COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

BALANÇO AGRO EM MINAS GERAIS Especial
Em 2020, foram 9,6 mil produtores atendidos na ATeG, ante os 5 mil registrados em 2019 | Crédito: Divulgação/Senar

Nem mesmo a pandemia da Covid-19 foi capaz de frear o processo de capacitação dos produtores rurais de Minas Gerais. As ações desenvolvidas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Minas) foram ampliadas e, para 2021, a expectativa é de um novo crescimento dos projetos.

Também será lançada, no Estado, a Faculdade CNA, que tem o objetivo de formar profissionais em áreas de gestão. Outra iniciativa considerada essencial será a inauguração do Centro de Excelência em Cafeicultura, que está sendo construído em Varginha, no Sul de Minas, e será voltado para a formação profissional.

PUBLICIDADE

De acordo com o superintendente do Senar Minas, Christiano Nascif, em 2020, devido à pandemia, foram feitas mudanças nos processos de treinamento, que também passaram a ser realizados de forma virtual. Os atendimentos presenciais foram ajustados conforme os protocolos para evitar a contaminação pelo vírus.

Com os esforços e os cuidados adotados, as capacitações foram realizadas e houve expansão na maior parte dos projetos. Ao todo, os treinamentos somaram 10 mil, de um total previsto de 12 mil. Foram capacitadas 140 mil pessoas.

“Mesmo com a pandemia, conseguimos realizar 80% das capacitações planejadas. Isso é importante para o produtor. Ao se capacitar, ele melhora o desempenho e tem resultados mais promissores. Este ano, a grade de cursos também foi reformulada e passou a capacitar os produtores para que eles aprimorassem o processo de comercialização, precificação e técnicas de negociação, problemas estes que foram aflorados pela pandemia e pelo fechamento de canais tradicionais de venda. Toda a estratégia adotada em 2020 será aplicada em 2021 até que haja uma vacinação em massa”.

Assistência técnica e gerencial Outro destaque foi o programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG). Em 2020, foram 9,6 mil produtores atendidos, ante os 5 mil registrados em 2019. O projeto é realizado em dez cadeias:

  • Cafeicultura
  • Bovinocultura de leite
  • Bovinocultura de corte
  • Fruticultura
  • Olericultura
  • Caprinocultura
  • Ovinocultura
  • Piscicultura
  • Apicultura
  • Agroindústrias artesanais

“Mesmo na pandemia, praticamente dobramos o número de produtores atendidos. Para 2021, nosso desafio continua e pretendemos realizar de 12 mil a 13 mil atendimentos somente no ATeG”, disse Nascif.

Ao todo, os treinamentos somaram 10 mil, de um total previsto de 12 mil, disse Nascif | Crédito: Divulgação/Senar

Já em relação à educação formal, estão matriculados 1.640 alunos. O curso técnico em agronegócio tem duração de dois anos e é balizado pelo MEC. São dez polos de ensino distribuídos pelo Estado e as aulas são 80% virtuais e 20% presenciais.

“O curso é um sucesso e totalmente gratuito. Para 2021, pretendemos iniciar o curso técnico em fruticultura também, que irá funcionar nos mesmos moldes do técnico em agronegócio”, explicou o superintendente do Senar Minas.

Em 2021, será inaugurada em Minas Gerais a Faculdade CNA, que irá oferecer cursos superiores. Serão três polos: na sede da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), em Belo Horizonte; em Manhuaçu, no Sul de Minas; e em Viçosa, na Zona da Mata. As aulas serão 100% virtuais e o início está previsto para março. Os cursos de graduação serão em gestão ambiental, gestão de recursos humanos, gestão de processos gerenciais e gestão do agronegócio.

Varginha terá Centro de Excelência em Cafeicultura

Varginha, no Sul de Minas Gerais, vai abrigar, a partir de abril de 2021, o primeiro Centro de Excelência em Cafeicultura do País. O espaço será utilizado para a formação de profissionais para atuarem na cadeia da cafeicultura estadual e nacional. A estimativa é capacitar cerca de 500 pessoas por ano. As atividades devem ser iniciadas em agosto.

De acordo com o vice-presidente do Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e presidente das comissões técnicas de Café da Faemg e Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Breno Mesquita, o centro de excelência será fundamental para a capacitação dos profissionais demandados pela cadeia do café. Com a formação de mão de obra especializada para toda a cadeia do café, haverá agregação de qualidade e valor ao café.

Os cursos a serem ministrados terão aulas virtuais e presenciais. O centro de excelência reunirá tudo em treinamento e capacitação do Senar em cafeicultura no Brasil. A estrutura conta com quatro laboratórios modernos para aulas práticas. Um deles é voltado para cafés especiais.

“Somos o principal produtor de café arábica do Brasil e do mundo. O laboratório de cafés especiais está sendo montado com muito zelo e será um dos melhores do País. A demanda por cafés especiais é muito grande. Aumentamos em 70% o consumo dos cafés especiais em 2020, mesmo com a pandemia. Essa é a tendência, tanto no mercado interno como nas exportações”, explicou o superintendente do Senar Minas, Christiano Nascif.

Inaes lança fundo de venture builder de apoio à inovação

Solucionar problemas no campo com o uso de tecnologias é um desafio grande e necessário para que a produção agrícola e pecuária continue evoluindo. Em 2020, o Instituto Antônio Ernesto de Salvo (Inaes), parte integrante do Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), realizou diversas ações. Dentre elas, foi lançado o Novo Agro Venture, um fundo de investimentos baseado no modelo venture builder do setor de agronegócio.

De acordo com a superintendente do Instituto Antônio Ernesto de Salvo (Inaes)/Sistema Faemg, Silvana Novais, o Novo Agro Venture é o primeiro do Brasil que seleciona inovações aplicadas e startups, além de investir em empreendedores que tenham paixão pelo propósito do negócio com foco na geração de valor para o mercado.

A iniciativa é uma parceria entre o Sistema Faemg e a FCJ Venture Builder, maior rede de venture builder da América Latina. A ideia consiste em criar condições para que as startups cresçam. Com o projeto, é possível aproximar investidores das startups que poderão criar e implementar soluções no campo.

“Lançamos o projeto este ano e já temos quatro startups implementadas e trabalhando. A proposta é ter, pelo menos, 30 até três anos do programa”, disse Silvana Novais.

Para levantar os gargalos e escolher as startups que poderão ser financiadas, são realizadas edições do Programa de Pré-Aceleração de Ideias, que tem o objetivo de desenvolver startups.

Projetos parceiros – A equipe do Inaes também participa de mentorias e seleção das melhores startups em projetos parceiros e que buscam soluções para problemas enfrentados na agricultura e pecuária. Dentre os parceiros estão o programa Ideas for Milk, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Avança Café (da Embrapa Café) e Agita Warm Up Agtech (Sebrae-MG).

Outra iniciativa fundamental para estimular o desenvolvimento da produção agropecuária é o Projeto de Estruturação e Sistematização de Dados Econômicos do Setor Agropecuário do Estado de Minas Gerais.

De acordo com Silvana Novais, em 2020, foi construída uma plataforma com banco de dados estruturado e integrado com os principais dados socioeconômicos da agropecuária nos âmbitos municipais, estadual e nacional. O projeto reúne informações de todas as culturas e os locais onde são produzidas.

“Com o mapeamento, é possível obter informações precisas para todas as culturas. A produção foi mapeada e também foram reunidos todos os dados econômicos, como exportação, importação, preços, entre outros. O objetivo é aproximar o mercado consumidor do produtor rural. A plataforma também será importante para mapear os gargalos e buscar políticas públicas. A plataforma está pronta e será lançada em 2021”.

Sustentabilidade – Em 2020, o Inaes também avançou no Programa de Incentivo à Produção Sustentável de Carvão Vegetal de Florestas Plantadas, que faz parte do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Foi feita a instalação de uma unidade demonstrativa de produção sustentável de carvão vegetal com foco em pesquisa na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), no campus Sete Lagoas.

Também foi instalada uma unidade demonstrativa de produção sustentável de carvão vegetal em Itamarandiba, no Vale do Jequitinhonha, onde também foi criado um laboratório de controle de qualidade do carvão.

“Em 2020, a pandemia de Covid-19 acelerou as ações do Inaes. Como já tínhamos o foco no desenvolvimento tecnológico, foi uma chance de implantar e acelerar os projetos. Foi um ano de alta produção”, explicou Silvana Novais. 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!