COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque
A ONG SaveCerrado atua em uma área com mais de 180 milhões de metros quadrados na região de Bonito de Minas | Crédito: Divulgação

O mercado cada vez mais exigente em relação às práticas sustentáveis e à preservação do meio ambiente deve estimular os investimentos das empresas em projetos que visam à conservação de biomas.

Em Minas Gerais, a ONG SaveCerrado nasceu com o objetivo de preservar uma área privada de Cerrado, onde pessoas e empresas podem contribuir financeiramente para a preservação e desenvolvimento de projetos para recuperação e ampliação da área protegida e desenvolvimento da sociedade local.

PUBLICIDADE

De acordo com o fundador e presidente da ONG SaveCerrado, Paulo Bellonia, a área do projeto tem mais de 180 milhões de metros quadrados e está localizada na região de Bonito de Minas (Norte de Minas), dentro de um dos quatro principais corredores de preservação do Cerrado brasileiro.

A princípio, a ideia era desenvolver alguma atividade agropecuária no espaço, uma vez que pela legislação, propriedades privadas localizada no Cerrado podem destinar até 80% da área para a produção agropecuária. Por ser uma área de interesse de preservação do Estado e da União, depois de estudos e por questões de legado, foi definida a criação de um projeto para preservação da área e fundada a SaveCerrado.

A SaveCerrado nasceu baseada em importantes pilares. Um deles é trabalhar no desenvolvimento de ações sociais, pagando a propriedade privada pela área protegida – o que é permitido pelo Código Florestal -, e a ONG recebendo valores para manter a área preservada.

“São raros os casos que alguém recebe valores para preservar as áreas, tanto do governo como do setor privado. Nosso objetivo é manter a área preservada dentro ou próxima das unidades de conservação, ou seja, em áreas que são de relevância de preservação e privadas, de forma que sejam definitivamente preservadas. Também desenvolvemos ações sociais na região onde a propriedade está inserida”, relata Bellonia.

Dentre as atividades, é desenvolvido o extrativismo sustentável, que gera recursos para a comunidade local e a pesquisas voltadas para a preservação e recuperação do bioma.

Outro princípio é permitir que a sociedade e as pequenas e médias empresas possam se conectar com esse tipo de atividade de proteção e de combate ao desmatamento.

Bellonia explica que as grandes empresas têm estruturas próprias para investir e setores que vão de encontro com a sustentabilidade e na implantação das práticas de meio ambiente, social e governança (ESG). Elas também contam com recursos para mensurar o impacto que estão gerando no meio ambiente e criar mecanismo de combate e na neutralização de emissões de carbono.

“Já os pequenos, não. O grande desafio é disseminar o conceito e a importância da sustentabilidade no combate ao desmatamento e no aquecimento global. Além disso, queremos sensibilizar a sociedade e fazer com que ela haja efetivamente em relação a isso. Tanto na mudança de comportamento (consumindo produtos sustentáveis) como na contribuição para projetos de preservação”, aponta.

Segundo Bellonia, cada recurso destinado para a SaveCerrado é vinculado a um metro quadrado correspondente. “Uma empresa que nos apoia com 10 mil metros quadrados, terá aquele espaço carimbado com a marca dela. Para cada apoio, é criada uma página de transparência. Também associamos a área a créditos de carbono e a empresa pode fazer um inventário de emissões para ser carbono neutro”, detalha.

Permutas – Já participam do projeto empresas de tecnologia, segurança, time de futebol, escritórios de advocacia e imprensa. Além de receber recursos financeiros, também podem ser feitas permutas. O valor de referência para as empresas apoiarem é de R$ 450 por mês, para proteger 10 mil metros quadrados.

“Percebemos que agora estamos no momento, na hora e no local certo. O mundo está cobrando do Brasil uma política clara e transparência na gestão de sustentabilidade. O impacto econômico que podemos ter se não mudarmos a relação com o meio ambiente será infinitamente pior que o provocado pela pandemia. Então, acho que o setor produtivo e econômico começou a entender e a ter recursos para aplicar nestas práticas. Hoje vemos que os principais executivos das companhias, estão debruçados sobre os ESG, querendo entender como se implementa. As pequenas e médias também precisam desses mecanismos e a SaveCerrado é uma opção”, argumenta  Bellonia.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!