COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Atividade no País pode ter contraído 1,5% no 1º trimestre

COMPARTILHE

Recuo esperado se deve à queda nos gastos dos consumidores e no investimento privado dos setores | Crédito: Nacho Doce/Reuters

A economia do Brasil provavelmente encolheu 1,5% no primeiro trimestre, afetada pelo choque inicial da pandemia do novo coronavírus e indicando o que deverá ser uma recessão histórica, mostrou pesquisa da Reuters divulgada ontem.

Se confirmado, o trimestre de janeiro a março será o pior desde o segundo trimestre de 2015 (na comparação trimestre contra trimestre imediatamente anterior), ampliando as pressões sobre o governo do presidente Jair Bolsonaro para lidar com os efeitos da crise de saúde em uma economia que já mostra dificuldades.

PUBLICIDADE

Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) a serem divulgados na próxima sexta-feira devem mostrar recuo de 1,5% no primeiro trimestre em comparação ao trimestre anterior, de acordo com a mediana das estimativas de 38 economistas consultados entre 18 e 22 de maio.

As estimativas variaram de quedas de 0,9% a 10%, sendo que essa mais pessimista ficou longe da segunda pior estimativa na pesquisa, de contração de 3,4%. Em termos anuais, a mediana apontou recuo de 0,4%, o que seria a leitura mais fraca desde o quarto trimestre de 2016.

A contração esperada se deve à queda nos gastos dos consumidores e no investimento privado, enquanto os gastos do governo e a balança comercial devem compensar parcialmente, de acordo com respostas de perguntas separadas.

O segundo trimestre deve marcar a pior parte de uma recessão que provavelmente será a mais profunda da história moderna do Brasil e que durará um ano. Economistas esperam que a atividade econômica tombe 12,7% no período de abril a junho em termos anuais, o pior desempenho de todos os tempos.

“A quarentena e as medidas de distanciamento social tiveram um grande impacto nas vendas no varejo e nos serviços, com quedas de até 30% em alguns setores em abril e maio”, disse Rafaela Vitoria, economista-chefe do Banco Inter.

Em uma indicação de que o governo pode estar subestimando o alcance do Covid-19, a pesquisa prevê uma contração de 6,3% do PIB em 2020 – contra projeção oficial de queda de 4,7%. A economia deve se recuperar em 2021, com crescimento de 3,5%.

Ainda assim, economistas permanecem cautelosos. “Como a curva de novos casos de Covid-19 no Brasil está mostrando poucos sinais de desaceleração, existe um viés de baixa em nossas estimativas para ambos os anos”, destacou Alexandre Lohmann, analista da GO Associados.

Na semana passada, o Brasil ultrapassou a Rússia e se tornou o segundo país com maior número de casos confirmados de Covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Dos 21 economistas que responderam a uma pergunta diferente, 14 mostraram-se divididos sobre verem risco “muito baixo” ou “baixo” de que a recessão se prolongue para 2021. Seis disseram que o risco é “alto” e outro disse ser “muito alto”.

“A maior questão continua sendo quão comprometidos o presidente e o Congresso serão com reformas estruturais diante dos desafios econômicos e sociais apresentados pela pandemia”, disse Felipe Sichel, estrategista do Banco Modal. (Reuters)

Mercado já vê queda em 2020 próxima de 6%

São Paulo – A expectativa do mercado para a contração da economia brasileira se aproximou de 6% na pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central (BC) ontem, embora a visão sobre a recuperação em 2021 tenha melhorado.

De acordo com o levantamento semanal, o Produto Interno Bruto deve contrair 5,89% em 2020, de uma queda esperada anteriormente de 5,12%. Para 2021, a estimativa de crescimento melhorou em 0,3 ponto percentual, a 3,50%.

O Ministério da Economia prevê contração do PIB em 2020 de 4,7%, contra alta de 0,02% vista em março. Esse seria o pior resultado da série histórica que começou em 1900.

Selic – Já o cenário para a política monetária este ano permaneceu o mesmo, com os especialistas consultados mantendo a previsão da taxa básica de juros a 2,25%. Mas, para 2021, a conta caiu a 3,29% na mediana das projeções, de 3,50% na semana anterior.

O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, também vê a Selic a 2,25% este ano, mas reduziu a perspectiva no ano que vem a 2,88%, de 3,50% antes.

A pesquisa com uma centena de economistas apontou ainda que a expectativa para a inflação passou a 1,57% em 2020 e 3,14% em 2021, de 1,59% e 3,20% respectivamente no levantamento anterior.

O centro da meta oficial de 2020 é de 4% e, de 2021, de 3,75%, ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

O cenário para o dólar também sofreu alteração, com a moeda norte-americana estimada em R$ 5,40 este ano, ante R$ 5,28 antes, e caindo a R$ 5,03 no final de 2021, de R$ 5 previamente. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!