COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
No segundo trimestre, conforme a pesquisa, o número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado do Estado teve queda de 7% | Crédito: Nacho Doce / Reuters
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

A força de trabalho em Minas Gerais chegou a 10,3 milhões de pessoas no segundo trimestre deste ano, o que representou uma variação negativa de 802 mil pessoas em relação aos primeiros três meses de 2020, quando a pandemia de Covid-19 mal tinha chegada ao País.

Deste total, 9 milhões foram classificadas como ocupadas e 1,3 milhão como desocupadas. A taxa de desemprego no Estado atingiu 12,9% no período. As informações são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

PUBLICIDADE

Conforme o levantamento, em relação ao trimestre anterior, o número de ocupados caiu 8,7%, representando 858 mil pessoas a menos nessa condição, enquanto o total de desocupados não apresentou variação estatisticamente significativa.

Já sobre igual época de 2019, o total de pessoas ocupadas apresentou queda de 11,7% ou menos 1,2 milhão de pessoas e o número de desocupados aumentou 24,3% (262 mil pessoas a mais). No País, o total de ocupados caiu 10,7%, enquanto o número de desocupados ficou estável.

Assim, a taxa de desocupação do Estado encerrou o segundo trimestre de 2020 em 12,9%. O índice apresentou acréscimo de 1,4 ponto percentual em relação ao primeiro trimestre do ano, quando a taxa foi de 11,5%. Já na comparação com o segundo trimestre de 2019, a taxa de desocupação no Estado cresceu 3,4 pontos percentuais.

De acordo com o economista do IBGE Minas, Gustavo Fontes, o que mais chamou atenção no comportamento do mercado de trabalho no decorrer do segundo trimestre deste exercício, em Minas Gerais, foi, justamente, a queda da população ocupada.

“Ao todo, foram menos 858 mil pessoas a menos de um trimestre para outro. Porém, essas pessoas não necessariamente viraram desocupadas, muitas, simplesmente, deixaram a força de trabalho, já que a taxa de desocupação não teve aumento proporcional”, explicou.

Em termos de setores, a Pnad revelou que, em Minas Gerais, em relação ao trimestre anterior, foram estimadas variações negativas do número de pessoas ocupadas em todas as posições, exceto os empregados do setor público e os trabalhadores familiares auxiliares, que ficaram estáveis.

O total de empregados do setor privado sem carteira assinada caiu 13,6% e o contingente de empregados do setor privado com carteira reduziu 7%. Também houve queda do total de trabalhadores domésticos (-19,6%), trabalhadores por conta própria (-13%) e empregadores (-12,3%).

“Em relação ao primeiro trimestre, não houve queda da população ocupada no setor público, mas as demais áreas observaram retrações importantes. Sobretudo nos empregados sem carteira assinada e trabalhadores domésticos. Ou seja, fatias da população que trabalham por conta própria, a maioria na informalidade. São pessoas que não tinham a proteção do emprego formal e foram atingidas, certamente, pelos impactos econômicos da pandemia”, acrescentou.

Na comparação com o segundo trimestre de 2019, houve aumento apenas do total de empregados do setor público.

Atividades – Além disso, analisando o número de pessoas ocupadas por grupamentos de atividade econômica, em relação aos primeiros três meses deste exercício, as maiores reduções, em termos absolutos, ocorreram em comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (menos 188 mil pessoas ocupadas), indústria geral (menos 174 mil), serviços domésticos (menos 144 mil) e alojamentos e alimentação (menos 132 mil).

Em relação ao segundo trimestre de 2019, houve aumento apenas no total de ocupados da administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais. Os grupos de serviços de transporte, armazenagem e correio e dos serviços de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas apresentaram estabilidade.

Os demais apresentaram queda, com as maiores retrações observadas no comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (menos 349 mil pessoas), serviços domésticos (menos 191 mil) e construção (menos 153 mil).

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!