COTAÇÃO DE 17/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2660

VENDA: R$5,2660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2500

VENDA: R$5,4230

EURO

COMPRA: R$6,4106

VENDA: R$6,4134

OURO NY

U$1.866,89

OURO BM&F (g)

R$316,43 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Dólar pode fechar este ano a R$ 6,40 em cenário de maior gasto público

COMPARTILHE

POR

Dólar
Crédito: Philimon Bulawayo / Reuters

São Paulo – O BTG Pactual elevou suas projeções para o dólar ao fim de 2021 e 2022, depois dos movimentos da moeda em março em decorrência da deterioração “substancial” do cenário doméstico e do quadro mais favorável à economia norte-americana, e alertou que, num cenário de maior gasto público e forte alta do risco-país, a cotação poderia terminar o ano em R$ 6,40.

A taxa de R$ 6,40 seria alcançada num cenário em que o custo fiscal adicional para financiar gastos de combate à pandemia ficasse entre R$ 200 bilhões e R$ 300 bilhões, o que poderia levar o CDS de cinco anos a 550 pontos-base.

PUBLICIDADE

A PEC Emergencial aprovada em março liberou recursos de até R$ 44 bilhões para o pagamento da nova rodada de auxílio emergencial neste ano. O CDS do Brasil estava em 221 pontos-base nesta quinta-feira.

Mas, no cenário-base do BTG, o dólar fecha o ano em R$ 5,40, acima dos R$ 5,20 previstos antes.

Dentre os fatores locais que ditaram piora no sentimento e motivaram a revisão dos números estão agravamento da pandemia, maiores riscos fiscais e percepção de maior intervencionismo na economia – esta desencadeada pela troca de comando da Petrobras.

“O principal risco negativo para o nosso cenário de câmbio é uma sinalização de deterioração adicional das contas públicas do País”, afirmou o banco em nota.

O BTG citou como elementos de piora no cenário eventual decretação do estado de calamidade e/ou de abertura indiscriminada de créditos extraordinários para custear gastos ou programas similares aos de 2020. Isso “aumentaria o risco-país e depreciaria a moeda doméstica”, disseram os analistas.

Mesmo com as novas projeções embutindo um cenário pior, elas ainda apontam queda do dólar até o fim do ano, visto que a moeda estava em cerca de R$ 5,60 nesta quinta. Essa perspectiva de baixa é explicada pelo banco a partir do controle da pandemia no Brasil – que, segundo o BTG, vai ajudar a diminuir o risco-país -, do aumento da Selic para 5,00% (a taxa está atualmente em 2,75%) e dos maiores preços de commodities no mercado internacional.

Volatilidade elevada

Os profissionais lembraram, entretanto, que a volatilidade do real segue “muito elevada” – em torno de 25% no primeiro trimestre de 2021, ante perto de 12% de 2011 a 2019 -, por causa do cenário doméstico “adverso” e da incerteza “bastante alta”.

“Portanto, enquanto a pandemia não for controlada e a incerteza permanecer elevada, é possível que a taxa de câmbio alcance patamares ainda mais depreciados antes de iniciar trajetória de apreciação sugerida pelos fundamentos”.

Para 2022, a expectativa subiu a R$ 5,60, de R$ 5,00. “O cenário doméstico para 2022 também se alterou de forma substancial com a expectativa de uma eleição presidencial que talvez seja mais polarizada, o que amplificou o cenário de maior risco fiscal no próximo ano”, disse o banco.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!