COTAÇÃO DE 17/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2660

VENDA: R$5,2660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2500

VENDA: R$5,4230

EURO

COMPRA: R$6,4106

VENDA: R$6,4134

OURO NY

U$1.866,89

OURO BM&F (g)

R$316,43 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Thyssenkrupp conclui a ampliação da linha de usinagem em Poços de Caldas

COMPARTILHE

A Thyssenkrupp está investindo R$ 130 milhões na fábrica 4.0 | Crédito: THYSSENKRUPP-DIVULGAÇÃO

A alemã Thyssenkrupp concluiu a ampliação de uma nova linha de usinagem de tubos na planta da empresa em Poços de Caldas, no Sul de Minas Gerais, resultado de um aporte de R$ 30 milhões. O montante faz parte de um total de R$ 130 milhões que vêm sendo investidos no local desde a sua inauguração em 2015. A fábrica 4.0 da companhia no município é responsável por produzir eixos de comando de válvula e módulos integrados para veículos. Com a ação, as expectativas são de ganhos em competitividade.

“O objetivo da ampliação da unidade de Poços de Caldas é permitir a fabricação local de componentes das peças automotivas produzidas na fábrica que, até então, eram importados da Europa. Com isso, amplia-se o índice de conteúdo nacional dos produtos que a Thyssenkrupp produz no País. Esse aumento do conteúdo nacional permite à empresa aumentar a sua competitividade e reduzir o prazo de entrega dos produtos aos clientes”, explica o CEO da Thyssenkrupp na América do Sul, Paulo Alvarenga.

PUBLICIDADE

De acordo com Alvarenga, Minas Gerais tem uma grande importância para a companhia no País. Além da unidade em Poços de Caldas, o Estado também abriga negócios da marca em Belo Horizonte e em Ibirité e Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), totalizando 500 colaboradores. Aproximadamente 25% da receita do Grupo Thyssenkrupp no Brasil são oriundos de Minas Gerais. A companhia faturou R$ 2,9 bilhões no ano fiscal 2018/2019 em toda a América do Sul.

“Temos interesse em continuar investindo em Minas Gerais e seguindo essa trajetória de sucesso, sempre a partir da avaliação da retomada do crescimento econômico no Brasil como um todo”, conta Alvarenga.

Cautela – De acordo com o CEO da companhia, a empresa se interessa também em permanecer investindo na localização de processos de usinagem e montagem com o objetivo de ampliar a taxa de conteúdo local. Entretanto, pontua, ainda é cedo para mencionar novos investimentos além dos que foram concluídos durante este ano.

“Novos aportes dependem, principalmente, da retomada do mercado automotivo brasileiro”, afirma ele, lembrando que o setor foi afetado de forma severa pela crise provocada pela pandemia da Covid-19.

O segmento automotivo é um dos três principais de atuação da Thyssenkrupp no Brasil, que também foca a defesa naval e a mineração, sendo que ambas oferecem boas perspectivas para a empresa atualmente.

Em relação à defesa naval, o CEO frisa que a Thyssenkrupp é “a empresa majoritária na Águas Azuis, sociedade de propósito específico responsável pela construção do maior e mais moderno projeto naval já realizado para a Marinha do Brasil, as fragatas da Classe Tamandaré”.

Já no que diz respeito à mineração, Alvarenga destaca que as expectativas são boas tendo em vista o crescimento do segmento. Aproximadamente 80% da produção de minério de ferro do País, diz ele, passa pelos equipamentos da marca. No início do segundo semestre deste ano, inclusive, a companhia anunciou o começo da produção de equipamentos no País para o setor em Santa Luzia e em Parauapebas (PA).

Com investimento feito na fábrica do Sul de Minas, que vai permitir a estratégica fabricação local de componentes, empresa alemã espera ampliar sua competitividade no mercado | Crédito: Divulgação

Investimentos na produção crescem 3,5%

Rio de Janeiro – O indicador que mede os investimentos na capacidade produtiva da economia brasileira teve alta de 3,5% em setembro, em comparação com agosto, informou ontem o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Chamado de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), o indicador mensal também subiu em relação a setembro de 2019, com avanço de 1,1%.

Com o resultado, o terceiro trimestre de 2020 teve um crescimento de 16,3% em relação ao segundo, quando o Brasil atravessou o pico da pandemia de Covid-19. Se comparado ao mesmo período de 2019, o resultado trimestral representou queda de 2,8%.

Apesar da alta em setembro, o Ipea indica que o ano de 2020 acumula queda de 3,6% na Formação Bruta de Capital Fixo.

Além de medir os investimentos em capacidade produtiva, a FBCF também contabiliza os gastos com reposição da depreciação dos estoques de capital fixo. O indicador é composto por três partes: máquinas e equipamentos, construção civil e outros ativos fixos.

No mês de setembro, a importação de máquinas e equipamentos cresceu 30%, enquanto a produção nacional dedicada ao mercado interno avançou 2%. Com isso, o consumo aparente de máquinas e equipamentos no País aumentou 4,3% em setembro em relação a agosto. Já frente a 2019, houve um recuo de 6,2% em setembro.

O componente construção civil teve aumento nas duas bases de comparação em setembro: de 2% em relação a agosto e de 10,9% ante setembro de 2019.

Para os outros ativos fixos, houve queda nas duas bases de comparação. Em relação a agosto, o recuo foi de 1,5%. Ante setembro de 2019, a retração foi de 6,6%. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!