COTAÇÃO DE 24/02/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4202

VENDA: R$5,4207

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4070

VENDA: R$5,5800

EURO

COMPRA: R$6,5661

VENDA: R$6,5690

OURO NY

U$1.803,65

OURO BM&F (g)

R$312,25 (g)

BOVESPA

+0,38

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque

Produção de veículos cresce 0,7% em novembro

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: REUTERS/Washington Alves

São Paulo – A indústria de veículos do Brasil em novembro teve crescimento de 0,7% na produção ante outubro, desacelerando o ritmo de expansão que vinha acelerado desde meados do ano, diante da flexibilização das medidas de isolamento social, informou na segunda-feira (7) aAssociação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

A produção somou 238,2 mil unidades, uma alta de 4,7% na comparação com novembro do ano passado. No acumulado do ano até o fim de novembro, o volume de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus produzidos no país mostra queda de 35% sobre um ano antes, a 1,8 milhão de unidades.

PUBLICIDADE

Já os licenciamentos subiram 4,6% na comparação mensal em novembro e recuaram 7,1% sobre o mesmo mês de 2019, para cerca de 225 mil unidades. No acumulado, a queda é de 28,1%, para 1,81 milhão de unidades.

Em videoconferência com jornalistas, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, afirmou que o nível de estoque de veículos novos do setor ao final de novembro, incluindo pátios de montadoras e de concessionários, é o menor desde o início de 2004, a 119,4 mil unidades.

Máquinas agrícolas – As vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias no Brasil registraram avanço de 29,5% em novembro, em relação ao mesmo período de 2019, para 4.267 unidades, segundo o levantamento da Anfavea.

Com produtores rurais mais capitalizados por preços recordes das commodities ao longo de 2020, firme demanda externa e alto patamar do câmbio, o cenário é favorável para a retomada de investimentos na lavoura, apesar da pandemia.

O desempenho registrado em novembro foi o melhor para o mês, pelo menos, desde 2017. Os tratores de rodas responderam por 3.071 do total comercializado, aumento também de 29,5%.

De olho em uma safra que caminha para ser recorde em 2020/21, a venda de colheitadeiras de grãos alcançou 662 unidades, alta de 34,8% ante igual período do ano passado.

No acumulado de janeiro a novembro, foram comercializadas 42.071 unidades de máquinas do setor, alta de 3,8% no comparativo anual, conforme dados da associação.

Ainda segundo a Anfavea, a produção de máquinas agrícolas e rodoviárias atingiu 4.971 unidades em novembro, aumento de 13,3% no ano a ano. Já nos onze meses 2020, houve queda de 15,5%, para 42.952 unidades.

As exportações do setor somaram 804 unidades no mês passado, retração de 27,8%, enquanto os embarques acumulados até novembro caíram 32,6%, para 8.042 unidades. (Reuters)

Setor sinaliza incerteza sobre suprimentos

São Paulo – A indústria de veículos está vendo riscos elevados à produção neste final de ano diante de problemas gerados por volatilidade do câmbio e pela pandemia de Covid-19, cujo recrudescimento de casos em vários países e regiões do Brasil tem impactado cadeias de fornecimentos de peças.

“A gente faz coisas impossíveis, mas milagre ainda não fazemos. Se faltar peça, a consequência é dificuldade na entrega de veículos. Existe sim, risco muito forte. Pode acontecer em dezembro”, disse o presidente da) aAssociação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes, em videoconferência com jornalistas na segunda-feira (7).

A indústria terminou novembro com o menor nível de estoque de veículos prontos desde o início de 2004, a 119,4 mil unidades, informou o executivo, citando os problemas na cadeia de suprimentos, que voltaram a se intensificar no mês passado.

As vendas tiveram alta de 4,6% sobre outubro, mas caíram 7,1% na comparação anual. A produção, enquanto isso, ficou praticamente estável em novembro sobre o mês anterior, subindo 4,7% ante o mesmo mês de 2019.

“Estamos tendo problemas com aço, borracha, termoplástico, pneus.E um risco imediato. Já tínhamos registrado microparadas e agora estamos observando paradas em materiais importados, paradas por conta de contaminação de fornecedor”, disse Moraes. “Tem casos de fornecedor na Inglaterra, onde houve aumento da segunda onda (de Covid-19) e isso afeta toda a logística de material importado”, acrescentou.

Além dos problemas de fornecimento, o executivo afirmou que a indústria de veículos ainda enfrenta alta de custos e volatilidade do câmbio que dificulta contratos de exportação e importações de componentes.

CSN – Questionado sobre afirmação da siderúrgica CSN, em meados de outubro, de que o reajuste nos preços do aço vendido a montadoras de veículos não poderia “ser menor que 30%”, Moaraes afirmou que o aumento pode ser um bumerangue para os produtores da liga.

“Trinta por cento da siderurgia é setor automotivo. (O reajuste) resolve o problema dela, mas cria outro que pode abalar a demanda. A siderurgia lançou um bumerangue e o problema pode voltar para eles”, disse o executivo sem confirmar que índices de reajuste que siderúrgicas estão negociando com as montadoras. “A negociação do aço está muito dura. O que não queríamos ter agora é um aumento de custos desta magnitude”.

Os executivos da entidade evitaram fazer projeções para 2021, citando um quadro ainda muito incerto por causa da pandemia e seus impactos. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente