COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Pfizer e BioNTech assinam com Eurofarma acordo de fabricação de vacina contra Covid para América Latina

COMPARTILHE

POR

Adolescente recebe aplicação de dose da vacina Pfizer-BioNTech contra Covid-19 em Betim
Adolescente recebe aplicação de dose da vacina Pfizer-BioNTech contra Covid-19 em Betim | Crédito: REUTERS/Washington Alves

A Pfizer e sua parceira alemã BioNTech disseram nesta quinta-feira (26) que assinaram acordo com a farmacêutica brasileira Eurofarma para fabricar a vacina contra Covid-19 que desenvolveram para distribuição na América Latina, em uma tentativa de impulsionar ambas as empresas farmacêuticas como fornecedoras de países de baixa e média renda.

A Eurofarma começará a fabricar doses finalizadas a partir de 2022, a primeira etapa de expansão na América Latina da rede de fornecimento das fabricantes de vacinas. O acordo não cobre o complicado processo de produção da substância de RNA mensageiro, que será feito nas instalações da Pfizer nos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

A Eurofarma deve produzir mais de 100 milhões de doses finalizadas anualmente em plena capacidade operacional, disseram a Pfizer e a BioNTech em um comunicado conjunto nesta quinta-feira (26).

As empresas também disseram que já enviaram 1,3 bilhão de doses de sua vacina de duas doses contra Covid-19 globalmente e que pretendem entregar 3 bilhões até o final deste ano.

O presidente-executivo da Pfizer, Albert Bourla, disse que o acordo “expande nossa rede global de cadeia de suprimentos para outra região — ajudando-nos a continuar a fornecer acesso justo e equitativo à nossa vacina contra a Covid-19”.

A expansão planejada ocorre após o presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente da França, Emmanuel Macron, apoiarem no início deste ano a quebra de patentes de vacinas, que são protegidas por um acordo da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre propriedade intelectual, para impulsionar o fornecimento a países mais pobres.

Países como a Alemanha, onde está a sede da BioNTech, e a própria BioNTech argumentaram que apenas os criadores de vacinas e seus parceiros podem montar rapidamente linhas de produção globais, porque para a tarefa são necessárias bem mais habilidades do que o que está codificado em patentes.

A Pfizer e a BioNTech fecharam no mês passado um acordo com o Instituto Biovac, da África do Sul, para processar e distribuir mais de 100 milhões de doses por ano de sua vacina para a África, também limitado às etapas finais de formulação e envase.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!