COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Setor de serviços se recupera na Capital

COMPARTILHE

A normalização do atendimento presencial dos bares e restaurantes em BH, com horário amplo, estimula negócios | Crédito: CHARLES SILVA DUARTE / Arquivo DC

Com o avanço da vacinação e a estabilização dos serviços de bares, restaurantes e eventos em Belo Horizonte, empresários que fecharam as portas durante os picos da crise pandêmica, voltam a abrir as portas. O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Minas), por exemplo, vem registrando uma maior procura dos empreendedores por consultorias para a retomada dos negócios.

A analista da Unidade de Indústria, Comércio e Serviços do Sebrae Minas, Simone Lopes, é uma tendência de que esses empresários estejam reabrindo ou montando novos negócios em função da vacinação. “Este estímulo vem, principalmente, para o microempreendedor que não tem outro ramo de trabalho em vista, os que querem tocar de negócio ou retomar aquele que por algum motivo tiveram que fechar”, diz.

PUBLICIDADE

Ainda de acordo com o Sebrae Minas, a grande maioria desse empreendedores que retomam os trabalhos é do ramo alimentício ou de eventos. “Que são negócios de fácil absorção no mercado e que muitos desses empreendedores já trabalhavam com esse setor e acabam decidindo voltar e aprimorar para abrirem ainda neste ramo”, explica Lopes.

No período de pico da pandemia em Belo Horizonte, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais (Abrasel-MG) chegou a registrar 8 mil estabelecimentos de portas fechadas em 2020 e meados deste ano.  Agora, com a retomada dos trabalhos, o presidente da Abrasel-MG, Matheus Daniel, comemora a melhora gradativa no setor. “Ainda temos muito para melhorar, mas percebemos que alguns empresários começaram a retomar seus negócios. Alguns com uma temática diferente e outros com a mesma estrutura que antes”, detalha.

Matheus Daniel opina que o prazer em trabalhar com o público, a gastronomia, o retorno dos clientes – mineiros e turistas – é o “combustível” para a retomada dos empresários. “É um prazer trabalhar com gastronomia em Belo Horizonte. Nós que trabalhamos há muitos anos nesse setor acabamos sentindo falta e por isso é satisfatório ver quando o colega do setor consegue retomar o negócio”, conta.

 A Abrasel-MG não tem números a respeito de quantos empresários retomaram as atividades após a autorização definitiva de funcionamento dos estabelecimentos concedida pela Prefeitura de Belo Horizonte em maio deste ano, mas garante que os números são expressivos.

O Sebrae Minas também não oferece uma pesquisa a respeito do tema, mas uma pesquisa divulgada em maio deste ano, aponta que dos 70% dos empreendedores mineiros endividados, 68% eram do ramo alimentício. “Essa retomada dos negócios é importante porque dá um sinal que esses mesmos empreendedores, que anteriormente se declararam endividados, agora, estão com as contas minimamente em dia para que possam retomar as atividades anteriores”, avalia Simone Lopes.

Mas qual foi o motivo pelo qual a pandemia foi tão agressiva para uns e nem tanto para outros economicamente? Simone Lopes pontua que o impacto foi sofrido por todos, mas alguns detalhes fizeram a diferença para alguns empresários: organização em gestão, protocolos de higienização, adaptação ao cliente, saúde financeira e posicionamento estratégico foram peças fundamentais para manter o negócio equilibrado.

“Para quem está no ramo alimentício, seguir protocolos rigorosos de higienização são fundamentais, é o que estamos passando hoje. Evitar desperdício, gerenciar os procedimentos da cozinha, a implementação da marca nas redes sociais, assim como o delivery foram fundamentais. Reorganizar as contas da empresa e sempre ter uma reserva para as emergências”, pontua.

Agora, com a volta ao mercado, Simone dá algumas dicas para quem não quer cometer os mesmos erros. “Os protocolos sanitários são primordiais. Agora, o empresário vai lidar com o atendimento físico e o delivery e isso pede planejamento. Jamais poderá ser a mesma equipe. Separe os afazeres – uma turma atende somente o delivery e a outra os clientes físicos. O empresário deve ficar atento para não perder a qualidade do produto oferecido e nem mesmo do atendimento”, destaca.

A Nova Autêntica

 Cinco anos embalando as noites dos belo-horizontinos, a casa noturna A Autêntica, está de volta! A surpresa será confirmada pelos sócios da empresa durante um anúncio previsto para o dia 28 de setembro.

Para o DIÁRIO DO COMÉRCIO, o sócio-proprietário Leo Moraes adiantou que os clientes fiéis da casa poderão ajudar por meio de uma vaquinha coletiva. Os detalhes serão dados apenas no dia do anúncio. 

Outra novidade é que A Autêntica também está de casa nova. “O local é bem mais amplo do que onde estávamos na Savassi e bem legal. Temos certeza que o público vai gostar bastante”, diz Leo Moraes. O empresário não revelou o endereço, mas revelou que a nova casa fica na região Leste de Belo Horizonte.

A Autêntica fez história na noite belo-horizontina com um cardápio eclético de shows, recebendo 910 eventos e mais de mil artistas que iam do jazz ao hip hop. A casa de shows chegou a receber mais de 160 mil pessoas e anunciou o fechamento em junho do ano passado. “Quando a prefeitura começou a fechar as atividades de serviços da cidade, percebemos que o nosso setor seria um dos próximos e foi o que aconteceu. Nosso negócio é aglomeração. A experiência da música ao vivo é insubstituível, é uma troca entre o músico e a plateia e não tinha jeito”, relembra.

Moraes avalia que agora, com a vacinação ampla, a possibilidade da volta dos eventos e da “aglomeração controlada” fica mais real. “É claro que essa doença não vai acabar de um dia para noite. O que temos é a vacinação ampla e o que eu acredito é que a partir de agora, teremos que tomar a vacina regularmente e seguir os cuidados, mas que conseguiremos ter essa troca do músico com a sua platéia, que é um momento único”, detalha.

Para o empresário, a lição que a pandemia deixa é que como a música, as artes em geral, perdem sem o público. “A experiência ao vivo é importante. É insubstituível. Como forma de negócio, estamos tentando entender, como manter nosso negócio, shows de forma híbrida, ter reservas, mas o nosso empreendimento é mesmo aglomeração”, brinca.

E o empresário conta nos dedos o dia da reestreia da casa de shows, que será em breve. “A expectativa da volta é que as pessoas queiram se confraternizar. As pessoas estão sedentas por partilhar. Tem artistas querendo marcar shows e está uma torcida grande para que o pesadelo da pandemia acabe logo”, reforça Moraes. 

Apostas

Há quatro meses o chef Juliano Caldeira é sócio de um novo restaurante. Ele e outros dois sócios abriram a Calom Comidaria. Em 2017, o empresário fechou as portas devido a problemas financeiros. “Fechei antes da pandemia, com muito pesar, não tinha mais estrutura financeira para continuar”, relembra.

Com o tempo, o chef Juliano começou a trabalhar com consultoria gastronômica. Com a pandemia, chegou a sentir um alívio por não ter mais o restaurante de comidas exóticas. “Porque se eu ainda estivesse aberto, eu não saberia o que fazer. Pelo menos, o pouco que eu tinha na época, deu para sanar as dívidas”, detalha.

Mas mal sabia ele que a insistência de dois amigos lhe daria coragem para abrir um novo empreendimento. “Abrimos no fim da segunda onda do pico da pandemia. Dessa vez, procurei o auxílio do Sebrae Minas para uma consultoria para ajudar nas ações que deveríamos tomar em meio a essa crise sanitária, algo novo e diferente para todo mundo”, conta.

Juliano e os sócios começaram o serviço apostando no delivery e deu certo. Após a conquista da clientela, os restaurantes que começaram a receber clientes, agora provam os pratos do chef acompanhados da cerveja artesanal da Uaimii, que é parceira do restaurante.  “Continuamos com o delivery e atendemos aqui no restaurante e, graças a Deus, estamos com resultado positivo”, comemora.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!