COTAÇÃO DE 06/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3640

VENDA: R$5,3650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3470

VENDA: R$5,5200

EURO

COMPRA: R$6,4639

VENDA: R$6,4668

OURO NY

U$1.786,86

OURO BM&F (g)

R$309,04 (g)

BOVESPA

+1,57

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças
Caixa reportou lucro líquido de R$ 4,21 bilhões no segundo trimestre, alta de 21,6% ante o mesmo período de 2018 - Crédito: REUTERS/Pilar Olivares

São Paulo – A Caixa Econômica Federal deixará para 2020 a listagem em bolsa de sua unidade de cartões, enquanto se concentra na abertura de capital da subsidiária de seguros e se prepara para desinvestir do Banco Pan.

“Não faz sentido levar duas operações desses portes ao mercado quase simultaneamente”, disse o presidente-executivo da Caixa, Pedro Guimarães, a jornalistas durante apresentação dos resultados do segundo trimestre.

PUBLICIDADE

Inicialmente, a Caixa pretendia realizar a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) das duas unidades ainda neste ano, mas de acordo com Guimarães a adequação a normas de reguladores está tomando mais tempo do que o previsto.

Mais adiante, o banco estatal também deve listar na bolsa as unidades de loterias e de gestão de recursos.

Antes da listagem da Caixa Seguros, o banco estatal pretende concluir a formação de 11 joint ventures nos próximos dois meses, disse Guimarães. A Caixa também espera concluir em breve parceria na área de cartões. Entre outros objetivos, o banco quer habilitar lotéricas para aceitar compras pagas com cartões.

Guimarães indicou ainda que a Caixa venderá sua participação no Banco Pan por meio de uma oferta de ações.

“A participação da Caixa no Banco Pan não é estratégica”, afirmou ele, ressalvando não ter pressa para fazer o desinvestimento.

Resultado – A Caixa anunciou pela manhã que teve lucro líquido de R$ 4,21 bilhões no segundo trimestre, alta de 21,6% ante mesma etapa do ano passado.

A provisão para perdas esperadas com calotes em abril e junho foi de R$ 3,4 bilhões, um aumento de 1,7% em 12 meses. O índice de inadimplência, medido pelo saldo de operações vencidas com mais de 90 dias, ficou em 2,46%, ante 2,5% na mesma etapa de 2018.

A Caixa também divulgou que não conseguiu cobrar mais tarifas de seus clientes no segundo trimestre. A receita com prestação de serviços ficou estável em 12 meses, em R$ 6,6 bilhões.

Houve um tombo de 21% nas tarifas com cartões e de 5,3% nas de conta-corrente. A alta de 8,9% nos pagamentos do governo ao banco público para prestação de serviços, a principal origem das receitas de prestação de serviços da Caixa, ajudou a deixar o período no zero a zero.

O banco destacou a redução das despesas, que caíram 6,7%, a R$ 2,8 bilhões. Parte do corte foi em gastos com publicidade, que recuaram 98%. Foram cortados de R$ 145 milhões a R$ 3,4 milhões no primeiro semestre deste ano. (Folhapress/Reuters)

Financiamentos da CEF recuaram no 2º trimestre

São Paulo – Apesar das promessas de que a Caixa Econômica daria crédito “à padaria do seu Joaquim”, um exemplo do presidente Pedro Guimarães sobre como seria a sua gestão à frente do banco público, a carteira de crédito encolheu no segundo trimestre de 2019.

O crédito para pessoa jurídica encolheu 30,7% entre junho do ano passado e deste ano. Para pessoa física, a redução foi de 7,9%. A carteira de crédito rural foi encolhida em 22,7%.

Houve alta no financiamento à habitação, porém bem mais modesta que a dos concorrentes, de 3,6%. A Caixa é o maior banco de financiamento imobiliário do País, com uma carteira de crédito que supera os R$ 450 bilhões. Suas operações dependem em parte do programa Minha casa, minha vida, que sofre com atrasos nos repasses do Tesouro.

Segundo o vice-presidente de Finanças e Controladoria do banco, Gabriel Dutra, as novas operações de crédito voltaram a ocorrer, mas devido ao tamanho da carteira da Caixa, isso demora a aparecer no tamanho da carteira.

Já Pedro Guimarães, presidente da Caixa, afirmou que “não tem nenhum problema em reduzir o tamanho da carteira”.

Apesar da queda nas operações de empréstimos, o banco conseguiu elevar sua margem financeira (receita com juros, a principal de uma instituição financeira) em 12,8%, a R$ 14,1 bilhões. Atribuiu o resultado maior em operações com valores mobiliários (operações no mercado financeiro) e a um menor custo de captação. A taxa Selic, que é a baliza do custo do crédito, caiu apenas no final de julho, de 6,50% para 6%, mas a expectativa de redução permite que os bancos paguem menos pelo dinheiro dos clientes.

O lucro do banco público cresceu 21,6%, a R$ 4,2 bilhões. Esse número só foi possível, no entanto, porque considera a entrada em caixa do dinheiro da venda das ações da Petrobras, operação realizada em junho. (Folhapress)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!