e mora próximo de outros colegas de trabalho, estamos pedindo a carona solidária. E tudo isso será reembolsado para o trabalhador”.

O diretor da Federação do Comércio de Bens, Serviço e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio-MG), Rony Rezende, comemorou a suspensão da greve pelos rodoviários. “Vamos garantir que os funcionários e os clientes consigam participar da liquidação da próxima sexta-feira (26) e esperamos que a situação da greve seja definitivamente resolvida”, opina.

Segundo dia de greve 

Ontem, o Sindicato dos Rodoviários de Belo Horizonte e Região (STTRBH) suspendeu a greve até sexta-feira (26), data em que está marcada a próxima audiência entre os representantes dos trabalhadores e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH).

“Suspendemos a greve em respeito aos comerciantes que estão programados com o dia de ofertas da Black Friday e com a população que depende do transporte público. Porém, não vamos desistir dos nossos direitos trabalhistas. Esperamos que o sindicato patronal entregue uma proposta de reajuste salarial”, explica o presidente do STTRBH, Paulo César da Silva.  

A assessoria de imprensa do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT) informou que o sindicato patronal deverá trazer uma proposta salarial nesse prazo. O prefeito Alexandre Kalil participou da reunião na tentativa de ajudar a conciliar as partes.

Nesse segundo dia de greve, os trabalhadores rodoviários não cumpriram com a liminar que determinava 60% da frota em circulação na cidade e muitos passageiros tiveram dificuldade em acessar os principais pontos comerciais da região do hipercentro da Capital.

Segundo o TRT, uma nova reunião está marcada para sexta-feira entre o sindicato patronal e o sindicato dos rodoviários para tentar chegar a um acordo a respeito do reajuste salarial da categoria.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!