Crédito: Freepik

Pesquisa realizada pelo Sebrae Minas com 500 empresas mineiras aponta que 89% das micro e pequenas empresas (MPEs) estão sendo negativamente afetadas pela crise do novo coronavírus.

Algumas startups de Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, estão fora dessa realidade e têm registrado crescimento no período, inclusive, com contratações de novos colaboradores.

Criada em 2018 pela App Master, a plataforma Programadores em Juiz de Fora é uma ferramenta completa para o desenvolvedor que busca novas oportunidades e para as empresas que precisam destes profissionais. Desde o início da pandemia, a plataforma registrou um alto índice de pessoas contratadas.

“Filtramos tanto empresas quanto desenvolvedores disponíveis no mercado. Dessa forma, a maioria das vagas foi preenchida pela plataforma neste período e isso é bom para os dois lados”, diz o fundador da App Master, Tiago Gouvêa de Oliveira.

A ferramenta cria uma tendência de demanda que apresenta em tempo real o que está em alta na cidade. “A plataforma permite aos desenvolvedores encontrarem oportunidades de trabalho relevantes, que se encaixam com seu momento atual. Do lado da empresa, ela facilita apresentar suas vagas para a comunidade de desenvolvedores e também permite expor as tecnologias com as quais trabalha”, ressalta Oliveira.

Novas contratações a caminho – A startup juiz-forana Nvoip é uma plataforma de voz, SMs e API comandada por Leandro Campos e Irina Campos e está no mercado há três anos.

“Você pode fazer e receber ligações de onde estiver através do computador, celular ou integrado ao seu CRM, além de ter um sistema de atendimento digital com gravação e histórico de ligações, filas de atendimento, business intelligence e muito mais”, ressalta o CEO da empresa, Leandro Campos.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a startup cresceu duas vezes mais em março e abril se comparado com os meses de janeiro e fevereiro deste ano. “Nunca consideramos que a pandemia seria um empecilho para o nosso crescimento, já que a plataforma auxilia no trabalho remoto e nós migramos ainda em março para esta modalidade de trabalho”, diz.

Em março, a empresa suspendeu as contratações para analisar como iria realizar todo o processo de forma remota. Em abril, restabeleceu três vagas, uma já preenchida e outras duas que serão preenchidas em maio. Para junho, a Nvoip tem previsão de abrir mais quatro vagas.

“Atualmente, somos 18 pessoas na equipe e vamos chegar a 24 até o próximo mês. A meta para o ano é de 40 colaboradores na empresa”, destaca o CEO.

Com a pandemia, a empresa colocou todos os colaboradores para trabalharem de forma remota, sendo que alguns setores já trabalhavam em sistema de home office. “Para evitar desencontro de informações, tivemos que aumentar o número de reuniões on-line. A pandemia também intensificou o stress dos colaboradores. Para tentar sanar esse problema, toda semana propomos algum jogo on-line colaborativo, além de sessões de bate-papo em vídeo para descontrairmos”, diz Campos.

A Nvoip criou o Disque Coronavírus, uma iniciativa para ajudar a população no combate ao Covid-19. Através de ligação, a pessoa pode fazer o autodiagnóstico e receber orientações a respeito da doença. As prefeituras podem usar os dados coletados para fazer um mapeamento de infecção e para direcionar casos suspeitos para um médico, que pode estar em casa.

A prefeitura de Juiz de Fora e a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) já estão usando o sistema desde abril. O uso do Disque Coronavirus é gratuito e 24 cidades do país já aderiram ao sistema.

Além disso, a startup também está ajudando empresas a migrarem para o home office, através do seu sistema. “Estamos migrando todo o sistema de telefonia das empresas para a Nvoip e, assim, permitimos que os colaboradores usem nossa plataforma 24 horas na segurança de suas casas”. (ASN)

Projeto visa melhorar empregabilidade

Segundo dados divulgados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil a taxa de desemprego é de 11,6% no trimestre encerrado em fevereiro, ou seja, hoje no País existem mais de 12,3 milhões de pessoas sem emprego.

O número já é alto, mas, segundo alguns especialistas a taxa para o próximo trimestre deve ser ainda pior devido os efeitos do novo coronavírus. Para Celson Hupfer, CEO da Connekt, plataforma inteligente de recrutamento digital, as empresas se encontraram sem saída e, mesmo com uma série de cartilhas e recomendações, algumas tiveram que demitir ou congelar contratos.

Mas, foi pensando nos colaboradores que tiveram seus cargos cortados pela pandemia que a startup criou uma vaga exclusiva em seu site, a Reconnektados.

“Nosso objetivo com isso é nos tornarmos um canal que não só que disponibiliza vagas, mas que também pensa na empregabilidade do País. Além disso, queremos unir forças com empreendedores que estão contratando, ou seja, nosso papel agora é conectar quem precisa de um novo emprego a um profissional que busca uma recolocação, principalmente aqueles que tiveram cargos cortados ou quem já está procurando emprego há um tempo”, explica o CEO da startup, Celson Hupfer.

O #Reconnektados é uma área exclusiva da plataforma Connekt para quem teve o cargo afetado devido aos efeitos do Covid-19 ou para quem está em busca de um novo emprego a um longo tempo. Para se inscrever, o candidato deve clicar no link e, em seguida, o perfil do colaborador é compartilhado às empresas que estão contratando.

Já para as empresas que desejam receber os perfis, podem se cadastrar gratuitamente no link. A Connekt é responsável por selecionar e enviar as informações dos candidatos que possuem fit com o cargo que precisa ser preenchido. (Da Redação)