DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

IPOs perdem força com Covid e caos político

COMPARTILHE

Apetite de investidores estrangeiros por IPOs caiu significativamente | Crédito: Paulo Whitaker/ Reuters

São Paulo – A longa lista de empresas brasileiras em busca de uma listagem na bolsa de valores está sofrendo um revés à medida que os investidores começam a hesitar em participar de muitos negócios.

Cada vez mais uma nova onda bastante intensa da pandemia e a turbulência política assustam os gestores de fundos, forçando várias empresas a redimensionar, postergar e até cancelar suas ofertas públicas iniciais (IPO, na sigla em inglês).

PUBLICIDADE

Nas últimas duas semanas, por exemplo, o laboratório médico Diagnóstico da América e a distribuidora de eletrônicos Allied Tecnologia reduziram suas respectivas faixas de preços. Enquanto isso, a empresa farmacêutica Blau diminuiu o tamanho de sua oferta planejada e a empresa de software LG, o banco BV e a Viveo, distribuidora de produtos de saúde, cancelaram, pelo menos temporariamente, os IPOs planejados. A rede de hospitais Mater Dei está tentando precificar sua oferta, depois de reduzir o preço.

O chefe de banco de investimento do Itaú BBA, Roderick Greenlees, espera que apenas cerca de metade das 40 ofertas aguardadas para os meses de abril e maio sejam efetivamente concluídas. Onze empresas já afirmaram que pretendem precificar suas ofertas nas próximas semanas. “O mercado melhorou depois de atingir uma baixa duas semanas atras”, disse, acrescentando que algumas ofertas foram lançadas na última semana.

O ano passado foi o mais movimentado do Brasil nos últimos 13 para ofertas de ações, com 60 IPOs e follow-ons, e os executivos de bancos de investimentos estavam se preparando para uma safra ainda maior em 2021.

Empresas em setores mais resilientes, como saúde, tecnologia e finanças, tendem a concluir mais ofertas, disse o presidente-executivo da unidade brasileira do Morgan Stanley, Alessandro Zema. Mas mesmo essas companhias estão encontrando resistência dos investidores.

O presidente Jair Bolsonaro surpreendeu o mercado em fevereiro ao demitir o presidente-executivo da Petrobras em retaliação a uma série de altas nos preços dos combustíveis. Mais tarde, em outro golpe para o sentimento do mercado, o presidente-executivo do Banco do Brasil renunciou após Bolsonaro criticar seu plano de corte de custos. Ambos os movimentos trouxeram apreensão nas mesas de negociação. Adicionando pressão na frente política, o Senado está se preparando uma CPI para investigar como o governo lidou com a pandemia de coronavírus.

Uma oferta pública inicial de R$ 5 bilhões pela seguradora estatal Caixa Seguridade, marcada para 27 de abril, testará se o governo ainda pode atrair investidores.

O Brasil tem hoje o segundo surto de coronavírus mais mortal do mundo e a vacinação avança lentamente, minando a confiança na previsão do governo de crescimento do PIB de 3,2%, uma estimativa comumente usada por investidores em seus cálculos para definir as avaliações de empresas.

O apetite dos investidores estrangeiros por IPOs diminuiu significativamente, forçando as empresas a dependerem fortemente de gestores de fundos domésticos, disse à Reuters um gestor de private equity que planeja listar uma empresa de portfólio. Muitos investidores locais estão migrando de renda fixa para ações, já que as taxas de juros do Brasil estão na casa de um dígito, dando algum fôlego às ofertas, embora esse movimento tenha ficado mais lento este ano.

Em fevereiro e março, houve saída líquida de R$ 11,4 bilhões do segmento Bovespa, que exclui os números de IPO e follow-ons, mas ainda há um saldo positivo de R$ 13 bilhões no ano até agora. O Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, mostra desempenho inferior aos índices dos EUA, onde a atividade do mercado de capitais está intensa com o avanço da vacinação. “Somente uma velocidade maior de vacinação poderá levar a uma recuperação econômica mais rápida, favorecendo a perspectiva para os negócios”, disse Zema. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!