DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9160

VENDA: R$4,9170

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0000

VENDA: R$5,0980

EURO

COMPRA: R$5,2070

VENDA: R$5,2096

OURO NY

U$1.842,24

OURO BM&F (g)

R$291,42 (g)

BOVESPA

+0,71

POUPANÇA

0,6697%

OFERECIMENTO

Finanças

Reservas internacionais registram melhor rentabilidade em dez anos

COMPARTILHE

No último ano, resultado positivo foi de 4,33% em dólares | Crédito: Guadalupe Pardo / Reuters Usada em 04-12-19

Brasília – O Banco Central (BC) apontou ontem que as reservas internacionais tiveram a melhor rentabilidade em pelo menos dez anos em 2019, com resultado positivo de 4,33% em dólares, na esteira do afrouxamento monetário nos Estados Unidos (EUA).

“Ao longo do ano, verificou-se uma queda de juros nos EUA, com a reversão do ciclo de alta de juros do Fed (BC norte-americano), em resposta aos dados econômicos. Esse movimento, somado ao ganho com carregamento, gerou resultado positivo com juros de 4,25%”, afirmou o BC, em seu Relatório de Gestão das Reservas Internacionais.
Além disso, houve ganho com paridade de moeda de 0,08% no ano, prosseguiu o BC.

PUBLICIDADE




Antes disso, a melhor rentabilidade em dólares das reservas internacionais havia sido alcançada em 2011, quando chegou a 3,60%, conforme série disponibilizada pelo BC no documento, com início em 2010.

Quando medida em reais, a rentabilidade das reservas no ano passado foi de 8,53%, terceiro pior resultado da série, atrás de 2010 (-2,57%) e 2017 (+3,80%).

“Nesse caso, as variações do real em relação às moedas da reserva dominam o resultado total. Adicionalmente, como a volatilidade do real é significativamente mais alta que a do dólar frente a seus pares, o resultado nesse numerário sofre ainda mais influência das flutuações cambiais”, disse o BC.

Sobre o tema das reservas, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, afirmou, na quinta-feira passada, que há interpretação “às vezes muito assimétrica” sobre o que é o seguro proporcionado por esse estoque e que o tema é bastante discutido dentro do BC.

PUBLICIDADE




“Obviamente, você, quando tem um estoque de reservas e o câmbio desvaloriza, você tem um seguro que é implícito nisso que está na sua dívida líquida, porque o valor da sua reserva sobe e a sua dívida cai”, afirmou.

“Então obviamente quando o câmbio desvaloriza já tem um seguro implícito na baixa da dívida, porque você está com ativo em dólar que se valorizou sendo ‘fundeado’ (financiado) por um ativo em reais”, acrescentou.

O Brasil fechou 2019 com reservas internacionais de US$ 356,88 bilhões pelo conceito caixa, em um recuo frente aos US$ 374,72 bilhões de 2018, principalmente pela venda de US$ 36,861 bilhões à vista em intervenções cambiais – movimento que ajudou o País a reduzir sua dívida bruta.

Até o dia 20 de março, o estoque das reservas internacionais havia caído para US$ 347,423 bilhões, diante das novas atuações do BC no mercado de câmbio. As vendas de dólar à vista somaram US$ 16,211 bilhões até a mesma data, conforme dados mais recentes do BC. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!