COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Ritmo de crescimento da indústria é menor em MG

COMPARTILHE

Crédito: Leo Lara

A produção industrial em Minas Gerais cresce em ritmo menor, de acordo com a Sondagem Industrial, divulgada ontem pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). Em agosto, o índice de evolução da produção teve uma pequena retração de 2,2 pontos, ante julho, atingindo 53,3 pontos. 

Apesar do recuo, o indicador permaneceu acima dos 50 pontos, o que aponta crescimento no período. “Isso significa que o ritmo de crescimento da produção foi menor que no mês anterior.  Ou seja, pela quarta vez consecutiva, houve crescimento da produção. O índice acumulou aumento de 5,5 pontos em 2021 e foi superior à sua média histórica 47,7 pontos”, explica a  economista da gerência de Economia e Finanças Empresariais da Fiemg, Daniela Muniz

PUBLICIDADE

A economista afirma que o resultado representa a recuperação heterogênea e ritmo gradativo das empresas. “Mesmo com o avanço da vacinação, ainda temos indústrias em recuperação de forma desigual, ou seja, algumas crescem mais outras menos. Isso ainda ocorre devido à falta de matéria-prima, insumos, instabilidade de produção e até mesmo o avanço da vacina na região pode determinar o resultado”.

O índice de utilização da capacidade instalada efetiva em relação à usual diminuiu 1,1 ponto entre julho 49,4 pontos e agosto 48,3 pontos. Conforme informações da pesquisa, pela nona vez consecutiva, o indicador mostrou que as indústrias operaram com capacidade produtiva inferior à habitual para o mês, ao ficarem abaixo dos 50 pontos. O índice ficou estável frente ao apurado em agosto de 2020.

A pesquisa mostra ainda que as empresas registraram um pequeno recuo em seus estoques de produtos finais, com indicador de 49,8 pontos em agosto, e encerraram o mês com os níveis de estoques abaixo do planejado: o índice marcou 48,4 pontos.

Desde maio de 2020 os níveis de estoques permanecem abaixo do desejado pelas empresas, tendo em vista a dificuldade na aquisição de insumos e matérias-primas. “A oferta e a demanda desse fornecimento para as indústrias ainda não normalizaram. A expectativa era de que quando a produção voltasse os insumos voltariam à normalidade. Exemplo disso são os semicondutores para a indústria automotiva e também para as fábricas de linha branca”, reforça Daniela Muniz.

Quanto à expectativa da demanda, a pesquisa marcou 58 pontos em setembro, recuo de 2,3 pontos em relação a agosto (60,3 pontos). Na comparação com setembro do ano passado 62,2 pontos, o indicador decresceu 4,2 pontos. O indicador de expectativa de compras de matérias-primas diminuiu 2,3 pontos entre agosto (58,8 pontos) e setembro (56,5 pontos).

Apesar da retração, o índice mostrou perspectiva de evolução das compras de matérias-primas. Ante setembro de 2020 (59,4 pontos), o indicador caiu 2,9 pontos. O indicador de expectativa do número de empregados marcou 55 pontos em setembro, queda de 0,5 pontos na comparação com agosto (55,5 pontos).

Geração de empregos

O índice de evolução do número de empregados marcou elevação do emprego pelo 14º mês seguido – embora em menor intensidade frente ao mês anterior – e registrou 51,2 pontos em agosto. A pesquisa apontou queda de 1,3 pontos ante a julho 52,5 pontos e 5,4 pontos em relação a agosto do ano passado 56,6 pontos.

Mesmo com o recuo, o índice sinalizou perspectiva de elevação do emprego no curto prazo. Frente a setembro de 2020 (54,7 pontos), o indicador apresentou pequeno avanço, de 0,3 pontos, e foi o maior para o mês desde 2011, início da série histórica mensal. “Mesmo com recuo, os empresários seguem otimistas para os próximos seis meses. Alguns fatores ainda preocupam, como a alta da inflação, incertezas institucionais, crise hídrica e o recuo do consumo da população”, detalha a economista Daniela Muniz.

A economista estima que o crescimento para a indústria continue, porém desacelerado principalmente devido às incertezas econômicas vividas no País, que estão afetando principalmente em projetos de investimentos no setor industrial.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!