COTAÇÃO DE 13/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0570

VENDA: R$5,0580

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1500

VENDA: R$5,2590

EURO

COMPRA: R$5,3163

VENDA: R$5,3179

OURO NY

U$1.810,48@

OURO BM&F (g)

R$303,69 (g)

BOVESPA

+1,17

POUPANÇA

0,6672%

OFERECIMENTO

Legislação

Investimento deve ser declarado no IR

Mesmo que parte de ganhos seja isenta de imposto, contribuinte precisa informar o valor total aplicado em 2021

COMPARTILHE

A Receita Federal deve receber 34,1 milhões de declarações | Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Até o fim deste mês de maio, todos os contribuintes deverão fazer a declaração do Imposto de Renda no site da Receita Federal. A expectativa é de que 34,1 milhões de declarações sejam enviadas até o final do prazo. Além de todos os percalços que podem dificultar a vida do contribuinte – e até levá-lo à malha fina -, sempre fica a dúvida: como declarar os investimentos?

Para começar, deve declarar quem entra na regra de obrigatoriedade, ou seja, teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 ou valores não tributáveis acima de R$ 40 mil em 2021. Quem investiu qualquer valor na Bolsa, deve declarar os investimentos de todas as classes que tenha em carteira na Declaração de Imposto de Renda de Pessoa Física 2022 (DIRPF 2022).

PUBLICIDADE




Embora parte dos ganhos seja isenta da incidência de tributos no Brasil, o contribuinte deve inserir, na declaração do Imposto de Renda de 2022, todos os investimentos que tinha em carteira em 2021. “Títulos de renda fixa, como tesouro direto e CDB, por exemplo, que grande parte das vezes sofrem a incidência do imposto anteriormente, também devem ser declarados ao Leão”, orienta o advogado especializado em direito financeiro pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Theo Lamounier.

Isso é especialmente importante se, em 2021, o declarante decidiu diversificar seus investimentos. “Se você aplicou seu dinheiro em ações, criptomoedas e investimentos no exterior, é importante ficar atento às regras da declaração do Imposto de Renda”, alerta Lamounier, que é diretor da Byebnk Investimentos. “Renda variável, como ações, fundos imobiliários, saldo de conta poupança, investimentos no exterior e valor em criptomoedas, deve ser descrita em campos específicos da declaração”, completa.

Para não ser pego de surpresa, é bom ter à mão, organizados ao longo do ano, alguns documentos que facilitam a tarefa: as notas de corretagem de cada operação, disponibilizadas pela sua corretora; o informe de rendimentos da sua corretora e as contas mensais de lucro ou prejuízo concluídas e separadas por tipo de operação. Além disso, é importante ter os Darfs pagos e reportados na declaração.

“Parece confuso, mas é só em um primeiro momento”, tranquiliza o especialista. Segundo Lamounier, já existem formas de facilitar a vida do investidor. “Uma das grandes inovações da plataforma byebnk, por exemplo, é a declaração dos investimentos como NFT, o que garante menos obrigações e menor carga tributária”, aponta.

PUBLICIDADE




A plataforma transforma a carteira de investimentos do cliente em NFT, um token não fungível. Para os não iniciados, o token é um livro contábil digital (ou sua unidade transacional), que registra transações financeiras de maneira concatenada e de forma imutável. Ele pode ser usado como meio de troca, unidade contábil ou reserva de valor. No caso de um NFT, os registros possuem características únicas e não podem ser substituídos por outra equivalente.

Moedas digitais

As obrigações tributárias são equivalentes às obrigações para criptomoedas, o que implica numa carga tributária menor e na facilidade de declaração. As principais regulações tributárias referentes às moedas digitais são de 2019, instituídas pela Instrução Normativa 1888 da Receita Federal. 

Ao investir em criptomoedas, diferente de se investir em ativos no exterior, você não precisa cumprir algumas obrigações tributárias acessórias de declarações e informações para a Receita Federal. Além disso, não é necessário pagar o imposto sobre a variação cambial.

Lamounier lembra que as criptomoedas, assim como ações, são apenas o veículo de investimento. Elas também podem representar a participação em uma empresa, uma moeda, um direito ou uma dívida.

“Para auxiliar na hora da declaração, o cliente encontra, dentro do app da plataforma, a sessão de relatórios. Dentre eles, o auxiliar de imposto de renda. Por meio dele, o usuário entenderá como declarar seus investimentos, uma vez que ele foi desenvolvido com base no sistema da Receita Federal. Basta seguir o passo a passo. Esse relatório também pode ser enviado por e-mail”, explica Lamounier.

Cada ativo tem suas regras de declaração específicas. Embora não seja necessário pagar imposto sobre todos os ativos, todos os ganhos e prejuízos precisam ser informados na declaração para evitar problemas.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!