COTAÇÃO DE 04/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6572

VENDA: R$5,6582

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,7415

VENDA: R$6,7445

OURO NY

U$1.698,79

OURO BM&F (g)

R$309,40 (g)

BOVESPA

+1,35

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Legislação

Comissão da ALMG discute hoje extinção de cartórios

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Divulgação

A Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) debaterá, em audiência pública, a possível extinção de serventias de serviços notariais instaladas em diferentes localidades no Estado. A reunião, que atende a requerimentos dos deputados Duarte Bechir e Zé Reis (ambos do PSD), Marquinho Lemos (PT) e Alencar da Silveira Jr. (PDT), será realizada hoje, às 15 horas, no Auditório José Alencar.

Recente decisão anunciada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) prevê o encerramento das atividades de cartórios com baixa arrecadação e quantidade mínima de atos praticados, e a consequente anexação desses às sedes. A deliberação deve afetar cerca de 300 cartórios localizados em pequenos distritos, em diferentes regiões do Estado.

PUBLICIDADE

Um dos autores da solicitação para a audiência, o deputado Marquinho Lemos alertou para os riscos da resolução e as ações do Legislativo em relação ao tema.

“Tal medida poderá afetar o acesso da população do interior do Estado a serviços básicos, tais como certidões de casamento e nascimento. Nosso intuito é buscar um diálogo com o Tribunal de Justiça para tentar rever essa decisão”, ponderou o parlamentar.

A mudança proposta pelo TJMG também tem sido criticada por gestores de localidades que perderão (ou já perderam) suas unidades cartoriais. O assunto foi tema de reunião na ALMG, em agosto, da qual participaram vereadores e prefeitos de regiões afetadas. Durante o encontro, eles informaram que, em alguns casos, a população terá de se deslocar até 100 quilômetros para fazer registros civis, entre outros procedimentos.

A deliberação também foi bastante contestada por deputados, em pronunciamentos feitos na reunião do Plenário da ALMG, do dia 22 de agosto. O presidente da Casa, deputado Agostinho Patrus (PV), ainda enviou ofício ao Judiciário solicitando a revisão da decisão.

“Nossa expectativa é sensibilizar o Tribunal de Justiça para que a decisão seja revista e tenhamos um desfecho positivo para a população que reside nesses distritos afetados”, ressaltou o chefe do Parlamento estadual. (Com informações da ALMG)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente