Crédito: Alisson J. Silva

A comercialização de veículos importados, em Minas Gerais, ainda está em queda. De acordo com os dados divulgados pela Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa), de janeiro a agosto, houve uma retração de 37,5% no volume de unidades vendidas pelas associadas da Abeifa, somando 1.044 automóveis importados.

Mesmo com a retomada do comércio e de várias atividades econômicas, o nível de vendas mensais do setor está próximo, mas ainda não alcançou o visto antes da pandemia. A desvalorização do real frente ao dólar, o que encarece as importações, será mais um desafio para a recuperação do mercado.

Segundo os dados da Abeifa, de janeiro a agosto, foram comercializados, em Minas Gerais, 1.004 veículos importados pelas associadas, o que representa uma queda de 37,5% frente aos 1.608 emplacados em igual intervalo do ano anterior.

Em agosto, quando foram emplacados 141 veículos importados no Estado, as comercializações se mantiveram estáveis quando comparado com julho. Já no confronto com agosto de 2019, o desempenho ficou 20,7% menor, frente aos 178 emplacamentos registrados pelas associadas da Abeifa.

Logo no início da pandemia, quando as medidas de isolamento para controle da Covid-19 foram implantadas, a queda nas vendas foi significativa. Em março haviam sido vendidas 145 unidades, volume que foi reduzido para 84 em abril, queda de 42%. A recuperação, ainda que lenta, foi iniciada em maio, quando o comércio chegou a 120 unidades, passando para 144 em junho e 141 em julho e também agosto.

Em nível nacional, depois de apresentar alta de 11% em julho, ante junho de 2020, o setor voltou a registrar queda. No confronto de agosto com julho o recuo foi de 4,5% nas vendas, somando 2.831 unidades importadas vendidas no oitavo mês do ano. A queda persiste também ante agosto de 2019, de 10,8%.

Com os resultados, o acumulado dos primeiros oito meses do ano fechou com queda de 23,4%, com a venda de 17.008 unidades contra 22.199 emplacamentos de veículos importados feitos em igual período do ano passado.

Revisão – Em nota divulgada, o presidente da Abeifa, João Henrique Oliveira, explicou que diante dos resultados negativos observados nas vendas, será necessário revisar as projeções de licenciamento para o ano, principalmente, porque a tendência é de aumento dos valores, uma vez que o real está desvalorizado frente ao dólar.

“As nossas associadas tentaram segurar os preços ao consumidor, nos últimos três meses, com o dólar e o euro ainda do início do ano. Mas, a partir de agora, com a chegada de novos lotes de importação e mesmo os veículos aqui fabricados, a tendência é que os preços sejam reajustados”, analisa Oliveira.