Crédito: Divulgação

Os desembolsos para as linhas de microcrédito do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) para Minas Gerais somaram R$ 384,46 milhões ao longo do primeiro semestre de 2020, o que representou um crescimento de 10,98% frente aos R$ 346,4 milhões liberados em igual período do ano anterior.

A demanda pelos recursos foi impulsionada pela crise provocada pelo Covid-19. A estimativa é de que os desembolsos continuem em alta.

Em relação ao Fundo Constitucional de Financiamento Nordeste (FNE), entre janeiro e junho, o BNB aplicou, nas áreas de atuação em Minas Gerais, R$ 1 bilhão para um volume de 27,5 mil operações. O valor responde por 8% do total liberado pela instituição, que foi de R$ 12,5 bilhões.

De acordo com o superintendente em exercício do Banco do Nordeste do Brasil para os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, Danilo Fonseca Cordeiro, o banco vem atuando de forma ativa para atender a demanda dos clientes, principalmente das linhas de microcrédito.

“Desde o início da pandemia, o BNB tem buscado atender a demanda dos clientes urbanos e rurais. O acesso aos recursos é fundamental para a melhoria de vida das pessoas e da sociedade. Nesse momento de pandemia, o acesso ao crédito é ainda mais importante para que o cliente consiga quitar os custos e desenvolver a atividade”, explicou.

Para as áreas de atuação em Minas Gerais, segundo os dados do BNB, no primeiro semestre, na linha de microcrédito (soma das linhas Crediamigo e Agroamigo) foram liberados R$ 384,46 milhões, em um total de 128.580 operações. Ao todo, o banco tem 226.648 clientes ativos. A previsão é de encerrar o ano com o desembolso total de R$ 962,6 milhões na linha.

Somente para o Programa de Microcrédito Urbano do Banco do Nordeste (Crediamigo), os desembolsos somaram R$ 266,3 milhões, elevação de 13,26% quando comparado com os R$ 235,12 milhões desembolsados no primeiro semestre de 2019.

Ao todo, foram feitas 105.346 operações, aumento de 2,77%. O número de clientes ativos cresceu 8,32%, somando 116.207. A estimativa do BNB é encerrar 2020 com o desembolso de R$ 667 milhões em crédito.

Já as operações do Programa de Microcrédito Rural do Banco do Nordeste (Agroamigo) somaram R$ 118,15 milhões entre janeiro e junho de 2020, o que representou um avanço de 6,15% frente aos R$ 111,31 milhões liberados em crédito no primeiro semestre de 2019.

Ao todo, foram realizadas 23.234 operações com os recursos, alta de 5,78%. A carteira de clientes ativos é de 110.441, número que está praticamente igual ao registrado em 2019, com uma pequena variação positiva de 0,6%. Para a conclusão do ano, a meta do Banco do Nordeste é liberar para a linha do microcrédito rural R$ 295,6 milhões.

“Com as liberações, o Banco do Nordeste cumpre seu papel de banco de desenvolvimento, contribuindo para o desenvolvimento da sociedade e reduzindo as diferenças econômicas e sociais. O acesso aos recursos permite que muitas pessoas saiam da informalidade, abrindo uma micro ou pequena empresa e melhorando a condição de vida. Além disso, os recursos desembolsados, geralmente, são utilizados na comunidade, o que gera um desenvolvimento local”, explicou Cordeiro.

No Estado, a entidade financeira atua em 168 municípios distribuídos nas regiões Norte, Vale do Jequitinhonha, Mucuri e em dois municípios do Noroeste (Arinos e Formoso).