COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque

Segmento de energia solar sofre com escassez de placas

COMPARTILHE

Crédito: Edgar SU

São Paulo – A indústria de energia solar do Brasil tem vivido uma retomada após uma forte retração dos negócios na esteira da pandemia, mas a demanda aquecida vem enquanto fabricantes de equipamentos principalmente na Ásia ainda sofrem limitações, o que tem gerado alguma escassez no mercado, disseram especialistas à Reuters.

As importações de módulos fotovoltaicos pelo Brasil somaram em setembro cerca de 533 megawatts, praticamente o dobro de agosto (266 megawatts) e o maior volume desde março, antes do início de quarentenas decretadas por governos estaduais e municipais para tentar conter a disseminação local da Covid-19, segundo dados da JCS Consultoria.

PUBLICIDADE

As compras no exterior, fechadas principalmente junto à China, haviam registrado 574 megawatts em março, mas caíram para 358 megawatts em abril e tocaram mínima de 142 megawatts em junho, ainda de acordo com a JCS, que registra os equipamentos liberados pela alfândega.

“O que talvez ainda penalize o crescimento de outubro, novembro e dezembro é a disponibilidade de produtos da China. A cadeia de suprimentos está bastante comprometida nesse final de ano, muitos fornecedores têm reportado atrasos, falta de produto, pedidos não honrados”, disse o chefe da consultoria, Wladimir Janousek.

Esse cenário está associado a problemas que incluem falta de vidro na indústria de placas solares global, sediada principalmente na China e países asiáticos, o que acaba por resultar tanto em escassez de produtos quanto em preços maiores, disse o chefe de Estratégia da construtora de projetos de energia renovável TC Technologies, Hugo Albuquerque.

“Quando falamos em mercado consumidor, a demanda já retomou, mundialmente falando. Só que a indústria na China tem aversão a estoque. Então se a demanda voltou agora eles não têm matéria-prima disponível para todo mercado mundial. Há indisponibilidade de suprir essa demanda que ficou reprimida por meses, e isso é global”, explicou ele.

A situação ainda tem pressionado preços de matérias-primas e dos equipamentos finalizados – o custo do vidro utilizado na indústria solar dobrou, acrescentou Albuquerque.

“De fato, está faltando módulo no Brasil hoje, já está faltando. A China só deve regularizar o fornecimento de material a partir dos embarques de janeiro. O mercado volta à sua normalidade a partir do fim de fevereiro, começo de março”, projetou.

Essa escassez pode ser vista nos dados de importações de equipamentos solares, que mostram um descompasso neste ano entre as entradas no País de placas fotovoltaicas e inversores, disse o diretor da consultoria Greener, Marcio Takata.

“O volume de entrada de módulos está um pouco abaixo do que deveria ser em função do número de inversores. Em geral, entram de 15% a 20% mais módulos do que inversores, e percebemos que tem havido uma certa igualdade nos números. Houve historicamente um embarque menor do que deveria ser em módulos”, apontou.

As dificuldades de fornecimento têm impactado tanto investidores que constroem grandes usinas solares quanto pessoas e empresas que apostam em instalações conhecidas como geração distribuída, que envolvem placas fotovoltaicas em telhados ou terrenos, disse o presidente da empresa de renováveis Pacto Energia, Rodrigo Pedroso.

“Não só pedidos anteriores, programados para serem entregues agora, como os novos pedidos também estão sofrendo um impacto bem considerável, atraso. E aí é lógico, pela lei de oferta e demanda acaba impactando também o preço.”

Entre as principais fornecedoras de painéis solares do Brasil estão BYD, Canadian Solar, Risen, Trina, Jinko e JA Solar, entre outras.

Câmbio – Outro fator que impactou negativamente desempenho da indústria de energia solar no Brasil ao longo de 2020 foi o câmbio, com uma forte desvalorização do real frente ao dólar e diversos momentos de volatilidade na moeda.

“Se não tivéssemos essa questão do dólar, a retomada (do setor solar) poderia ser ainda mais forte”, disse Takata, da Greener.

Além do movimento no câmbio, a vitória de Joe Biden pode ser vista como positiva para o setor de energia solar devido à agenda ambiental do candidato, defensor de fontes renováveis, acrescentou Pedroso, da Pacto. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!