COTAÇÃO DE 17/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0220

VENDA: R$5,0220

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0600

VENDA: R$5,2030

EURO

COMPRA: R$5,9965

VENDA: R$5,9993

OURO NY

U$1.773,32

OURO BM&F (g)

R$287,07 (g)

BOVESPA

-0,93

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Reservas internacionais registram melhor rentabilidade em dez anos

COMPARTILHE

No último ano, resultado positivo foi de 4,33% em dólares | Crédito: Guadalupe Pardo / Reuters Usada em 04-12-19

Brasília – O Banco Central (BC) apontou ontem que as reservas internacionais tiveram a melhor rentabilidade em pelo menos dez anos em 2019, com resultado positivo de 4,33% em dólares, na esteira do afrouxamento monetário nos Estados Unidos (EUA).

“Ao longo do ano, verificou-se uma queda de juros nos EUA, com a reversão do ciclo de alta de juros do Fed (BC norte-americano), em resposta aos dados econômicos. Esse movimento, somado ao ganho com carregamento, gerou resultado positivo com juros de 4,25%”, afirmou o BC, em seu Relatório de Gestão das Reservas Internacionais.
Além disso, houve ganho com paridade de moeda de 0,08% no ano, prosseguiu o BC.

PUBLICIDADE

Antes disso, a melhor rentabilidade em dólares das reservas internacionais havia sido alcançada em 2011, quando chegou a 3,60%, conforme série disponibilizada pelo BC no documento, com início em 2010.

Quando medida em reais, a rentabilidade das reservas no ano passado foi de 8,53%, terceiro pior resultado da série, atrás de 2010 (-2,57%) e 2017 (+3,80%).

“Nesse caso, as variações do real em relação às moedas da reserva dominam o resultado total. Adicionalmente, como a volatilidade do real é significativamente mais alta que a do dólar frente a seus pares, o resultado nesse numerário sofre ainda mais influência das flutuações cambiais”, disse o BC.

Sobre o tema das reservas, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, afirmou, na quinta-feira passada, que há interpretação “às vezes muito assimétrica” sobre o que é o seguro proporcionado por esse estoque e que o tema é bastante discutido dentro do BC.

“Obviamente, você, quando tem um estoque de reservas e o câmbio desvaloriza, você tem um seguro que é implícito nisso que está na sua dívida líquida, porque o valor da sua reserva sobe e a sua dívida cai”, afirmou.

“Então obviamente quando o câmbio desvaloriza já tem um seguro implícito na baixa da dívida, porque você está com ativo em dólar que se valorizou sendo ‘fundeado’ (financiado) por um ativo em reais”, acrescentou.

O Brasil fechou 2019 com reservas internacionais de US$ 356,88 bilhões pelo conceito caixa, em um recuo frente aos US$ 374,72 bilhões de 2018, principalmente pela venda de US$ 36,861 bilhões à vista em intervenções cambiais – movimento que ajudou o País a reduzir sua dívida bruta.

Até o dia 20 de março, o estoque das reservas internacionais havia caído para US$ 347,423 bilhões, diante das novas atuações do BC no mercado de câmbio. As vendas de dólar à vista somaram US$ 16,211 bilhões até a mesma data, conforme dados mais recentes do BC. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!