COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus Economia exclusivo

Queda no transporte de cargas já chega a quase 47% no Estado

COMPARTILHE

Crédito: Filó Alves

O transporte rodoviário apresentou queda de 46,6% em Minas Gerais, de acordo com os dados da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística). O resultado é reflexo da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Estado.

Os dados da entidade também mostram, de maneira geral, no Brasil, que, entre os dias 16 e 23 de março, 66% das empresas do setor já tinham apresentado recuo no faturamento. O número vem em uma crescente e chegou a 89% entre os dias 13 e 19 de abril.

PUBLICIDADE

Entre a carga fracionada, a maior queda foi relacionada a lojas diversas de rua (-59,60%). Posteriormente, vêm shopping centers (-57,67%), distribuidores (-42,83%), mercado, super e hiper (-36,44%), outro tipo de estabelecimento (-36,27%) e casas pessoas físicas (-31,35%).

Já no que diz respeito à carga lotação, a maior redução foi registrada em industrial linha branca (-66,38%). Destaque também para industrial automobilístico (-65,61%), industrial eletrônico (-50,80%), combustíveis (-48,57%) e comércio lojas (-43,88%).

De acordo com o presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio, o segmento está muito preocupado. Ele diz esperar uma retomada em breve e “nem querer pensar” no que pode acontecer caso isso não se concretize. Para ele, será uma calamidade total.

“Estamos fazendo a nossa parte. Nosso trabalho está sendo realizado. Estamos buscando alternativas de crédito para pagamento de folha das micro e pequenas empresas. Tudo isso é difícil porque bancos particulares querem garantias”, destaca.

Segundo ele, neste momento, as empresas ainda têm créditos, estão conseguindo abastecer e trabalhar, realizaram os pagamentos de março e estão em negociação do mês de abril “para não ter dispensa em massa”, mas é preciso que a situação se modifique em breve.

“A gente espera a liberação do trabalho em geral, mesmo que não seja tudo de uma vez, e temos esperança da retomada. Assim, colocaremos a casa em ordem daqui para frente”, frisa.

Enquanto isso não ocorre, o diretor da Federação das Empresas de Transportes de Carga do Estado de Minas Gerais (Fetcemg), Ulisses Martins, afirma que as empresas do setor têm tomado uma série de medidas para continuarem operando.

“As empresas, em geral, têm adotado as medidas do governo para preservar o caixa por mais tempo. Enquanto há estoque de férias, possibilidades de folga, estão usando, já que os serviços estão caindo. Cada uma está utilizando o recurso que tem, se adaptando, criando alternativas. Pode ser que algumas aguentem 30 dias, outras 90 dias”, diz ele.

Diante disso, mesmo quando tudo voltar à normalidade, o diretor da Fetcemg avalia que as atividades do segmento “vão demorar muito tempo para curar os danos e as feridas”, afirma.

“Desastre completo” – O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Minas Gerais (Setcemg), Gladstone Viana, também ressalta que a recuperação do setor não será algo fácil. Para ele, hoje se vive um “desastre completo” e 2020 será um “ano perdido para o setor”.

“Não tem jeito de começar do dia para a noite como era antes. Uma das primeiras medidas adotadas pelo segmento foi dar férias coletivas, mas em maio poderá haver um número maior de demissões. Os negócios não vão voltar como eram antes no momento e não terá necessidade de muitos funcionários por enquanto”, avalia.

Além disso, de acordo com Gladstone Viana, as transportadoras vão precisar repensar o tamanho dos seus negócios de agora para frente. “Como nada vai voltar ao normal rapidamente, as empresas vão ser muito enxugadas. Não adianta tentar avançar no mercado agora porque não tem mercado. Aquele que for avançar vai ter dificuldades financeiras”, diz ele.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!