COTAÇÃO DE 21-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4550

VENDA: R$5,4550

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,1717

VENDA: R$6,1729

OURO NY

U$1.829,52

OURO BM&F (g)

R$320,53 (g)

BOVESPA

-0,15

POUPANÇA

0,6107%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque
" "
indústria cni
Crédito: Josué Paulo Lacerda/CNI

Brasília – A atividade e as contratações na indústria tiveram nova alta em outubro. Segundo a Sondagem Industrial, divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a produção industrial aumentou pelo quinto mês consecutivo. O índice de evolução da produção atingiu 58,3 pontos no mês passado.

Já o número de empregos cresceu pelo terceiro mês seguido: o índice de evolução do número de empregados ficou em 54,9 pontos. Os índices variam de zero a cem e indicadores acima dos 50 pontos sinalizam aumento da produção e do emprego em relação ao mês anterior.

PUBLICIDADE




A utilização da capacidade instalada (UCI) média apresentou alta pelo sexto mês consecutivo e ficou em 74% em outubro, dois pontos percentuais acima do registrado em setembro. A sondagem revela ainda que a UCI foi maior do que o usual para o mês de outubro, pois o índice de UCI efetivo em relação ao usual ficou acima da linha divisória de 50 pontos, ao atingir 51,1 pontos.

Mesmo com as seguidas altas na produção, os estoques continuaram em queda e abaixo do desejado pela indústria. Enquanto o indicador de nível de estoques marcou 45,5 pontos, o de estoque efetivo ficou em 43,4 pontos, ambos abaixo dos 50 pontos. “Os estoques baixos sinalizam uma necessidade de continuar um nível de produção mais forte”, destaca o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

Otimismo – Apesar de todos os índices de expectativa recuarem em novembro, pelo segundo mês consecutivo, o otimismo dos empresários para os próximos seis meses continua elevado. No documento, a CNI explica que a queda dos indicadores se deve possivelmente a uma acomodação após a rápida recuperação dos efeitos da pandemia. “Os índices permanecem em patamares elevados, não só da linha divisória de 50 pontos como de suas respectivas médias históricas”, assinala a Sondagem Industrial.

O índice de expectativa para a demanda caiu 1,8 ponto, para 59,8 pontos em novembro. Em relação às compras de matérias-primas, a queda foi de 2 pontos no indicador, que registrou 58 pontos neste mês. Já o índice de número de empregados recuou 0,9 ponto, para 53,5 pontos, e o de exportação também caiu 0,9 ponto, para 53,9 pontos.




O otimismo em alta estimula a intenção dos empresários investirem, cujo indicador cresceu pelo sétimo mês consecutivo e já alcançou os níveis registrados antes da pandemia, com 59,3 pontos registrados em novembro. O índice aumentou 2,1 pontos frente a outubro e acumula alta de 22,6 pontos na comparação com abril.

A Sondagem Industrial ouviu 1.870 empresas entre 3 e 12 de novembro. Dessas, 738 são pequenas, 647 médias e 485 grandes indústrias. (As informações são da CNI)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!