COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

O Grupo Supremo aposta em produtos com maior valor de mercado como estratégia - Divulgação

O Grupo Supremo Carnes, com sede em Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), pretende alcançar R$ 1 bilhão de faturamento em 2019. Caso a projeção se confirme, representará 25% de incremento nos resultados da empresa de um exercício para outro, uma vez que a empresa deve encerrar 2018 com faturamento de cerca de R$ 800 milhões, cifras semelhantes às observadas no ano passado.

A informação é do presidente do grupo, Luiz Carlos da Silva. A aposta, segundo ele, está ancorada em algumas estratégias a serem adotadas pelo Supremo, entre as quais, está o investimento de R$ 60 milhões ns próximos dois anos, que permitirá aumentar a capacidade de abate do frigorífico em mais de 50% até 2020.

PUBLICIDADE

“Estamos modernizando nossas plantas localizadas no interior, sob investimentos de R$ 60 milhões a serem realizados no prazo de dois anos. Esta é uma das principais medidas que vai alavancar e sustentar os crescimentos previstos para 2019 e 2020. Para se ter uma ideia, com o investimento, nossa capacidade de abate que hoje é de mil animais ao dia passará para algo em torno de 1.500 a 1.600 diariamente”, explicou.

O Grupo Supremo possui quatro plantas em operação, todas no Estado, e a intenção é aprimorar e modernizar a estrutura das unidades. Na unidade de Ibirité, matriz da empresa, já são feitos o abate e a desossa da carne. Na unidade de Carlos Chagas, no Vale do Mucuri, o aporte será na modernização e aprimoramento dos sistemas de abate e desossa.

Já nas unidades de Abaeté, na região Central, e Campo Belo, no Centro-Oeste, além do abate, que já é feito, será instalado o sistema para a desossa da carne, o que é fundamental para o crescimento da produção.

Ainda conforme o presidente, o aporte possibilitará também a expansão e o fortalecimento da marca nos mercados nacional – principalmente em Minas Gerais – e internacional. Atualmente, 70% da produção do frigorífico é destinada ao mercado nacional e 30% exportada para cerca de 30 países.

No Brasil, Minas fica com quase metade do mercado. “Queremos expandir essa participação ainda mais, atuando em regiões que ainda não estamos”, revelou. O plano de expansão vai permitir também o aumento na geração de emprego. O grupo que possui hoje 1.950 funcionários entre diretos e indiretos, verá ver este número saltar para cerca de 2500. Somente os empregos diretos atualmente chegam a 1.200.

Leia também:

Credibilidade com selo do Mapa

Linhas nobres – Outra estratégia que, conforme o presidente, já tem alavancado os resultados do Supremo é a qualidade das carnes. O grupo tem investido também em linhas nobres, como a carne de angus, produto de maior valor de mercado, principalmente devido à qualidade e ao manejo diferenciado.

“Lançamos a linha Black Angus há alguns meses e já estamos presentes nas principais redes de supermercado. Medidas como essas é que nos permitiram atravessar o ano de 2018, que não foi nada fácil para o Brasil, em virtude do consumo ainda retraído no mercado interno e da recuperação lenta da economia”, justificou o presidente do Grupo Supremo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!